Title
Search
All Issues
12
Ano: 2011  Vol. 15   Num. 1  - Jan/Mar Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Inglês TextoTexto em Inglês
Avaliação de Resultados em Rinoplastia de Redução
Results Evaluation in Reduction Rhinoplasty
Author(s):
Lisandra Megumi Arima1, Leandro Castro Velasco1, Romualdo Suzano Louzeiro Tiago2.
Palavras-chave:
qualidade de vida, avaliação de resultados (cuidados de saúde), rinoplastia, satisfação do paciente.
Resumo:

Introdução: A avaliação do resultado final após rinoplastia é um tema pouco estudado pela visão do paciente. Objetivo: Avaliar a satisfação dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução, a partir do questionário Rhinoplasty Outcomes Evaluation (ROE). Método: Estudo longitudinal, tipo coorte retrospectivo, da satisfação pré-operatória e pós-operatória. A amostra foi composta por 28 pacientes submetidos à rinoplastia que responderam ao questionário ROE. Foram obtidas três variáveis: nota da satisfação que o paciente tinha com sua imagem antes da cirurgia; nota da satisfação com a atual aparência; e a diferença das médias das notas da satisfação entre pós e pré-operatório. Resultados: A nota pós-operatória foi superior a pré-operatória em todos os pacientes. Foi observada diferença entre as médias das notas do pós e pré-operatório de 48,3 (p<0,0001). No pré-operatório foi observado que 100% dos pacientes apresentaram satisfação <50. No pós-operatório foi observado que 92,9% migraram da classe <50 para as classes: 50 a <75 considerado bom (25%); >75 considerado excelente resultado (67,9%). Conclusão: O questionário ROE é uma ferramenta útil em demonstrar a satisfação do paciente submetido à rinoplastia de redução. Cerca de 92% dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução consideram bom ou excelente resultado no pós-operatório.

INTRODUÇÃO

Os principais motivos pelos quais os pacientes procuram o otorrinolaringologista são queixas nasais obstrutivas, estéticas, ou associação de ambas. A maioria dos artigos que aborda o tema de cirurgia estética apresenta discussões a respeito de técnicas cirúrgicas, vias de acesso, complicações, sequelas, e taxas de revisão. A avaliação do resultado final da intervenção é um tema pouco estudado pela visão do paciente e esta análise é muito importante uma vez que a satisfação do paciente é o fator predominante para o sucesso cirúrgico (1-4).

Nas cirurgias puramente estéticas cabe ao médico avaliar o motivo pelo qual o paciente deseja o procedimento. Muitas vezes o motivo envolve a necessidade de satisfazer os outros, ambição social ou profissional, tendo o cirurgião uma grande responsabilidade em aceitar ou recusar esta demanda (5).

Vários trabalhos foram elaborados com intuito de validar um questionário confiável para ser aplicado em pacientes submetidos à cirurgia estética com o objetivo de medir a satisfação do paciente após o procedimento cirúrgico (6-11). Alguns instrumentos, como questionários, que avaliam a qualidade de vida e auto-imagem se tornaram padrão-ouro e vieram substituir a forma simplista como se questionava ao paciente se havia percebido melhora ou não após a rinoplastia (12-13).

A adoção de um questionário amplamente aceito é muito vantajosa, uma vez que uniformiza a avaliação e permite comparar diferentes técnicas, mensurar efeitos positivos e negativos, e identificar os possíveis pacientes que podem não se beneficiar com o procedimento cirúrgico (2).

ALSSARRAF et al foram os primeiros autores a oferecerem e testarem uma ferramenta de avaliação para vários proce¬dimentos estéticos da face, incluindo rinoplastia, com con¬fia¬bilidade, consistência interna e validade do método (7,8,14). O uso deste questionário é um instrumento que o cirurgião pode ter disponível para analisar de forma objetiva algumas variáveis qualitativas que envolvem a cirurgia estética, como aspectos psicológicos, sociais e emocionais (7,8).

O objetivo deste trabalho é avaliar a satisfação dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução, a partir do questionário Rhinoplasty Outcomes Evaluation (ROE).


MÉTODO

Foram identificados 53 pacientes consecutivos, com giba ou rinomegalia, submetidos à rinoplastia de redução. As cirurgias foram realizadas em Serviço de Otorrino¬laringologia de um hospital terciário da cidade de São Paulo no período de janeiro de 2000 a janeiro de 2010. As rinoplastias foram realizadas ou supervisionadas pelo terceiro autor.

Foram incluídos todos os pacientes submetidos à rinoplastia de redução, com seis meses a 10 anos de seguimento pós-operatório, a partir de 16 anos para o sexo feminino e 17 anos para o sexo masculino, e que concordaram com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido ao comparecerem à Instituição após contato telefônico.

Foram excluídos os pacientes os quais não foi possível contato telefônico, não concordaram com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido ou não compareceram à entrevista (Tabela 1).

Foi realizado estudo longitudinal, tipo coorte retrospectivo, da satisfação pré-operatória e pós-operatória. Os pacientes foram convidados por contato telefônico a comparecerem à Instituição onde se realizou a cirurgia para responderem ao questionário ROE (7,8). Os pacientes que compareceram ao hospital receberam informações a respeito da pesquisa e concordaram em participar do estudo através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O projeto foi apreciado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição (Parecer nº 20/2010).

O questionário ROE foi aplicado duas vezes na mesma visita com o objetivo de mensurar a satisfação do paciente, nos momentos pré e pós-operatório. As respostas do pré-operatório foram baseadas na visualização de fotografias registradas de forma padronizada antes do procedimento cirúrgico. As respostas do pós-operatório foram baseadas no resultado atual do paciente (11,15).

ALSSARRAF et al testaram e validaram este instrumento (ROE) o qual busca, a partir de seis perguntas, avaliar três domínios subjetivos de qualidade de vida: física, mental/emocional e social, como observado no Quadro 1 (8).

Cada pergunta do questionário foi respondida com notas em uma escala de zero a quatro (zero a resposta mais negativa e quatro a resposta mais positiva). Para chegar ao resultado final da escala foi feita a soma das respostas de cada pergunta, este resultado foi dividido por 24 e multiplicado por 100, obtendo um valor que variou de zero a 100 (8). O resultado final foi dividido em classes de acordo com os quartis: zero a <25 e 25 a <50 (insucesso); 50 a <75 (bom); e >75 (excelente).

Após a coleta dos dados foram obtidas três variáveis: nota da satisfação que o paciente tinha com sua imagem antes da cirurgia; nota da satisfação com o resultado atual; e a diferença das notas da satisfação entre o pós e pré-operatório. Foram levantados os dados referentes a: idade; sexo; e tempo de seguimento pós-operatório. Os dados foram tabulados em planilhas eletrônicas, utilizando o software Microsoft Excel (Microsoft Corporation).

Para a análise estatística dos dados, foram utilizados: teste t-pareado; teste t-independente; teste não paramétrico de Mann-Whitney; e teste de Kruskal-Wallis. Foi considerado estatisticamente significante p<0,05.


RESULTADOS

A amostra inicial deste trabalho foi composta por 53 pacientes, sendo que 28 responderam ao questionário. O motivo da ausência do restante dos pacientes pode ser observado na Tabela 1.

A média da idade dos 28 pacientes que participaram do estudo foi de 28,4 anos ± 12,1 anos, sendo 21 (75%) do sexo feminino e sete (25%) do sexo masculino. Todos os pacientes foram submetidos à rinoplastia de redução a partir de abordagem endonasal.

A média da nota da satisfação de todos os pacientes submetidos à rinoplastia no pré-operatório foi de 28 ± 11,2 e no pós-operatório subiu para 76,3 ± 17,6 (Figura 1). Foi observada diferença entre as médias das notas do pós e pré-operatório de 48,3 (p<0,0001).

No pré-operatório foi observado que 100% dos pacientes apresentaram satisfação <50. No pós-operatório foi observado que 92,9% migraram da classe <50 para as classes: 50 a <75 considerado bom resultado (25%); e >75 considerado excelente resultado (67,9%). Apesar de 7,1% dos pacientes terem ficado com resultado pós-operatório <50, não houve piora da condição inicial (Tabela 2). No pós-operatório foi observado que 100% dos pacientes apresentaram acréscimo das notas entre pré e pós-operatórios, ou seja, em nenhum paciente a nota da satisfação no pós-operatório foi inferior ao pré-operatório.

Em relação à idade dos pacientes, a amostra foi dividida em duas classes: <30 anos; e >30 anos. Foi observada que a idade foi um fator que influenciou a média da diferença das notas da satisfação entre pós e pré-operatório, ou seja, os pacientes com idade <30 anos apresentaram menor acréscimo na satisfação que os pacientes >30 anos (p=0,015), como observado na Tabela 3.

O tempo médio de seguimento após a rinoplastia foi de 70,8 meses, que variou de seis meses a 10 anos. A amostra foi dividida em duas classes de acordo com o período de seguimento: 6 a <60 meses; e >60 meses. Não foi observada diferença estatisticamente significante nas médias da diferença da satisfação entre pós e pré-operatório de acordo com o tempo de seguimento (Tabela 4).






Figura 1. Médias das notas da satisfação no pré (Pré) e pós-operatório (Pós) dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução.




DISCUSSÃO

Alguns fatores podem influenciar a satisfação do paciente submetido à rinoplastia, como sua cultura, experiência de vida, e principalmente seu nível de expectativa em relação ao resultado final, o que pode ou não ser realista (11,13). Portanto, é importante para o cirurgião entender as queixas do paciente, e analisar as proporções e relações entre o nariz e a face através do exame físico. O auxílio de documentação fotográfica padronizada é fundamental para o planejamento pré-operatório levando em consideração os fatores anatômicos de cada paciente (15).

Um aspecto importante, mas não avaliado neste estudo, é o impacto psicológico que a cirurgia estética pode gerar no paciente operado. Os distúrbios psicológicos não são uma contra-indicação absoluta para a realização do procedimento estético, principalmente quando um suporte psicológico adequado for fornecido ao paciente (16).

Recentemente, vários trabalhos e revisões foram realizados para eleger um instrumento capaz de medir e analisar a satisfação pós-operatória pela visão do paciente (2-11). Neste estudo foi utilizado o questionário elaborado e validado por ALSSARRAF et al, que é um instrumento de fácil e rápida aplicação, útil para avaliar diferentes tipos de pacientes e técnicas cirúrgicas (6,8,11).

Neste estudo foi observado que todos os 28 pacientes obtiveram melhora com o procedimento cirúrgico de redução (Figura 1) com a nota do pós-operatório superior a nota do pré-operatório. A média da diferença das notas entre o pós e o pré-operatório foi de 48,3 (76,3 no pós-operatório e 28 no pré-operatório), superior ao resultado apresentado por ALSSARRAF et al de 44,5 (83,3 no pós-operatório e 38,8 no pré-operatório) que avaliou os pacientes submetidos à rinoplastia, independente do tipo de técnica cirúrgica (8).

Ao analisar os motivos pelos quais dois pacientes mantiveram satisfação pós-operatória <50 (insucesso), foi observado que tanto a estética quanto a função permaneceram como queixas importantes após o procedimento cirúrgico (Tabela 2).

Os pacientes mais jovens possuem maior expectativa em relação ao resultado estético final, provavelmente devido à maior pressão social (aceitação nos grupos e relacionamento afetivo), com dificuldade em assimilar mudanças da auto-imagem (9). Neste estudo foi observada diferença estatisticamente significante (p=0,015) entre as médias da diferença das notas da satisfação entre pós e pré-operatório para as classes de idade <30 anos e >30 anos (Tabela 3).

O resultado final da rinoplastia pode ser observado a partir de 12 meses de seguimento. Neste estudo foi observado que os pacientes que tiveram maior seguimento pós-operatório (>60 meses) apresentaram média da diferença das notas entre pós e pré-operatório semelhante aos pacientes operados nos últimos 60 meses (Tabela 4).















CONCLUSÃO

O questionário Rhinoplasty Outcomes Evaluation é uma ferramenta útil em demonstrar a satisfação dos pacien¬tes submetidos à rinoplastia de redução. Cerca de 92% dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução consideram o resultado como bom ou excelente no pós-operatório.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Ching S, Thoma A, McCabe RE, Antony MM. Measuring Outcomes in Aesthetic Surgery: A Comprehensive Review of the Literature. Plast Reconstr Surg. 2003, 111:469-480.

2. Rhee JS, McMullin BT. Measuring outcomes in facial plastic surgery: a decade of progress. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2008, 16:387-93.

3. Rhee JS, McMullin BT. Outcome Measures in Facial Plastic Surgery. Pacient-Reported and Clinical Efficacy Measures. Arch Facial Plast Surg. 2008, 10:194-207.

4. Kosowski TR, McCarthy C, Reavey PL,Scott AM, Wilkins EG, Cano SJ, Klassen AF, Carr N, Cordeiro PG, Pusic AL. A Systematic Review of Patient-Reported Outcome Measures after Facial Cosmetic Surgery and/or Nonsurgical Facial Rejuvenation. Plast Reconstr Surg. 2009, 123:1819-27.

5. Maniglia JV, Ferreira PGF, Maniglia LP, Maniglia CP, Maniglia MP. Avaliação clínica, seleção de pacientes, cuidados pré e pós-operatórios. Em: Maniglia AJ, Maniglia JJ, Maniglia JV. Rinoplastia - Estética-Funcional-Reconstrutora. Rio de Janeiro: Revinter; 2002. p. 30-3.

6. Meningaud JP, Lantieri L, Bertrand JC. Rhinoplasty: An Outcome Research. Plast Reconstr Surg. 2008, 121:251-7.

7. Alsarraf R. Outcomes Research in Facial Plastic Surgery: A Review and New Directions. Aesthetic Plast Surg. 2000, 24:192-7.

8. Alsarraf R, Larrabee WF, Anderson S, Murakami CS, Johnson CMJ. Measuring Cosmetic Facial Plastic Surgery Outcomes. A Pilot Study. Arch Facial Plast Surg. 2001, 3:198-201.

9. Litner JA, Rotenberg BW, Dennis M, Adamson PA. Impact of Cosmetic Facial Surgery on Satisfactions with Appearance and Quality of Life. Arch Facial Plast Surg. 2008, 10:79-83.

10. Mckiernan DC, Banfield G, Kumar R, Hinton AE. Patient benefit from functional and cosmetic rhinoplasty. Clin Otolaryngol. 2001, 26:50-2.

11. Hellings PW, Trenité GJN. Long-Term Patient Satisfaction After Revision Rhinoplasty. Laryngoscope. 2007, 117:985-9.

12. McKinney P, Cook JQ. A critical evaluation of 200 rhinoplasties. Ann Plast Surg. 1981, 7:357-61.

13. Guyuron B, Bokhar F. Patient Satisfaction Following Rhinoplasty. Aesthetic Plast Surg. 1996, 20:153-7.

14. Bergman S, Feldman LS, Barkun JS. Evaluating Surgical Outcomes. Surg Clin N Am. 2006, 86:129-49.

15. Sullivan MJ. Rhinoplasty: Planning Photo Documentation and Imaging. Aesthetic Plast Surg. 2002, 26 Suppl 1:S7

16. Ercolani M, Baldaro B, Rosse N, Trombini G. Five-Year Follow-up of Cosmetic Rhinoplasty. J Psychossom Res. 1999, 47:283-6.









1 Médico (a) Residente (R3) do Serviço de Otorrinolaringologia do HSPM.
2 Pós-doutor pela Universidade Federal de São Paulo. Médico Assistente do Serviço de Otorrinolaringologia do HSPM.

Instituição: Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo (HSPM). São Paulo / SP - Brasil. Endereço para correspondência: Romualdo Suzano Louzeiro Tiago - Rua Pio XII, 439, Apto. 122 - Bela Vista - São Paulo / SP - Brasil - CEP: 01322-030 - Telefone: (+55 11) 3285-6824 - E-mail: romualdotiago@uol.com.br

Artigo recebido em 17 de Outubro de 2010. Artigo aprovado em 10 de Dezembro de 2010.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2019