Title
Search
All Issues
8
Ano: 2001  Vol. 5   Num. 2  - Abr/Jun Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português
Estudo Comparativo do Desempenho de Aparelhos de Amplificao Sonora Individual Analgicos e Digitais Utilizando o Teste de SSI de Avaliao do Processamento Auditivo Central
Comparative Study Between Performances of Analog and Digital Hearing Aids Using SSI Test of Evaluation of Central Auditory Process
Author(s):
Maria Helena Untura Caetano*.
Palavras-chave:
perda auditiva neurossensorial, nvel de percepo sonora, testes auditivos, amplificadores, inteligibilidade da fala.
Resumo:

Objetivo: O presente trabalho teve o objetivo de comparar, do ponto de vista psicoacstico, o desempenho dos aparelhos de amplificao sonora individual (AASI) analgicos e digitais, utilizando o teste de Identificao de Sentenas Sintticas (SSI) em campo sob mensagem competitiva. Material e mtodo: Foram estudados 42 indivduos com disacusia neurossensorial de maneira comparativa, randomizada e simples cego. Todos os pacientes foram submetidos ao teste SSI sem e com AASI em campo livre, para as condies MCR +10dB, 0dB, -10dB e -20dB. Os modelos dos dois tipos de AASI tiveram aparncia idntica. A orelha que recebeu a adaptao dos AASI foi sempre aquela prescrita pelo mdico otorrinolaringologista. A durao do estudo foi de aproximadamente 2 meses. Resultados: Os resultados mostraram que a inteligibilidade da fala sob competio foi melhor com AASI quando comparada condio sem AASI. O desempenho dos indivduos com AASI foi melhor nas perdas auditivas leves em relao s perdas auditivas moderadas. O AASI digital ofereceu melhor resultado do que o AASI analgico quando o valor do ndice de Reconhecimento de Fala Mximo (IRFM) foi <60% ou >71%, porm no houve diferena entre as duas tecnologias com IRFM entre 61 e 70%. Concluso: Os indivduos com perdas auditivas leves e moderadas apresentaram melhor desempenho com AASI digital do que com o analgico. A tecnologia digital permitiu melhor comunicao do que a analgica nos pacientes portadores de recrutamento. Quando avaliados pelo teste SSI, os AASI digitais ofereceram melhor resultado do que o analgico em todas as condies de relao mensagem-competio (MCR).

INTRODUO

Na adaptao de aparelhos de amplificao sonora individual (AASI) existem duas variveis que podem beneficiar o deficiente auditivo: a eletroacstica e a psicoacstica. A eletroacstica preocupa-se com as caractersticas eletrnicas do AASI, enquanto a psicoacstica consiste na forma com que o paciente, subjetivamente, adapta-se aos estmulos fornecidos pelo AASI.

FLETCHER (1953)1 realizou vrios estudos relacionando energia de fala, faixas de freqncias e inteligibilidade da fala. Referiu que abaixo de 500 Hz, a contribuio de apenas 5%, embora 60% da energia esteja concentrada nesta faixa; j nas freqncias de 500 Hz a 1 KHz, tanto a energia quanto a inteligibilidade situam-se em torno de 35%; finalmente, acima de 1 KHz, encontra-se apenas 5% de energia acstica, mas que responsvel pelo impacto de 60% da inteligibilidade da informao.

SPEAKS (1967a)2, considerando a curva de passa-baixos para sentenas sintticas, verificou a pequena importncia da energia acima de 1 KHz. Os dados sugeriram considervel importncia energia de baixa freqncia de fala.

HAYES et al. (1983)3 quando compararam os resultados do teste SSI em campo livre, observaram que na condio MCR= 0dB, os pacientes comeavam a ser diferenciados e, finalmente, na condio de MCR= -10dB, houve uma ntida diferena entre pacientes satisfeitos e insatisfeitos. Os grupos que referiram ter o uso do AASI \"muito til\" ou \"satisfatrio\" apresentaram escores na condio de MCR= -10dB, em mdia, 30% melhores do que aqueles que estavam menos satisfeitos.

CAETANO (1991)4 aplicou o teste SSI (adaptado por ALMEIDA; CAETANO, 1988)5 em indivduos deficientes auditivos e observou que a condio de MCR= 0dB j mostra uma relao sistemtica com a satisfao do paciente, o que nos permite utiliz-la na nossa clnica como um parmetro indicativo de melhor AASI ou conjunto de AASI para a lngua portuguesa.

LEENAN, SOEDE; (1992)6 mostraram a relao sinal-rudo (SNR) versus a inteligibilidade para ouvintes normais e deficientes auditivos. Os ouvintes normais alcanaram 50% de inteligibilidade em aproximadamente -7 dB de SNR e 100% de inteligibilidade a 0 dB de SNR. Os deficientes auditivos com disacusia neurossensorial, entretanto, alcanaram 50% de inteligibilidade a 0 dB de SNR e requereram + 10 dB de SNR para alcanar 100% de inteligibilidade.

KILLION (1997b)7, usando o teste de fala sob rudo (SIN), ajustou a relao sinal-rudo (SNR) at que os ouvintes entendessem a fala com 50% de acerto. Os resultados mostraram que medida que a perda auditiva aumenta, a SNR requerida para alcanar 50% do desempenho aumenta tambm.

TASEL (1998)8 alertou que no importa o quo sofisticado seja o AASI digital, porque o seu desempenho depender das caractersticas da deficincia auditiva do paciente, caracterizada pela natureza e extenso da leso do seu sistema auditivo.

VOLL (2000)9 mostrou um aumento na SNR de 3dB que poderia resultar em 40% de melhora na inteligibilidade.

CHRISTENSEN (2000)10 observou que os ouvintes normais podem identificar 90% das palavras nas sentenas com uma SNR de + 5dB. Os deficientes auditivos requerem uma SNR de + 15dB em mdia para alcanar o mesmo nvel de desempenho no teste SIN. Com relao ao tipo de processamento de sinal utilizado (analgico ou digital), a perda de SNR permanece. Segundo o autor, nenhum circuito parece resolver o problema de \"escutar sob rudo\", mas ressaltou que AASI com microfones direcionais podem ser uma opo melhor para muitos pacientes.

Segundo ELBERLING et al. (1993)11 alguns algoritmos rendem uma melhora objetiva na SNR, mas raramente acompanhado de uma melhora na inteligibilidade da fala e normalmente com uma qualidade de som artificial.

ZUREK (1993)12 referiu que promover inteligibilidade de fala sob rudo pelo aumento da SNR parece ser uma das tarefas do processador de sinal digital (DSP). O autor relatou que os deficientes auditivos podem requerer uma SNR de 10dB a 14dB maior do que ouvintes normais requerem para a percepo da fala sob rudo.

KILLION (1997a)13 referiu que o uso de microfones direcionais e a introduo do DSP nos AASI permitem tcnicas mais sofisticadas que podem ser implementadas, porm importante salientar que no h nada de inerente ao DSP que melhore o processamento do sinal por si s.

O presente trabalho tem o objetivo de comparar, do ponto de vista psicoacstico, o desempenho dos indivduos com AASI analgicos e digitais, utilizando o teste de SSI (Identificao de Sentenas Sintticas) em campo sob mensagem competitiva.

MATERIAL E MTODOS

Foram estudados 42 indivduos com disacusia neurossensorial de maneira comparativa, simples cega e randomizada.

O protocolo do estudo bem como o Termo de Consentimento Ps-Informao foram aprovados pelo Comit de tica em Pesquisa do Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo.

Critrios de incluso: Homens e mulheres com mais de 18 anos, portadores de disacusia neurossensorial leve a severa uni ou bilateral com indicao mdica de uso de AASI; pacientes sem uso prvio, mas com predisposio ao uso de AASI, motivao e satisfao em participar da pesquisa; pacientes que compreenderam os procedimentos e concordaram em participar do estudo, dando consentimento por escrito.

Critrios de excluso: Homens e mulheres com idade inferior a 18 anos; histria de otorria; realizao prvia do teste SSI e uso anterior de AASI; histria de qualquer doena que, na opinio do investigador, pudesse confundir os resultados do estudo ou impor risco adicional adaptao de AASI.

Avaliao audiolgica bsica: Para caracterizar a perda auditiva quanto intensidade e localizao, foram feitos os seguintes testes auditivos: audiometria tonal liminar com fones; audiometria tonal em campo livre sem AASI; ndice de reconhecimento de fala mximo (IRFM) com fones; IRFM em campo livre sem AASI; Limiar de Reconhecimento de Fala (LRF) com fones; LRF em campo livre sem AASI; Limiar de Deteco de Voz (LDV) com fones; LDV em campo livre sem AASI; imitanciometria.

Instruiu-se o indivduo para as consultas de retorno, a fim de repetir os testes audiolgicos. Numa segunda visita, foi realizada a randomizao que possibilitou a alocao do paciente ao grupo do aparelho 1 ou ao grupo do aparelho 2 com a mesma chance.

Num primeiro momento, todos os pacientes foram submetidos ao teste SSI sem AASI em campo livre, para as condies MCR +10dB, 0dB, -10dB e -20dB, respeitando-se esta ordem. Posteriormente, o mesmo teste foi realizado com AASI, tambm em campo livre. Cada paciente testado com AASI foi submetido ao teste com aparelho analgico na primeira testagem e com digital na segunda testagem ou vice-versa.

Os modelos dos dois tipos de AASI tiveram aparncia idntica. Foram utilizados 42 AASI analgicos, que embora de procedncias e caractersticas distintas, foram considerados semelhantes para esse estudo, por apresentarem em comum a mesma tecnologia. Quanto aos modelos, foram utilizados 21 aparelhos microcanais, 14 intracanais, 2 intra-auriculares e 5 meia-conchas, com 23 amplificadores classe D, 3 classe A e 1 classe B, 10 K-AMP e 5 MPO-PC.

Foram utilizados 42 AASI digitais, dos quais 21 aparelhos microcanais, 14 intracanais, 2 intrauriculares e 5 meia-conchas, sendo todos estes manipulados por programador manual modelo LP2.

A orelha que recebeu a adaptao dos AASI foi sempre aquela prescrita pelo mdico otorrinolaringologista. A durao do estudo foi de aproximadamente dois meses para cada paciente.

Tcnica do teste SSI: As sentenas sintticas foram apresentadas inicialmente em campo na intensidade de 65 ou 70dBNA frente do paciente, por meio de uma caixa acstica, com mensagem competitiva na intensidade de 75 ou 80dBNA atrs, por intermdio de uma outra caixa acstica.

Os pacientes permaneceram sentados dentro da cabina acstica de frente a um painel, contendo uma fila de 10 botes de apertar, dispostos verticalmente, e duas luzes acima que transmitiram os sinais escritos \"escute\" e \"descanse\", respectivamente. Este painel continha uma folha de papel medindo 20 cm por 17 cm, onde estava impressa uma lista de 10 sentenas sintticas (sentenas que apresentavam uma relao de terceira ordem de aproximao), correspondendo a cada boto uma sentena.

As sentenas utilizadas foram adaptadas lngua portuguesa por ALMEIDA, CAETANO (1988)5 e so as seguintes.

QUE IGNORA O FIM PRINCIPAL GANHAR
A PORTA LARGA PARA SER MAIS RPIDO
GOSTA MUITO CRER TE DA MUITO PARA
QUARTO GOLPE DE ESTADO E O CAMPO
SEMPRE E CORRE MUITO MAIS BONITO QUE
CONFIANA EM MINHA ALMA CAI DENTRO DE
AO HUMILDE BEM CLARO O CU
SOBRE MINHA CABEA EST DE DEUS PAI
GRANDE GENERAL CHEGA J E NO CREIAS
ASSISTA A AULA DE PAPEL BRANCO NA

A mensagem competitiva que foi utilizada na pesquisa constitui-se de um discurso contnuo na forma de um trecho de um livro de histria do Brasil14.

Primeiramente, a intensidade das sentenas foi de 65dB ou 70dB NA, conforme o nvel de conforto auditivo do paciente, e no variou durante o procedimento do teste. A competio de fala foi de 75dB ou 80dB NA.

Cada combinao de nveis de intensidade foi definida como \"relao mensagem-competio\" (MCR). O procedimento atual do teste comeou na condio de +10 dB.

A durao da testagem teve previso de 20 minutos.

Avaliao do Desempenho do Indivduo com AASI por meio das Sentenas Sintticas: Todos os pacientes foram submetidos aos seguintes testes: aplicao do teste SSI na presena de mensagem competitiva sem AASI em campo livre; aplicao do teste SSI na presena de mensagem competitiva com AASI analgico ou digital em campo livre; aplicao do teste SSI na presena de mensagem competitiva com AASI diferente da primeira testagem.

Anlise estatstica: A comparao primria de interesse foi o desempenho de indivduos no teste SSI com AASI digital e analgico. A hiptese est centrada na equivalncia do desempenho do AASI analgico versus desempenho do AASI digital.

Os dados da audiometria e do teste SSI foram representados por meio de medidas descritivas: mdia, desvio-padro, mediana e valores mnimo e mximo.

Em cada condio de MCR (-20, -10, 0 e +10), a comparao entre os aparelhos analgico e digital foi realizada a partir do teste no paramtrico de Wilcoxon. Alm disto, foi calculado o intervalo de 95% de confiana da diferena entre os valores mdios do SSI com AASI digital e analgico.

Neste trabalho, foi adotado o nvel de significncia de 5% e o sistema estatstico SPSS foi utilizado para os clculos estatsticos.

RESULTADOS

Sexo: Dos 42 pacientes estudados, 21 eram do sexo feminino (50%) e 21 do sexo masculino (50%).

Idade: Observou-se uma mdia de 54,8 anos e desvio padro de 12,4 anos.

Orelhas selecionadas: Foi selecionada apenas uma orelha para estudo em cada paciente, sendo 20 orelhas direitas e 22 orelhas esquerdas. O nmero foi semelhante para excluir a possibilidade de erro devido lateralidade.

Limiares auditivos tonais: No houve diferena estatisticamente significante entre as orelhas selecionadas e as contralaterais nas trs freqncias (p=0,874, p=0,633 e p=0,809). Em mdia, os valores obtidos na situao de cabina so maiores que os com fone.

Na Tabela 1, para o subgrupo de sete pacientes com perda auditiva leve, houve diferena estatisticamente significante entre a condio com AASI digital e as demais (p = 0,011, p = 0,038, p = 0,024) que, por sua vez, foram semelhantes entre si. No subgrupo de 24 pacientes com perda auditiva moderada, houve diferena significante (p = 0,002, p < 0,001, p < 0,001) entre os resultados das trs condies (comparadas duas a duas).

As condies com AASI analgico e com AASI digital no apresentaram diferena significante dentro do subgrupo de nove pacientes com perda moderadamente severa (p = 0,157), mas foram significantemente diferentes da condio sem AASI (p = 0,017, p = 0,017).

Na Tabela 2, para o subgrupo de 16 pacientes com IRFM < 60%, houve diferena estatisticamente significante entre AASI analgico e digital (p = 0,021). O mesmo ocorreu para o subgrupo de indivduos com IRFM > 70% (p = 0,008). Para os indivduos com IRFM intermediria, entre 60 e 70%, esta diferena no atingiu significncia estatstica (p = 0,096), embora em mdia o AASI digital tambm tenha apresentado valores maiores que o analgico.

Influncia dos limiares tonais sobre o desempenho dos AASI analgico e digital: Embora estatisticamente no significante, os limiares auditivos tonais em campo livre foram piores do que os obtidos com fone em cabina, sendo a freqncia de 4KHz mais comprometida que as demais.

Indivduos com perda auditiva leve apresentaram melhor desempenho com AASI digital do que com AASI analgico e sem AASI. (Tabela 1 p1). Nestes indivduos, no houve diferena entre o desempenho no teste SSI com AASI analgico ou sem AASI. Por outro lado, o AASI digital apresentou desempenho significantemente melhor que as duas condies anteriores, o que favorece a indicao de AASI digital para indivduos com limiares auditivos de 25 a 40dB (Tabela 1 p4).

Independentemente do tipo de AASI, foi observado melhor desempenho dos indivduos com perda auditiva leve do que os com perda auditiva moderada (Tabela 1 p1).

Os indivduos com perda auditiva moderada apresentaram melhor desempenho com AASI digital quando comparado com AASI analgico e sem AASI (Tabela 1 p1).

Para as perdas auditivas moderadamente severas, o desempenho no teste SSI foi semelhante com AASI analgico e digital, porm significantemente melhor quando comparado com a situao sem AASI, o que favorece a indicao de ambos os tipos de AASI para indivduos com limiares auditivos de 55 a 70dB (Tabela 1 p1).

Nas perdas moderadamente severas no houve diferena estatisticamente significante entre os dois tipos de AASI, embora haja uma tendncia do AASI digital ser melhor do que o analgico. Entretanto, pelo pequeno nmero de casos com este grau de perda (n=9), sugerimos estudos posteriores com maior populao de indivduos para confirmar esta tendncia (Tabela 1 p1).

Importncia do ndice de Reconhecimento de Fala Mximo (IRFM) na seleo dos AASI: No presente estudo, foi observado que indivduos com IRFM >70% apresentam melhor desempenho no teste SSI do que os indivduos com IRFM de 60 a 70% e IRFM<60%, sugerindo haver relao entre os escores de IRFM e os de SSI para indivduos com IRFM>70%, o que no foi observado nos indivduos com IRFM de 60 a 70% e IRFM<60%.

Sentenas sintticas: Procuramos utilizar o teste SSI com mensagem competitiva para estimar o melhor AASI. Embora tenhamos empregado competio de fala e no rudo, esses estmulos se equivalem quando comparamos escores de inteligibilidade de fala sob qualquer competio, seja fala ou rudo.

Desempenho dos AASI na presena de recrutamento: Quando os indivduos se utilizaram de AASI analgico, o desempenho dos indivduos no-recrutantes foi significantemente melhor do que os recrutantes, no ocorrendo o mesmo quando se utilizaram de AASI digital.

No houve diferena estatisticamente significante entre os indivduos recrutantes e no-recrutantes sem AASI (p = 0,103) e com AASI digital (p = 0,198), mas houve para o AASI analgico (p = 0,038). Em mdia, o desempenho no teste SSI dos indivduos no-recrutantes foi significantemente maior que o dos indivduos recrutantes com AASI analgico.

Comparao entre os AASI analgico e digital quanto ao desempenho no teste SSI: Em todas as condies de MCR (-20, -10, 0 e +10) foram encontradas diferenas significantes (p <0,001 e p < 0,01) entre as respostas dos AASI digitais e analgicos, quanto aos valores obtidos no teste SSI (Tabela 3).

Os dois tipos de AASI produziram melhores respostas que a condio sem AASI, e as mdias do AASI digital so maiores que as do analgico.

DISCUSSO

Orelhas selecionadas: Nesta pesquisa, optou-se por selecionar apenas uma orelha em cada paciente (pesquisa monoaural) porque a maioria no apresentou disposio para uso de dois AASI e porque as fbricas no possuam disponibilidade de AASI suficiente para viabilizar a pesquisa.

Influncia dos limiares tonais sobre o desempenho dos AASI analgico e digital: A freqncia de 4KHz est mais comprometida que as demais. Relacionando esse achado com a informao de FLETCHER (1953)1, pode ser entendido que os voluntrios deste trabalho, como uma amostra da populao em geral, apresentam diminuio da inteligibilidade da fala provocada pela perda auditiva.

Esses achados so concordantes com os de MUSIEK et al. (1993)15 quando salientaram que a maioria das disacusias neurossensoriais apresenta um \"dficit\" muito menor nas freqncias baixas (importante para a audibilidade) em relao s freqncias altas, ponto crtico para a inteligibilidade.

Na literatura, foi relatado que a satisfao dos indivduos em relao a diferentes tipos de AASI no depende do limiar auditivo que possuem (JERGER et al., 1968)16. Em contrapartida, TASEL (1998)8 lembrou que no importa quo sofisticado possa ser um AASI digital porque seu desempenho depender das caractersticas da deficincia auditiva do indivduo, acreditando que quanto menos severa for a deficincia auditiva, maior ser a expectativa para corrigi-la pelo uso de AASI.

Para as perdas moderadamente severas, o desempenho no teste SSI foi semelhante com AASI analgico e digital, porm significantemente melhor quando comparado com a situao sem AASI, o que favorece a indicao de ambos os tipos de AASI para indivduos com limiares auditivos de 55 a 70dB (Tabela 1 p1). No houve diferena estatisticamente significante entre os dois tipos de AASI, embora haja uma tendncia do AASI digital ser melhor do que AASI analgico.

Importncia do ndice de Reconhecimento de Fala Mximo (IRFM) na seleo dos AASI: O AASI digital foi melhor que o AASI analgico, o que favorece sua indicao para os indivduos com IRFM>70%. (Tabela 2 p1)

Para os indivduos com IRFM de 60 a 70%, o desempenho com AASI foi significantemente melhor do que sem AASI, favorecendo sua indicao, independente se analgico ou digital (Tabela 2).

Para os indivduos com IRFM <60%, houve diferena significante entre o uso do AASI digital e o analgico, favorecendo a indicao do uso do AASI digital para os indivduos com IRFM <60%.

No presente estudo, foi observado que indivduos com IRFM>70% apresentam melhor desempenho no teste SSI do que os indivduos com IRFM de 60 a 70% e IRFM<60%, sugerindo haver relao entre os escores de IRFM e os de SSI para indivduos com IRFM>70%, o que no foi observado nos indivduos com IRFM de 60 a 70% e IRFM<60%. Este fato sugere que os indivduos portadores de IRFM<70% apresentam maior dificuldade de comunicao que os demais e que essa dificuldade diminui com o uso de AASI analgico e mais ainda com os digitais.

Sentenas sintticas: O uso de sentenas sintticas como objeto de testes auditivos permite maior semelhana aos estmulos do dia-a-dia, quando mais fcil identificar sentenas do que palavras isoladas, e no exige um reconhecimento exato de todos os elementos da frase. Observa-se que as curvas de identificao das sentenas sintticas em ouvintes normais so prximas s curvas obtidas pelo LRF (limiar de reconhecimento de fala) o que colaborou para optarmos pela escolha do teste para comparar desempenho obtido com o uso de AASI.

HAYES et al. (1983)3 aplicaram o teste SSI com mensagem competitiva e observaram que na condio de MCR= -10dB houve uma diferena de 30% entre os indivduos satisfeitos com o seu AASI e os no-satisfeitos, o que favoreceu a utilizao do teste para diferenciar AASI. Da mesma forma, CAETANO (1991)4 quando aplicou o teste SSI com mensagem competitiva observou j uma diferena entre os grupos de satisfeitos e no-satisfeitos na condio de MCR= 0dB, porm na condio de MCR= -10dB, esta diferena se acentuava ainda mais.

LEENAN; SOEDE (1992)6 mostram a relao sinal-rudo (SNR) versus a inteligibilidade para ouvintes normais, que alcanam 50% de inteligibilidade em aproximadamente - 7dB de SNR e 100% a 0dB de SNR. Consideramos a condio de MCR= -10dB como a mais apropriada para avaliar o desempenho do AASI porque mostra uma relao sistemtica com a satisfao do paciente, o que nos permite utiliz-la na clnica como um parmetro indicativo do melhor AASI ou conjunto de AASI.

Da mesma forma, KILLION (1997b)7 demonstrou pela aplicao do teste SIN (Fala sob rudo) a SNR necessria para o reconhecimento de 50% das palavras relativas audio normal. Seus achados so concordantes com os de LEENAN; SOEDE (1992)6, referindo uma SNR de 0dB para ouvintes normais e -7dB para indivduos com perda auditiva de aproximadamente 60dB.

VOLL (2000)9 refere que um aumento de 3dB na SNR pode melhorar a inteligibilidade at em 40% dos indivduos deficientes auditivos, o que vem ao encontro da escolha de MCR= -10 neste presente estudo para se testar AASI, condio considerada difcil. Entretanto, se o deficiente auditivo responder bem ao teste, em geral esperamos aumento na inteligibilidade de fala de forma significativa.

Adicionando a isto, CHRISTENSEN (2000)10 refere que os resultados do teste SIN (Fala sob rudo) podem ser usados de diversas formas. Primeiramente definida pelo autor como a medida da \"perda da SNR\", pode determinar quem so candidatos ao uso de microfones direcionais e estimar o benefcio do uso. Lembrou ainda que os AASI com microfones direcionais podem aumentar a SNR de 4 a 5dB. Ento, deficientes auditivos com perda de SNR de 5dB ou menos podem freqentemente ter um desempenho semelhante a ouvintes normais sob condies de rudo usando AASI com microfones direcionais.

SPEAKS (1967a)2 tambm concordou em utilizar as sentenas sintticas, salientando que foi evidente a pouca importncia de energia acima de 1 KHz, quando considerou a curva de passa-baixos, o que diferiu substancialmente das palavras monossilbicas, onde o espectro importante era acima de 1 KHz. Esse fato foi observado no presente estudo quando foram relacionados os escores da IRFM com o desempenho do teste SSI. (Tabela 2)

semelhana, JERGER et al. (1968)16 verificaram que o teste SSI com mensagem competitiva foi o nico que conseguiu distinguir com significncia a eficincia do AASI, possibilitando separar os indivduos satisfeitos com o uso de seu AASI daqueles no-satisfeitos.

Os argumentos acima mencionados justificam a escolha do teste de SSI com mensagem competitiva para o mtodo do presente trabalho com a finalidade de avaliar a eficincia dos AASI.

Desempenho dos AASI na presena de recrutamento:

Os dados sugerem que para os indivduos portadores de recrutamento deva ser indicado o uso de AASI digitais, porque apresentam melhor desempenho que os analgicos.

Tecnologia analgica e digital: Na literatura observa-se a preocupao de se avaliar o aproveitamento do AASI por meio de testes mais sofisticados, em campo. ELBERLING et al. (1993)11 e CHRISTENSEN (2000)10 foram cticos em relao possibilidade da melhora da percepo da fala em ambiente social com ajuda de AASI, outros como LEENAN; SOEDE(1992)6, MUSIEK et al. (1993)15, KILLION (1997a), KILLION (1997b) e TASELL (1998) vm notando que com os progressos eletrnicos dos AASI (preocupao em amplificar, selecionar a amplificao e minimizar a influncia do rudo de fundo) o nmero de deficientes auditivos que alcanam comunicao satisfatria est aumentando. Entre esses avanos recentes, o aperfeioamento dos microfones direcionais e a tecnologia digital foram motivo de otimismo entre os pesquisadores clnicos que, referindo-se aos seus achados, fizeram comentrios como: \"as estratgias para melhorar o reconhecimento de fala sob rudo consistem em melhorar a SNR na membrana timpnica, fazer uso de microfones direcionais e realizar a adaptao de AASI binaurais\" (ZUREK, 1993) e \"defendeu o uso de microfones direcionais na concha do AASI intracanal, possibilitando aurcula o efeito da curva sombra que naturalmente aumenta as freqncias altas\" (VOLL, 2000).

No presente trabalho, o uso de qualquer tipo de AASI (analgico e digital) produziu desempenho significantemente melhor quando comparado com aquele sem AASI. Observa-se, ento, que de alguma forma, o AASI (analgico ou digital) melhorou a inteligibilidade da fala sob competio, tendo o AASI digital apresentado um resultado melhor do que o analgico em todas as condies de MCR.







CONCLUSES

1. A inteligibilidade da fala sob competio foi melhor com AASI, independentemente se analgico ou digital, quando comparada com a condio sem AASI.

2. O desempenho dos indivduos com AASI, independentemente se analgico ou digital, foi melhor nas perdas auditivas leves em relao aos indivduos com perdas auditivas moderadas.

3. Em relao ao ndice de Reconhecimento de Fala Mximo (IRFM), quando > 70% e tambm quando < 60%, o AASI digital ofereceu melhor resultado do que o AASI analgico, porm com IRFM de 60 a 70% no houve diferena significante entre as duas tecnologias.

4. Os indivduos com perdas auditivas leves apresentaram melhor desempenho com AASI digital do que com o analgico.

5. A tecnologia digital permitiu melhor comunicao do que a analgica nos pacientes portadores de recrutamento.

6. Quando avaliados pelo teste SSI, os AASI digitais ofereceram melhor resultado do que o analgico em todas as condies de relao mensagem-competio (MCR).

AGRADECIMENTOS

Ao Prof. Dr. Clemente Isnard Ribeiro de Almeida, Professor Titular da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Jundia, meu Mestre, a quem devo a sugesto deste trabalho, e a possibilidade dos meios para a sua realizao, pela sua sabedoria, pelo carinho e apoio que sempre me dedicou.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. FLETCHER, H. - Speech and hearing in communication. In: Princeton, N.J.: New York, D. Van Nostrand, 1953, 100-35p.

2. SPEAKS, C. - Intelligibility of filtered synthetic. J. Speech Hear. Disorder. 10, p.281-8, 1967a.

3. HAYES, D.; JERGER, J.; TAFF, J.; BARBER, B. - Relation between aided synthetic sentence identification score and hearing aid user satisfaction. Ear. Hear. 4, p. 158-61, 1983.

4. CAETANO, M.H.U. - Utilizao do teste de identificao de sentenas sintticas (SSI) com mensagem competitiva em avaliao de prteses acsticas. Dissertao (Mestrado) Faculdade de Fonoaudiologia, UNIFESP, So Paulo, 1991.

5. ALMEIDA, C.I.R.; CAETANO, M.H.U. - Logoaudiometria utilizando sentenas sintticas. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 54, p. 68-72,1988.

6. LEENAN, J.; SOEDE, W. - Verbesserung des Sprachverstehens durch richtungsempfindliches Horen. [Improvement in speech understanding through directional sensitive hearing], Horakustik. 7, p. 45-67, 1992

7, KILLION M.C. - SNR loss: I can hear what people say, but I can\'t understand them. Hear. Rev. 31, p.4-14, 1997b.

8. TASELL D.J.V. - New DSP instrument designed to maximize binaural benefits. Hear. J. 51, p. 1-4, 1998.

9. VOLL, L. M. - Application of technology to improve signal-to-noise ratio. Semin. Hear. 21, p.157-67, 2000.

10. CHRISTENSEN, L. A. - Signal-to-noise ratio loss and directional-microphone hearing aids. Semin. Hear. 21, p. 179-220, 2000.

11. ELBERLING, C.; LUDVIGSEN, C.; KEIDSER G. - The design and testing of a noise reduction algorithm based on spectral subtraction. Scand. Audiol. 22, p. 39-49, 1993.

12. ZUREK P.M. - Binaural advantages and directional effects in speech intelligibility. In: STUDEBAKER G.A.; HOCKBERG I., ed. Acoustical Factors Affecting Hearing Sif Performance. 2. ed. Boston, Allyn & Bacon , p. 132-48, 1993.

13. KILLION, M.C. - Hearing Aids: past, present, future: moving toward normal conversation in noise. Br. J. Audiol. v. 53, ,p. 141-8, 1997a.

14. LIMA, J. - Anchieta e a Fundao de So Paulo. In: Ensaios Paulistas. So Paulo, Ed. Anhembi, p. 90-5, 1958.

15. MUSIEK, F.E.; BARAN, J.; PINHEIRO, M. - Neuroaudiology: cases studies, San Diego, Singular Press, 1993, p. 150-80.

16. JERGER, J.; SPEAKS, C.C.; TRAMMELL, J.L. - A new approach to speech audiometry. J. Speech Hear. Disorder. 33, p. 318-28,1968.

* Fonoaudiloga Doutora pela Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo.

Tese apresentada FMUSP para obteno do ttulo de Doutor em Cincias em 27/03/2001.
Endereo para correspondncia: Rua Prof. Picarolo 103 Ap. 11-A - CEP 01332-020 - So Paulo - SP - Tel/fax: (11)287-0956 - Email: mhelena48@hotmail.com
Artigo recebido em 2 de maio de 2001. Artigo aceito em 9 de junho de 2001.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024