Title
Search
All Issues
43
Ano: 2012  Vol. 16   Num. Suppl. 1  -
DOI: 10.7162/S1809-9777201200S1O-025
Print:
11º CONGRESSO DA FUNDAÇÃO OTORRINOLARINGOLOGIA - Oral Presentation Otorhinolaryngology
TextoTexto em Inglês
PROGRAMA DE REABILITAÇÃO AUDITIVA ATRAVÉS DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA EM HOSPITAL TERCIÁRIO DO ESTADO DE PERNAMBUCO.
AUDITORY PROGRAM OF REHABILITATION THROUGH DEVICES OF SONOROUS AMPLIFICATION IN TERTIARY HOSPITAL OF THE STATE OF PERNAMBUCO
Author(s):
Danielle Gonçalves Sea bra Peyote Ramos, Raquel Coelho de Assis, Bruna D'arce Resende, Patrícia
Santos Pimentel, Mariana de Carvalho Leal
Palavras-chave:
Resumo:

OBJETIVO: traçar um panorama do programa de reabilitação auditiva através da distribuição de aparelhos de amplificação sonora individual (AASI) durante os anos de 2010 e 2011 no Hospital Agamenon Magalhães (HAM), pertencente à rede pública do estado de Pernambuco e credenciado como unidade de alta complexidade na atenção à saúde auditiva. MATERIAL E MÉTODO: Trata-se de um estudo retrospectivo, através da coleta de informações a respeito de gênero, faixa etária, tipo e grau da perda, bem como uni ou bilateralidade da adaptação a partir do banco de dados de AASI, disponibilizadas pelo serviço de fonoaudiologia do HAM. RESULTADOS: Foram concedidadas 2.940 próteses, contemplando um total de 1.575 pacientes, dos quais 86% receberam próteses bilateral e 13% receberam apenas uma prótese, de acordo com sua indicação audiológica. O gênero feminino foi o mais encontrado (55,7%). Dentre os tipos de perda, a neurossensorial moderada foi a mais prevalente, em todos os grupos etários (78,7%), seguida pela perda auditiva mista (19,1%). Estratificando os pacientes em faixas etárias, o grupo com 50 anos ou mais foi o mais populoso com 1116 indivíduos (71% da amostra) A população com idade igual ou inferior a 4 anos representou 0,8%. CONCLUSÃO: O programa de reabilitação com AASI contempla pacientes de todas as faixas etárias, especialmente idosos, permitindo uma maior inclusão social. É importante ressaltar, no entanto, a pequena participação do grupo com idade ≤ 4 anos, alertando para necessidade de intervenção em crianças com perda auditiva, afim de melhorar seu desenvolvimento biopsicossocial.

.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2019