Title
Search
All Issues
1
Ano: 2003  Vol. 7   Num. 2  - Abr/Jun Print:
Editorial
Editorial
Author(s):
Dra. Tanit Ganz Sanchez,
Dr. Olavo Mion,
Prof. Dr. Ricardo Ferreira Bento,
Prof. Dr. Aroldo Miniti
Palavras-chave:
Prezados colegas:

Durante muito tempo, os médicos basearam suas decisões terapêuticas nos dados informados pelos pacientes, nos conhecimentos da fisiopatologia da doença e na sua experiência pessoal. Entretanto, muitos enganos foram verificados em relação à real utilidade de um determinado tratamento quando este era submetido a um estudo clínico randomizado.

Estima-se que mais de 50% das terapêuticas aplicadas na medicina ainda não dispõem de evidências clínicas de risco e beneficio. Por isso, cada vez mais a medicina baseada em evidências (MEB) está sendo valorizada, com a intenção de reduzir a margem de erro das condutas adotadas, racionalizar seus custos e humanizar a rela- ção médico-paciente.

A MEB é a busca por respostas a determinados problemas que surgem na prática diária, através de pesquisas criteriosas e de raciocínio, gerando dados que embasam as decisões médicas. Consta de quatro etapas sucessivas: formulação clara de um problema clínico, pesquisa na literatura de trabalhos relevantes, avaliação crítica da validade das evidências e implementação na prática clínica. Resumindo, significa ver, pesquisar, julgar e atuar.

Os ensaios clínicos randomizados, as metanálises e os estudos prospectivos de coorte compõem um arsenal de informações científicas à disposição do médico para ajudá-lo na tomada de decisões. É claro que isto não significa abandonar a experiência pessoal na hora da decisão final! O ideal é procurar um equilíbrio entre as evidências, as teorias fisiopatológicas e a experiência pessoal.

É necessário que os médicos estejam atualizados e que utilizem as informações clínicas importantes em beneficio dos pacientes. Nesse sentido, é importante que os otorrinolaringologistas motivem-se a realizar estudos dentro dos critérios adotados pela MEB... A revista Arquivos de Otorrinolaringologia tem se esforçado para contribuir com a disseminação de informações que possam auxiliar na tomada de decisões na prática clínica de cada um.

A todos os colegas, um muito obrigado pelas contribuições que temos recebido.

Abraços a todos

Dra. Tanit Ganz Sanchez
Dr. Olavo Mion
Prof. Dr. Ricardo Ferreira Bento
Prof. Dr. Aroldo Miniti
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2020