Title
Search
All Issues
48
Ano: 2012  Vol. 16   Num. Suppl. 1  - May
DOI: 10.7162/S1809-9777201200S1O-030
Print:
11º CONGRESSO DA FUNDAÇÃO OTORRINOLARINGOLOGIA - Oral Presentation Otorhinolaryngology
TextoTexto em Inglês
PERFIL SOCIOECONÔMICO E PRINCIPAIS COMORBIDADES DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO DE CURITIBA DE 1999 A 2009
SOCIOECONOMIC PROFILE AND MAIN CO-MORBID OF THE PARTICIPANTS OF THE PROGRAM OF CONTROL OF THE TOBACCOISM OF CURITIBA OF 1999 TO 2009
Author(s):
Fernanda Alves Monteiro, Bruna Koch Borges, Suzana Yumi Suzuki, Eliane Mara Cesário Maluf
Palavras-chave:
Resumo:

Objetivo: Analisar o perfil socioeconômico e as principais comorbidades dos participantes do Programa de Controle de Tabagismo de Curitiba entre 1999 a 2009. Materiais e Métodos: Estudo transversal, de caráter descritivo, com 839 participantes do Programa de Controle de Tabagismo de Curitiba vinculados às Unidades Básicas de Saúde de Santa Felicidade, Ouvidor Pardinho e Jardim Gabineto, no período compreendido entre 1999 a 2009. Foi utilizado, para a análise dos dados, o software de origem francês denominado Sphinx Léxica. Resultados: A população incluída no estudo foi de predominância feminina (62,8%), com média de 40-49 anos de idade, bom nível de escolaridade e com renda familiar entre dois e quatro salários mínimos. As comorbidades mais prevalentes foram psiquiátricas, sendo depressão a mais freqüente, seguida da ansiedade. As doenças orgânicas vêm em segundo lugar, sendo hipertensão arterial mais comum, seguida de doenças gastrointestinais e pulmonares. As lesões orais foram as menos prevalentes. Conclusão: A análise do perfil socioeconômico e das comorbidades da população do presente estudo, mostrou características singulares indicando a necessidade de uma abordagem direcionada neste grupo. Conhecendo melhor a população é possível elaborar estratégias mais eficazes no manejo do tratamento de cessação do tabaco, e ao identificar as principais comorbidades conseguimos realizar controle de danos e orientações focadas no problema, nos permitindo atuar no fator desencadeador do vício e nas dificuldades de abandono do mesmo.

.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2019