Title
Search
All Issues
10
Ano: 2006  Vol. 10   Num. 1  - Jan/Mar Print:
Case Report
Versão em PDF PDF em Português TextoTexto em Inglês
Rabdomioma Extra-cardíaco do Adulto Acometendo a Musculatura Extrínseca da Laringe
Adult Extracardiac Rhabdomyoma Compromising the Extrinsic Laryngeal Muscles
Author(s):
Gilberto Guanaes Formigoni1, Felipe Sartor Guimarães Fortes2, Christian Wiikmann3, Luiz Ubirajara Sennes4, Paulo de Campos Carneiro5
Palavras-chave:
Rabdomioma. Tumor de laringe. Diagnóstico. Biópsia aspirativa.
Resumo:

Introdução: O rabdomioma extra-cardíaco do tipo adulto é um tumor benigno raro que apresenta predileção pela região de cabeça e pescoço (90% dos casos). Objetivo: Rrelatar o caso de um paciente com rabdomioma acometendo a musculatura extrínseca da laringe e discutir seus aspectos diagnósticos e terapêuticos. Comentários: A diferenciação do rabdomioma com o próprio tecido muscular esquelético normal deve sempre ser realizada, além de rabdomiossarcoma e tumores de células granulares. O tratamento do rabdomioma é a exérese cirúrgica completa da lesão.

INTRODUÇÃO

O rabdomioma é considerado um tumor benigno, raro, que se origina das células musculares estriadas (1,2). O tumor pode apresentar-se de duas formas: a cardíaca, forma mais freqüente, preferencialmente em crianças, e freqüentemente associada a outras malformações como a esclerose tuberosa (em até 50% dos casos), facomatose ou distúrbios do metabolismo do glicogênio, e a extra-cardíaca, forma mais rara, com poucos casos relatados na literatura (3,4).
O rabdomioma extra-cardíaco pode ser classificado histologicamente em três variantes: adulto, fetal e genital. As duas primeiras apresentam predileção pela região de cabeça e pescoço (aproximadamente 90% dos casos), especialmente o trato aerodigestivo (faringe, laringe e cavidade oral) ou tecidos moles, embora possa ocorrer mais raramente em outros sítios como a órbita, bexiga, esôfago, tronco e extremidades. As formas fetal e adulta diferem em relação à faixa etária acometida: o fetal, ocorrendo em crianças com faixa etária geralmente abaixo dos três anos e o adulto mais comum na quinta década, mostrando predileção pelo sexo masculino (4:1) (1,4,5).
Apresentamos a seguir o caso de um paciente com rabdomioma do tipo adulto acometendo a musculatura extrínseca da laringe, os achados de imagem, citológicos (punção aspirativa), acesso cirúrgico, assim como aspectos histopatológicos relacionados ao tumor.

RELATO DE CASO

Paciente do sexo masculino, 34 anos, hígido, apresentou-se com queixa de nódulo no pescoço percebido ao fazer a barba. Negava outras queixas, emagrecimento, história de tabagismo ou etilismo. Ao exame físico apresentava massa indolor, consistência fibroelástica, em região submandibular e cervical média esquerda (nível III), com aproximadamente 2 a 3 centímetros de diâmetro.
Na ocasião foi solicitado ultrassonografia cervical que evidenciou formação nodular sólida em região submandibular esquerda, medindo 3,3 x 3,1 x 3,0 cm. Realizada punção aspirativa com agulha fina (PAAF) cujo resultado foi inconclusivo. A repunção realizada no mesmo serviço foi compatível com aspecto citológico de tecido linfóide reacional. Foram solicitados hemograma, sorologias para toxoplasmose e citomegalovírus, com resultados normais. Nesse momento, foi orientada observação clínica do caso e retorno em três meses para reavaliação.



Após seis meses o paciente retornou com queixa de aumento do abaulamento cervical, sem outra sintomatologia. Ao exame físico, notava-se aumento da massa cervical descrita (aproximadamente 4 cm no maior diâmetro, níveis II - III), sendo a oroscopia e nasofibroscopia normais. Foi solicitado exame de tomografia computadorizada que mostrou nódulo sólido, de contornos nítidos, atenuação homogênea, com captação de contraste, anteriormente a artéria carótida comum e veia jugular, medindo aproximadamente 3,8 X 3,7 X 2,5 cm. A lesão desloca superiormente a glândula submandibular esquerda, não apresentando plano de clivagem nítido com a mesma, e atinge o espaço parafaríngeo esquerdo, com impressão sobre a laringe, apagando a prega ariepiglótica esquerda, e associando-se a foco de rarefação da cartilagem tireóide. Também se observam linfonodos aumentados em região submandibular, com até 1,5 cm em nível II bilateralmente (Figura 1).
A seguir, o paciente realizou exame de ressonância magnética que mostrou lesão em espaço submandibular esquerdo, medindo cerca de 5 cm em seus maiores diâmetros, que desloca a glândula submandibular superiormente, sem apresentar plano de clivagem nítido com seu pólo inferior. Observa-se também que a lesão insinua-se profundamente ao osso hióide, chegando até a submucosa hipofaringe, deformando a parede lateral do seio piriforme (Figura 2).
Diante do quadro, realizou-se nova PAAF, em outro serviço, cujo resultado citológico foi de neoplasia de células musculares esqueléticas, sugestivo de rabdomioma (do tipo adulto) (Figura 3).






O paciente foi submetido a tratamento cirúrgico com remoção completa da lesão tumoral (Figuras 4 e 5). O resultado histopatológico final foi de rabdomioma do tipo adulto (Figura 6). Exames imunocito e histoquímico foram realizados, apresentando positividade para HHF-35 (actina muscular) em ambos, positividade para mioglobina na citologia e negatividade na histologia e negatividade para citoqueratinas (AE1+AE3) em ambos preparados (Figura 7).

DISCUSSÃO

O rabdomioma extra-cardíaco do tipo adulto é um tumor extremamente raro, que apresenta predileção pela região de cabeça e pescoço, embora possa ocorrer em outras regiões como a vagina, bexiga, tronco e extremidades (1,6). O tumor é mais freqüentemente encontrado na musculatura derivada dos arcos faríngeos e, na região cervical, os locais mais freqüentemente acometidos são: laringe, região submandibular, espaço parafaríngeo, cavidade oral e rinofaringe (3,7).




Clinicamente o tumor costuma manifestar-se como uma massa cervical de crescimento lento e indolor, coincidindo com a natureza sua benigna, e estando sua sintomatologia associada a localização (7,8). Mais raramente o tumor pode apresentar-se como uma lesão multicêntrica, acometendo as regiões previamente citadas (3).
Embora sua histogênese esteja bem estabelecida, sua natureza precisa é discutível e incerta. Devido ao alto grau de diferenciação celular e seu crescimento lento, alguns autores sugerem que o rabdomioma do tipo adulto não seja uma neoplasia verdadeira, mas uma lesão tecidual reativa ou hamartoma (2,4). No entanto, estudos recentes demonstraram a ocorrência de anormalidade clonal cromossômica no tumor, reforçando a hipótese de tratar-se de uma neoplasia verdadeira (9).
O diagnóstico do tumor é anátomo-patológico, podendo geralmente ser facilmente definido. Poucos casos podem causar dificuldade diagnóstica e precisam ser diferenciados de outros tumores ou lesões reativas tais como o tumor de células granulares, hibernoma, rabdomioma do tipo fetal, rabdomiossarcoma, e o próprio tecido muscular esquelético normal (1). A imunohistoquímica foi realizada e confirmou a diferenciação de tecido muscular esquelético.
O diagnóstico através do exame citológico (PAAF) pode ser difícil, sendo importante para o patologista acesso aos dados clínico-radiológico, pois pelo seu alto grau de diferenciação o tumor pode assemelhar-se histologicamente ao tecido muscular esquelético normal (7,10).
No exame anatomopatológico da peça cirúrgica observam-se: células grandes, poligonais, com núcleo pequeno e redondo, localizado preferencialmente na região central, nucléolo abundante e proeminente, citoplasma eosinofílico e granular, com a presença de grandes vacúolos citoplasmáticos na periferia em algumas células (1,9,10).
O rabdomioma extra-cardíaco do tipo adulto não apresenta transformação maligna e seu tratamento é a excisão cirúrgica, sendo que geralmente a lesão tumoral apresenta um plano de clivagem com as estruturas adjacentes (11). É importante salientar a necessidade de excisão completa da lesão, pois este costuma apresentar caráter recidivante (em torno de 15% dos casos), geralmente secundária a excisão incompleta. A recorrência da lesão costuma ocorrer anos após sua retirada, devido a seu caráter de crescimento lento. Existem casos de recorrência relatados até 30 anos após a cirurgia (3,9).
Neste caso, logo após a cervicotomia, no plano subplastimal, observamos o aparecimento de uma massa lobulada, contorno regular, que apresentava plano de clivagem com as outras estruturas, sendo facilmente individualizada. O tumor estendia-se a região do seio piriforme, anteriormente a artéria carótida e veia jugular (Figuras 5). Profundamente, a lesão apresentava-se aderida à musculatura constritora da faringe, podendo-se individualizar o nervo laríngeo superior (Figura 6). Macroscopica¬mente o tumor apresentava-se como uma massa lobulada, consistência endurecida, e de aspecto homogêneo (Figura 7).
O paciente encontra-se no vigésimo mês pós-operatório, evoluindo bem e sem sinais clínicos de recidiva.

COMENTÁRIOS FINAIS

O rabdomioma extra-cardíaco do tipo adulto deve ser lembrado no diagnóstico diferencial de massas cervicais. No seu diagnóstico é importante a combinação dos dados clínico-radiológicos e histopatológicos para diferenciar do tecido esquelético normal e outras neoplasias (tumor de células granulares, hibernoma, rabdomiossarcoma). No tratamento deve-se garantir a exérese completa da lesão, evitando assim sua recorrência.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Weiss SW, Goldblum JR. In: Weiss SW, Goldblum JR. Enzinger's and Weiss's Soft Tissue Tumors. 4 th ed. St. Louis: Mosby: 2001, p. 769-783.
2. Kappadia S, Meis J, Frisman DM, et al. Adult rhabdomioma of the head and neck. Hum Pathol, 24: 608-17, 1992.
3. Schemen L, Spiro R, Tuazon R. Multifocal adult rhabdomiomas of the head and neck. Head & Neck, 14:395-400, 1992.
4. Rosenman D, Gertner R, Fradis M, et al. Rhabdomioma of the larynx. J Laryngol Otol, 100:607-610, 1986.
5. Modlin B. Rhabdomioma of the larynx. Laryngoscope, 92: 580-582, 1982.
6. Di-SantAgnese PA, Knowles DM. Extracardiac rhabdomyoma: a clinicopathologic study and review of literature. Cancer, 46: 780-89, 1980.
7. Stringer SP, Glose LG, Merkel MA, et al. Adult parapharyngeal extracardiac rhabdomioma. Head & Neck, 10: 422-6, 1988.
8. Weitzel GJ, Myers EN. Rhabdomioma of the pharynx. Laryngoscope, 86: 98-103, 1974.
9. Gibas Z, Miettinen M. Recurrent parapharyngeal rhabdomioma. Evidence of neoplastic nature of the tumor from cytogenetic study. Am J Surg Phatol 16: 721-8, 1992.
10. Domanski HA, Dawinskiba S. Adult rhabdomyoma in fine needle aspirates. A report of two cases. Acta Cytologica, 44: 223-6, 2000.
11. Whinter LK. Rhabdomyoma of the hypopharynx and larynx. Report of two cases and a review of the literature. J Laryngol Otol, 90: 1041-51, 1976.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2018