Title
Search
All Issues
88
Ano: 2012  Vol. 16   Num. Suppl. 1  - May
DOI: 10.7162/S1809-9777201200S1F-028
Print:
11º CONGRESSO DA FUNDAÇÃO OTORRINOLARINGOLOGIA - Oral Presentation Audiology
TextoTexto em Inglês
PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO E PREVALÊNCIA DE HÁBITOS ORAIS EM RESPIRADORES ORAIS DE UM MUNICÍPIO DO INTERIOR GAÚCHO
SOCIO-ECONOMIC PROFILE AND PREVALENCE OF ORAL HABITS IN MOUTH BREATHING CITY IN THE INTERIOR OF PORTO ALEGRE
Author(s):
Andrielle de Bitencourt Pacheco, Ana Paula Blanco-Dutra, Ana Maria Toniolo da Silva, Geovana de Paula Bolzan, Angela Ruviaro Busanelo-Stela
Palavras-chave:
Resumo:

Objetivo: verificar a relação entre perfil sócio-econômico e presença de hábitos orais (HO) em crianças respiradoras orais (RO) Material e método: a amostra constituiu-se de 13 crianças, sendo oito meninos e cinco meninas. Na anamense, questionou-se sobre o desenvolvimento neuropsicomotor, problemas de saúde, hábitos alimentares, HO, sono e renda média familiar. Considerou-se HO prolongados o uso de mamadeira, chupeta e/ou sucção digital por período maior ou igual a três anos. Classificou-se o modo respiratório através da anamnese e da posição habitual dos lábios durante a triagem fonoaudiológica. Tabularam-se os dados no Excel para posterior análise descritiva. As informações utilizadas neste estudo fazem parte de um projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSM. Resultados e conclusões: 61,53% da amostra foram meninos e 31,47% meninas, com média de idade de 8,7 anos. Dessa amostra, 76,92% apresentaram HO e 23,08% não. Quanto à renda familiar, 15,38% dispunham de até um salário mínimo (G1), 69,24% de até três (G2), 7,69% de até cinco (G3) e 7,69% de até 15 salários mínimos (G4). Quanto à renda familiar e presença de HO, no G1 50% da amostra apresentou HO e a outra metade não apresentou, já no G2, 77,78% das crianças apresentaram HO e 22,22% não. Nos G3 e G4 houve prevalência de 100% quanto aos HO. Evidenciou-se prevalência dos HO nos RO, corroborando com a literatura. Quanto ao perfil socioeconômico, verificou-se que a maioria das famílias possuiam renda até três salários mínimos e nesse grupo houve maior prevalência de HO.

.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2019