Title
Search
All Issues
93
Ano: 2012  Vol. 16   Num. Suppl. 1  - May
DOI: 10.7162/S1809-9777201200S1F-033
Print:
11º CONGRESSO DA FUNDAÇÃO OTORRINOLARINGOLOGIA - Oral Presentation Audiology
TextoTexto em Inglês
RELAÇÃO ENTRE A GRAVIDADE DO DESVIO DE FALA E AS HABILIDADES PRÁXICAS OROFACIAIS
RELATIONSHIP BETWEEN THE SEVERITY OF SPEECH IMPAIRMENT AND SKILLS OROFACIAL PRACTICE
Author(s):
Marileda Barichello Gubiani, Marizete Ilha Ceron, Márcia Keske-Soares
Palavras-chave:
Resumo:

Objetivo: Verificar a relação entre a gravidade do desvio de fala e o número de acertos no teste de habilidades práxicas orofaciais. Apresentação de casos clínicos: Fizeram parte da pesquisa, 14 sujeitos de ambos os sexos, com idades variando de 5:1 a 7:8, diagnóstico prévio de desvios de fala. Todos os sujeitos foram avaliados quanto ao sistema fonológico, através da Avaliação Fonológica da Criança e também quanto às habilidades práxicas orofaciais. Pela avaliação fonológica os sujeitos foram divididos em grupos, possuindo desvio fonético-fonológico ou fonológico, e também conforme a gravidade do desvio (moderado-grave, leve-moderado e leve). No grupo com desvio fonético-fonológico foram incluídos sete sujeitos com gravidades leve e leve-moderado e no fonológico, os sujeitos tinham gravidades leve, leve-moderado e moderado-grave. O teste de habilidades práxicas orofaciais avalia 36 itens referentes às praxias sonorizadas e orofaciais, sequência de movimentos e movimentos paralelos. Os achados apontam que a média de acertos do grupo fonológico nas tarefas de habilidades práxicas orofaciais foi maior (28 pontos) comparado com o grupo com desvio fonético-fonológico (21 pontos). O maior número de acertos nesse grupo foi de um sujeito com desvio leve (35 pontos) e no grupo com desvio fonético também de um sujeito com desvio leve (26 acertos). Conclusões: nesta amostra, crianças com desvio fonológico obtiveram melhores pontuações no teste de habilidades práxicas orofaciais que crianças com desvio fonético-fonológico, este achado faz pensar que o desempenho em testes que avaliam as habilidades práxicas orofaciais pode ser inferior quando o comprometimento se refere ao nível articulatório.

.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2019