Title
Search
All Issues
10
Ano: 2013  Vol. 17   Num. 3  - Jul/Set
DOI: 10.7162/S1809-977720130003000010
Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Inglês TextoTexto em Inglês
Contribuição de testes audiovestibulares no diagnóstico topográfico da surdez súbita
Performance analysis of ten brands of batteries for hearing aids
Author(s):
Silvio Pires Penteado1, Ricardo Ferreira Bento2.
Palavras-chave:
surdez súbita; diagnóstico; testes vestibulares; testes auditivos.
Resumo:

Introdução: A surdez súbita (SS) é uma urgência otorrinolaringológica definida como toda perda auditiva neurossensorial (PANS), igual ou maior que 30dB, acometendo pelo menos três freqüências tonais consecutivas, de instalação súbita, ocorrendo em até três dias. Nesses casos, deve-se realizar uma investigação detalhada a fim de definir sua provável etiologia e o melhor tratamento para o caso. Emissões otoacústicas (EOA), prova calórica (PC) e potencial miogênico evocado vestibular (VEMP) podem auxiliar na determinação do diagnóstico topográfico da SS. Objetivo: Avaliar a contribuição dos exames de EOA, PC, VEMP e RM no topodiagnóstico da SS. Método: Estudo transversal e retrospectivo de 21 pacientes com SS, submetidos aos seguintes exames: audiometria, timpanometria, EOA, PC, VEMP e RM. Sexo, lado acometido, grau da perda auditiva e resultados dos testes audiovestibulares foram descritos e relacionados com achados da RM. As variáveis qualitativas foram calculadas por meio do teste-t de Student, admitindo-se nível de significância estatística de 5% (p < 0,05). Resultados: A idade média dos 21 pacientes foi de 52.5 ± 15.3 anos; 13 (61.9%) eram do sexo feminino e 8 (38.1%) do sexo masculino. A maioria (55%) apresentou perda auditiva severa. Alterações na RM foram observadas em 20% dos casos. Ao adicionar as informações dos testes audiovestibulares à RM, a taxa de diagnóstico topográfico aumentou de 20% para 45%. Conclusão: Somente a análise combinada de testes audiovestibulares leva um diagnóstico topográfico preciso. Exames isolados não permitem estabelecer a extensão do quadro e sua provável etiologia.

  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2020