Title
Search
All Issues
12
Ano: 2009  Vol. 13   Num. 2  - Abr/Jun Print:
Review Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Inglês TextoTexto em Inglês
Como o Implante Coclear Pode Interferir na Função Vestibular?
How Can the Cochlear Implant Interfere with the Vestibular Function?
Author(s):
Patricia Arena Abramides1, Ricardo Ferreira Bento2, Roseli Saraiva Moreira Bitar3,
Rubens Vuono de Brito Neto4, Robinson Koji Tsuji5
Palavras-chave:
implante coclear, tontura, doença de Ménière.
Resumo:

Introdução: O implante coclear é uma opção terapêutica para pacientes com surdez neurossensorial profunda. Alguns pacientes implantados evoluíam com tontura no pós-operatório, o que deu início ao interesse pela função vestibular. Desde então, muitos estudos relataram a associação entre o implante coclear e as disfunções vestibulares.

INTRODUÇÃO

Ouvir é uma função que nos auxilia a compreender o mundo ao nosso redor. A presença da capacidade auditiva foi fundamental para a sobrevivência de nossa espécie: fugir de predadores, o choro da cria, o chamado do grupo. No entanto, o que diferencia os seres vivos em geral dos humanos é a incansável busca de meios que nos permitam não apenas viver mais, porém viver com qualidade. E a audição assume fundamental importância na tão sonhada qualidade de vida. Foi com a finalidade de resgatar essa função que vários pesquisadores se dedicaram ao desenvolvimento de alguma interface que pudesse restituir a percepção do som àqueles que a perderam ou nunca a possuíram.

O implante coclear (IC) é uma prótese que pretende substituir o órgão de Corti comprometido, estimulando diretamente as fibras nervosas e as células ganglionares do nervo auditivo. Essa opção possibilita a sensação auditiva e o reconhecimento de sons e de fala.

Ao contrario do AASI (aparelho de amplificação sonora individual), que requer a existência de células ciliadas para transferir o sinal para o nevo auditivo, o implante coclear assume a função dessas células, ativando o nervo auditivo diretamente. Assim, em uso do IC, o indivíduo com perda auditiva grave e profunda tem a capacidade de perceber sensações auditivas.

O interesse pela função vestibular em pacientes implantados teve início a partir da observação de que alguns deles evoluíam com tontura no pós-operatório. Desde então, vários autores se dedicaram à investigação e à documentação da função do aparelho vestibular nesses pacientes.

O objetivo deste estudo é revisar o conhecimento atual a respeito da função vestibular em pacientes portadores de IC.


MÉTODO

O primeiro artigo que trata do assunto é de autoria de Black em 1977 (1). Um levantamento da literatura a partir de então, encontrou 40 artigos referentes à função vestibular em pacientes portadores de IC. A pesquisa bibliográfica foi realizada entre 1970 até maio de 2008, nos seguintes bancos de dados: PUBMED, MEDLINE, LILACS, OVID.

As palavras-chave utilizadas para a busca foram: implante coclear, vertigem, tontura, doença de Meniere. Os artigos foram selecionados segundo os critérios de inclusão: artigos publicados em língua inglesa; artigos que relacionavam o IC com o sistema vestibular e o estudo do equilíbrio corporal; artigos que tratavam de tonturas relacionadas à cirurgia de IC. Foram excluídos os artigos escritos em outras línguas, que não o inglês e aqueles de revistas inexistentes no Brasil.

Nosso foco de investigação abrangeu: a presença e o tipo de comprometimento da função vestibular e a descrição anatômica da interação cócleo-vestibular.


RESULTADOS

Dos 40 artigos encontrados, 31 preencheram os critérios de inclusão. Nove artigos foram excluídos por estarem dentro dos critérios de exclusão: 5 por terem sido publicados em periódicos que não têm exemplares ou numero no Brasil e 4 por serem publicados em outra língua (1 artigo em japonês, 1 em alemão, 1 em russo e 1 em polonês).

Na Tabela 1 estão relatados 30 artigos que atendiam os critérios de inclusão e foram selecionados para a análise.




DISCUSSÃO

Desde que Black (1977) (1, 2) demonstrou redução ou ausência das respostas nas provas calóricas de pacientes submetidos ao IC, muitos outros estudos relataram o risco potencial do implante coclear interferir na função vestibular (3, 4, 5, 6).

Os artigos estudados apresentaram qualidade geral variável. Em 4 artigos não foi definido sequer o número ou o grupo de pacientes estudados (vide artigos com ?). A maior parte dos autores realizou estudo prospectivo partindo da observação de pacientes submetidos ao IC que apresentaram alguma queixa relacionada ao equilíbrio corporal durante sua evolução. Mesmo assim, em muitos estudos a varível "tempo" não foi bem definida. O número de pacientes estudados variou de 5 a 469, o que torna difícil e, até certo ponto, pouco confiável estabelecer um padrão de comparação entre os vários resultados encontrados. Outra dificuldade foi agrupar os estudos em torno de um ponto comum, uma vez que apresentavam objetivos diversos. Os autores utilizaram diferentes critérios de avaliação da função vestibular, desde questionários como o DHI (dizziness handicap inventory), ABC (activities-specific balance confidences); eletronistagmografia (ENG), videooculografia (VNG), uso de plataformas de força, posturografia dinâmica computadorizada (PDC), prova rotatória pendular decrescente (PRPD), manobra de Dix-Hallpike e até critérios para doença de Ménière. Os critérios de avaliação foram os mesmos antes e após as intervenções cirúrgicas, exceção feita para Bonucci, que utilizou as provas calóricas a água no pré-operatório e a ar no pós-operatório; o que dificulta a análise dos resultados de maneira adequada e fidedigna.

Dos 31 autores 16 elegeram a ENG, isolada ou associada a outros exames, para a avaliação da função vestibular. Buchman et al (2004) foram os únicos autores a utilizarem a ENG, Posturogafia Dinâmica Computadorizada, PRPD e DHI em conjunto, e apresentarem um estudo completo e confiável a respeito da função vestibular pré e pós-IC (14).

A partir do nosso foco de investigação podemos inferir que em relação à função vestibular, as opiniões dos autores são controversas. Alguns acreditam que o IC interfere na função vestibular e apresenta risco de perda (Brey, Vibert, Enticott, Huygen e Steenerson) (3, 6, 25, 28, 31) enquanto outros acreditam que o IC não tem qualquer efeito sobre a função vestibular (Einsenberg, Migliaccio e Suarez) (19, 23, 24). Por outro lado há autores que acreditam que o IC pode melhorar o equilíbrio corporal (Buchman, Szirmai, Bance e Ribari) (14, 15, 16, 38).

O risco de perda de função vestibular foi variável para Huygen et al (6, 39). Enquanto esse risco foi estimado em 31% em um primeiro estudo (6), em uma segunda amostragem o mesmo autor relata risco entre 50-60% de perda da função vestibular pós-IC (39). Seu último estudo está de acordo com os resultados de Van Den Broek et al (40), que encontraram 60% de risco de perda da função vestibular pós-IC. No entanto, Bouccara et al (4) encontraram 16% dos adultos e 3% das crianças que apresentaram tontura no pós-operatório de IC. Para Vibert (28) et al a função canalicular ficou temporariamente prejudicada em 20% dos casos enquanto a função otolítica estava preservada em todos os 6 pacientes testados.

Segundo Suarez (24) et al as alterações do equilíbrio não perduram e, apesar da perda de função vestibular, as crianças conseguem manter um controle do equilíbrio adequado, e o IC não afeta a estratégia de organização sensorial.

Outro grupo de autores acredita que o IC não apresenta risco para o equilíbrio, como Einsenberg et al e Migliaccio et al. Bance et al (19,23,38) acreditam ser possível que o IC multicanal ative o sistema vestíbulo-ocular em alguns casos, porém de maneira não significante clinicamente. Opinião compartilhada por Buchman et al (14), que acreditam que os pacientes submetidos ao IC podem ter significante melhora da postura avaliada pela Posturografia Dinâmica Computadorizada. Se analisarmos o período de seguimento feito por cada autor verificamos que Buchman (14) realizou avaliações seriadas em 30 dias, 4 meses, 1 ano e dois anos após IC, enquanto Migliaccio seguiu os pacientes por 4 a 6 semanas após o IC. Einsenberg (19) e Bance (38) não definiram período de seguimento. Ou seja, o fator "tempo" foi determinante em definir a influência do IC na função vestibular. O trabalho de Buchman (14), que estudou o maior período de seguimento, documentou a melhora da função vestibular. Sendo assim, os estudos com período de seguimento curto ou não definido não podem ser considerados ao se determinar a real influência de todo trabalho de estimulação e adaptação do IC no equilíbrio corporal.

De 60 pacientes estudados por Szirmai et al (16), 16 tiveram melhora da resposta vestibular no pós-operatorio, cuja explicação não está clara para o autor. Para Ribari et al (17) (1999) a melhora tanto auditiva quanto vestibular da orelha contraleral ao IC pode ser atribuída a 2 fatores: inervação eferente e plasticidade cerebral. O mesmo autor em 2002 (15) relata melhora da audição e da resposta na prova calórica da orelha não implantada em 30% dos casos. O autor conclui que essas observações podem ser explicadas pela plasticidade neuronal sendo que o estímulo auditivo pode afetar o labirinto.

Em relação aos comprometimentos ocorridos no pós-operatório de IC, também há controvérsia na literatura. Para Filipo et al (20) o IC pode induzir a dano vestibular logo após a colocação ou ativação do IC, que poderia ser uma possível complicação do trauma intra-operatório ou, em menor grau, da estimulação elétrica. De acordo com Enticott (3) um terço dos pacientes pode apresentar algum distúrbio do sistema vestibular após IC e, aparentemente os mais velhos possuem maior predisposição para danos vestibulares permanentes.

Fina et al (21) relatam que 39% dos pacientes implantados que apresentaram tontura, esta ocorreu tardiamente, e poderia ser resultado de mudanças na orelha interna (OI) como a hidropisia endolinfática. Para Kubo (22), as lesões da OI secundárias ao IC desenvolvem-se gradualmente e são clinicamente comparáveis à Síndrome de Ménière, indicando a presença de hidropisia labiríntica. Segundo Lustig et al (27), pacientes com Doença de Ménière, previamente submetidos à cirurgia para controle da vertigem (neurectomia, descompressão saco endolinfático) não apresentam contra-indicação para o IC, que poderia beneficiá-los do ponto de vista audiológico.

Para Brey et al (25) a maioria dos sintomas no pós-operatório é transitória, mas quando persistente, o tratamento indicado é a reabilitação vestibular. Para Klenzner et al (29), o risco de disfunção vestibular após a cirurgia de IC, é reduzido pela inserção atraumática de eletrodos.

Dentre as disfunções vestibulares descritas, a vertigem postural paroxistica benigna (VPPB) é um problema destacado na literatura como complicação pós-IC. A relação entre VPPB e o IC foi estudada por Limb et al (26), Viccaro et al (32) e Zanetti et al (36). Segundo os dois primeiros autores a VPPB não ocorre comumente após IC, mas apresenta maior incidência que na população em geral. O tratamento consiste em manobras de reposicionamento como feito usualmente, e, de acorco com Zanetti (36) a VPPB não interfere na percepção de fala dos pacientes.

Segundo estudos realizados por Black et al, entre 1977 e 1978 (1, 2, 18), o IC estimula o núcleo vestibular através de corrente elétrica e, portanto, o estímulo gerado não se limita apenas ao sistema auditivo. Foi observada instabilidade quando os pacientes foram avaliados com o IC ligado, sugerindo a ação sobre o sistema vestibular. Segundo o mesmo autor (1987) (34), os reflexos auditivos, vestibulocólicos e vestibuloespinais demonstraram ser dependentes da duração, frequência e amplitude do estímulo. De acordo com Ito (5) houve tontura em 18% dos casos quando o IC foi ativado; indicando que a corrente elétrica gerada pelo IC atinge o nervo vestibular.

Recentemente, Özdogmus et al (13) demonstraram conexões entre as fibras dos nervos vestibular inferior e coclear, e entre os nervos vestibular superior e facial por meio da microscopia eletrônica. Os descritos de conexões entre os dois sistemas, vestibular e auditivo podem justificar alguns achados clínicos observados em pacientes implantados.


CONCLUSÃO

Há evidências clínicas de que IC é capaz de interferir na função vestibular. O tipo de alteração funcional é balizado por fatores anatômicos, pela predisposição individual ao padrão de estímulo produzido pelo IC e ainda pela capacidade plástica do sistema neural de cada indivíduo.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Black FO. Present vestibular status of subjects implanted with auditory prothesis. Ann Otol Rhinol Laryngol. 1977, 86(Suppl 38):49-56.

2. Black FO. Effects of the auditory prothesis on postural stability. Ann Otol Rhinol Laryngol. 1977, 86(Suppl 38):141-164.

3. Enticott JC, Tari S, Koh SM, Dowell RC, O'Leary SJ. Cochlear implant and vestibular function. Otol Neurotol. 2006, 27(6):824-30.

4. Bouccara D, Esteve Fraysse MJ, Loundon N, Fraysse B, Garabedian N, Sterkers O. Vestibular dysfunction after cochlear implantation: a national multicenter clinical study. Rev Laryngol Otol Rhinol (Bord). 2005, 126(4):275-8.

5. Ito J. Influence of the multichannel cochlear implant on vestibular function. Otolaryngol Head Neck Surg. 1998, 118(6):900-2.

6. Huygen PL, Hinderink JB, Van Den Broek P, Van Den Borne S, Brokx JP, Mens LH, Admiraal RJ. The risk of vestibular function loss after intracochlear implantation. Acta Otolaryngol Suppl. 1995. 520 Pt 2:270-272.

7. Burian M, Gstoettner W, Zundritsch R. Saccular afferent fibers to the cochlear nucleus in the guinea pig. Arch. Otolaryngol. 1989, 246:238-241.

8. Rasmussen AT. Studies of the VIII'th cranial nerve of man. Laryngoscope. 1940, 50:67-83.

9. Arnesen AR. Fiber population of the vcestibulocochlear anastomosis in humans. Acta Otolaryngol. 1984, 98:501-518.

10. Kim HS, Kim DI, Chung IH, Lee WS, Kim KY. Topographical relationship of the facial and vestibulocochlear nerves in the subarachnoid space and internal auditory canal. AJNR Am J Neuroradiol. 1998, 19:1155-1161.

11. Silverstein H. Cochlear and vestibular gross and histologic anatomy (as seen from pstauricular approach). Otolaryngol. Head Neck Surg. 1984, 92:207-211.

12. Nageris B, Braverman I, Kalmanowitz M, Segal K, Frenkiel S. Connections of the facial and vestibular nerves: na anatomic study. J Otolaryngol. 2000, 29:159-161.

13. Özdogmus Ö, Sezen O, Kubilay U, Saka E, Durman U, San T, Cavdar S. Connections between the facial, vestibular and cochlear nerve bundles within the internal auditory canal. J Anat. 2004, 205:65-75.

14. Buchman CA, Joy J, Hodges A, Telischi F, Balkany T. Vestibular Effects of Cochlear Implantation. The Laryngoscope. 2004, 114(10 part 2):1-22.

15. Ribari O, Szirmai A, Kustel M, Repassy G. How does cochlear implantation affect the contralateral vestibular system? Int Tinnitus J. 2002, 8(2):108-10.

16. Szirmai A, Ribari O, Repassy G. Air caloric computer system application in monitoring vestibular function changes after cochlear implantation. Otolaryngol head Neck Surg. 2001, 125(6):631-4.

17. Ribari O, Küstel M, Szimari A, Repassy G. Cochlear implantation influences contralateral hearing and vestibular responsiveness. Acta Otolaryngol. 1999, 119(2):225-8.

18. Black FO, Wall C 3rd, Oleary DP, Bilger RC, Wolf RV. Galvanic disruption of vestibulospinal postural control by cochlear implant devices. J Otolaryngol. 1978, 7(6):519-27.

19. Eisenberg LS, Nelson JR, House WF. Effects of the single-electrode cochlear implant on the vestibular system of the profoundly deaf adult. Ann Otol Rhinol Laryngol Suppl. 1982, 91(2 Pt 3):47-54.

20. Filipo R, Patrizi M, La Gamma R, D'Elia C, La Rosa G, Barbara M. Vestibular Impairment and cochlar implantation. Acta otolaryngol. 2006, 126(12):1266-74.

21. Fina M, Sskinner M, Goebel JA, Piccirillo JF, Neely JG, Black O. Vestibular dysfunction after cochlear implantation. Otol Neurotol. 2003, 24(2):234-42.

22. Kubo T, Yamamoto K, Iwaki T, Doi K, Tamura M. Different forms of dizzness occuring after cochlear implant. Euro Arch Otorhinolaryngol. 2001, 258(1):9-12.

23. Migliaccio AA, Della Santina CC, Carey JP, Niparko JK, Minor LB. The vestibulo- ocular reflex response to head impulses rarely decreases after cochlear implantation. Otol Neurotol. 2005, 26(4):655-60.

24. Suarez H, Angeli S, Suarez A, Rosales B, Carreara X, Alonso R. Balance sensory organization in children with profound hearing loss and cochlear implants. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2007, 4251:1-9.

25. Brey RH, Facer GW, Trine MB,Lynn SG, Peterson AM, Suman VJ. Vestibular effects asociated with implantation of a multiple channel cochlear prothesis. Am J Otol. 1995, 16(4):424-30.

26. Limb CJ, Francis HF, Lustig LR, Niparko JK, Jammal H. Otolaryngol Head Neck Surg. 2005, 132(5):741-745.

27. Lustig LR, Yeagle J, Niparko JK, Minor LB. Cochlear implantation in patients with bilateral Ménière's syndrome. Otol Neurotol. 2003, 24(3):397-403.

28. Vibert D, Häusler R, Kompis M, Vischer M. Vestibulat function in patients with cochlear implantation. Acta Otolaryngol Suppl. 2001, 545:29-34.

29. Klenzner T, Neumann M, Aschendorff A, Laszig R. Laryngorhinotologie. 2004, 83(10):659-64.

30. Himi T, Shintani T, Yamaguchi T, Harabuchi Y, Kataura A. Vestibular function in cochlear implants - prognostics factors and postoperative damage. Nippon Jibiinkoka Gakkai Kaiho. 1995, 98(7):1111-1118.

31. Steenerson RL, Cronin GW, Gary LB. Vertigo after cochlear implantation. Otol Neurotol. 2001, 22 (6):842-843.

32. Viccaro M, Mancini P, La Gamma R, De Seta E, Covelli E, Filipo R. Positional vertigo and cochlear implantation. Otol Neurotol. 2007, 31.

33. Mangnusson M, Petersen H, Harris S, Johansson R. Postural control and vestibular function in patients selected for cochlear implantation. Acta Otolaryngol Suppl. 1995, 520 Pt 2:277-8.

34. Black FO, Lilly DJ, Fowler LP, Simmons FB. Vestíbulo-ocular and vestibuloespinal function before and after cochlear implant surgery. Ann Otol laryngol Suppl. 1987, 96(1 Pt 2 suppl 128):106-8.

35. Himi T, Shintani T, Yamaguchi T, Harabuchi Y, Kataura A, Yoshioka I. Relation between vestibular function and speech recocgnition in postlingually deafened adults with cochlear implantation. Áudiol Neurootol. 1997, 2(4):223-30.

36. Zanetti D, Campovecchi CB, Balzanelli C, Pasini S. Paroxysmal positional vertigo after cochlear implantation. Acta otolaryngol. 2007, 127(5):452-8.

37. Rossi G, Solero P, Rolando M, Spadola Bisetti M. Vestibular function and cochlear implant. ORL J Otorhinolaryngol Relat Spec. 1998, 60(2):85-87.

38. Bance ML, O'DRiscoll M, Giles E, Ramsden RT. Vestibular stimulation by multichannel cochlear implants. Laryngoscope. 1998, 108(2):291-294.

39. Huygen PL, Van Der Broek P, Spies TH, Mens LH Admiraal RJ. Does intracochlear implantation jeopardize vestibular function? Ann Otol Rhinol Laryngol. 1994, 103(8Pt 1):609-614.

40. Van Der Broek P, Huygen PL, Spies T, Mens LH, Admiraal RJ. Vestibular function in cochlear implant patients. Acta Otolaryngol. 1993, 113(3):263-265.

41. Bonucci AS, Costa Filho OA, Mariotto LDF, Amantini RCB, Alvarenga KF. A função vestibular em indivíduos usuários de implante coclear. Rev Bras Otorrinolaringol. 2008, 74(2):273-278.










1. Médica Especialista em Otorrinolaringologia.
2. Professor Titular do Departamento de ORL da FMUSP.
3. Doutora em Medicina pela Universidade de São Paulo. Assistente Doutor do Departamento de ORL do HCFMUSP.
4. Livre Docente pela FMUSP. Professor Assistente da Divisão de Clínica ORL do HCFMUSP.
5. Doutor em Otorrinolaringologia pela FMUSP. Médico Assistente da Divisão de Clínica ORL do HCFMUSP. Coordenador da Equipe de Implante Coclear HCFMUSP.

Instituição: Departamento de Otorrinolaringologia da FMUSP ICHC. São Paulo / SP - Brasil.

Endereço para correspondência:
Patricia Arena Abramides
Departamento de Otorrinolaringologia da FMUSP ICHC
Avenida Enéas de Carvalho Aguiar 255, 6º andar - Sala 6021
São Paulo / SP - Brasil - CEP: 05403-000
Telefone: (+55 11) 8271-0138
E-mail: parena@terra.com.br

Artigo recebido em 30 de Junho de 2008.
Artigo aceito em 28 de Março de 2009.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2019