Title
Search
All Issues
6
Ano: 2004  Vol. 8   Num. 3  - Jul/Set Print:
Original Article
Avaliao Vestibular Analgica e Computadorizada em Pacientes com Distrbios de Origem Metablica
Analogic and Computerized Vestibular Evaluation in Patients with Metabolic Disorders
Author(s):
Juliana Rollo Fernandes*, Cristina Freitas Ganana**.
Palavras-chave:
testes de funo vestibular, vertigem, doenas metablicas.
Resumo:

Introduo: Devido alta sensibilidade do sistema vestibular, freqente a relao de sintomas vestibulares com alteraes especficas em outros rgos ou sistemas, principalmente com o sistema metablico, j que a orelha interna despende muita energia para seu adequado funcionamento. Objetivos: Verificar a ocorrncia de alteraes do sistema vestibular em pacientes com distrbios de origem metablica. Mtodo: Foram avaliados 40 indivduos portadores de alteraes metablicas, na faixa etria de 23 a 82 anos, submetidos avaliao vestibular, sendo 20 submetidos avaliao analgica e 20 avaliao computadorizada. Resultados: 26 indivduos (65%) apresentaram alteraes no resultado do exame vestibular, sendo todas de origem perifrica. Em 65% dos casos, as alteraes vestibulares eram acompanhadas de alteraes auditivas. Os sintomas mais relevantes encontrados nesta populao foram zumbido (62%), vertigem (34%), principalmente em crises (59%) e tontura (30%). Outros sintomas como plenitude auricular, escurecimento de viso e nuseas tambm foram encontrados, porm com menor relevncia. Concluso: As alteraes metablicas afetam sobremaneira o funcionamento do sistema vestibular e podem estar intimamente relacionadas aos maus hbitos alimentares da atualidade.

INTRODUO

A otoneurologia, uma extenso da otorrinolaringologia e otologia, destina-se ao estudo da audio, do equilbrio corporal e suas relaes com o sistema nervoso central. O equilbrio uma funo sensrio-motora que tem como objetivo estabilizar o campo visual e manter a postura ereta, ocorrendo de forma inconsciente pela atuao de mecanismos sensoriais e reflexos.

Os sistemas vestibular, visual e proprioceptivo (ou somatossensorial) so responsveis por estes mecanismos, que se interligam nos ncleos do tronco enceflico sob a coordenao do cerebelo (1). Os sintomas e sinais de alterao do equilbrio corporal, nistagmo e/ou tontura, surgem quando h conflito na integrao das informaes destes sistemas, quando estes so deprimidos por fatores externos ou apresentam alguma disfuno (2). A explorao dos sistemas auditivo e vestibular feita por meio de uma avaliao otoneurolgica, que inclui testes audiolgicos e a equilibriometria (exame vestibular).

Com o avano da tecnologia, foram desenvolvidos diversos equipamentos e testes especficos e sens veis, que detectam alteraes mesmo que mnimas no sistema vestibular, classificando-as quanto localizao (perifrica ou central), indicando o(s) lado(s) lesado(s) e estabelecendo o prognstico para cada caso, podendo ainda ser investigada a etiologia dos sintomas atravs de exames laboratoriais. Atualmente, as provas calricas, provas rotatrias e a posturografia dinmica so os principais mtodos utilizados na pesquisa da funo vestibular, sendo a prova calrica de extrema importncia, pois permite avaliar cada labirinto separadamente (2). A grande incidncia de distrbios da audio e do equilbrio corporal possivelmente decorre da alta susceptibilidade labirntica a alteraes funcionais situadas em outras partes do corpo humano.

possvel diagnosticar a causa distncia em cerca de 70% dos casos (3). A tontura um dos sintomas mais comuns em ambos os sexos, presente em mais de 10% da populao, podendo ser decorrente de alteraes prprias do sistema vestibular ou de alteraes alheias a ele, como alteraes metablicas, vasculares, cervicais ou por acometimento de outros rgos (2). Devido alta sensibilidade do sistema vestibular, freqente a relao de sintomas vestibulares com altera- es especficas em outros rgos ou sistemas, principalmente com o sistema metablico, j que a orelha interna despende muita energia para seu adequado funcionamento. A justificativa para o aumento de alteraes metab licas atualmente est relacionada com dietas inadequadas ou com indisciplina alimentar.

Um grande nmero de estudos demonstrou a importncia de uma alimentao adequada para a sade, porm o estilo de vida atual, com a presena progressiva do fast-food, leva a maioria das pessoas a manter uma alimentao irregular, nutricionalmente pobre e, geralmente, altamente gordurosa e calrica. Soma-se a esses fatores o estresse e o sedentarismo (4). H cada vez mais pacientes hipertensos, obesos, com aumento dos nveis de colesterol e triglicrides, pr- diabticos ou diabticos, que podem apresentar distrbios de audio ou do equilbrio relacionados a hbitos alimentares inadequados (4). Existem diversos estudos na literatura nacional e internacional, correlacionando a existncia de alteraes metablicas com a presena de sintomas vestibulares como:

tontura, vertigem, instabilidade, sensao de flutuao, etc (5-18). Diante do exposto, este trabalho tem como objetivo verificar a ocorrncia de alteraes do sistema vestibular em pacientes com distrbios de origem metablica.

CASUSTICA E MTODO

Seleo dos indivduos

Este estudo foi composto por 20 indivduos atendidos na rotina clnica do Ambulatrio de Otoneurologia do Departamento de Otorrinolaringologia da Irmandade da Santa Casa de Misericrdia de So Paulo e de 20 indivduos atendidos na rotina clnica do consultrio particular. A seleo dos indivduos foi feita atravs do relato de alterao metablica, durante anamnese, confirmada por exames laboratoriais.

Foram selecionados os indivduos com exames laboratoriais datados de at 30 dias antecedentes realizao da avaliao vestibular. Participaram do estudo indivduos de ambos os sexos, sendo 34 do sexo feminino e 6 do sexo masculino, com faixa etria variando de 23 a 82 anos de idade. Foram excludos do estudo indivduos que apresentassem outros tipos de alteraes somadas s alteraes de origem metablica.

Procedimentos realizados

Primeiramente, esta pesquisa foi aprovada pelo Comit de tica em Pesquisa em Seres Humanos da Irmandade da Santa Casa de Misericrdia de So Paulo (protocolo n. 070/03). Todos os indivduos participantes receberam informaes sobre a pesquisa e assinaram o termo de consentimento individual. Para levantar os dados pessoais, de sade, antecedentes otolgicos e queixas auditivas e vestibulares, os indivduos foram submetidos a um questionrio (Anexo 1). Todos os indivduos foram submetidos avaliao otorrinolaringolgica e audiolgica, composta pela audiometria tonal liminar, audiometria vocal, discriminao de fala e imitanciometria.

Estes testes no sero descritos e foram analisados e classificados como normal ou alterado, a fim de verificar a possvel ocorrncia de alteraes auditivas nesta populao. No exame vestibular analgico foram realizadas as seguintes provas: pesquisa do nistagmo de posicionamento pela manobra de Brandt-Daroff, calibrao dos movimentos oculares, pesquisa do nistagmo espontneo com olhos abertos e fechados, pesquisa do nistagmo semi-espontneo, rastreio pendular, pesquisa do nistagmo optocintico e prova calrica. Esta ltima foi realizada com gua, nas temperaturas de 44oC e 30oC, com tempo de estimulao de 40 segundos. Nos casos em que foi necessrio recorrer estimulao gelada a temperatura utilizada foi de 18oC.

Todas as provas foram realizadas com o paciente levemente sentado em uma maca, com exceo da prova calrica, que foi realizada com o paciente deitado (posio I de Brnnings). No foi realizada a pesquisa do nistagmo per-rotatrio por no possuirmos a cadeira giratria necess ria ao teste.

Os equipamentos utilizados durante a avalia o foram o estimulador visual VC VEC da Neurograff Eletromedicina Ltda., o vecto-nistagmografo VN-316 da marca BERGER e o otocalormetro OC-214 da mesma marca. Na realizao do exame vestibular computadorizado foram realizadas as mesmas provas da avaliao analgica, alm dos movimentos sacdicos e pesquisa do nistagmo per-rotatrio. A prova calrica foi realizada com ar, nas temperaturas de 42oC e 18oC com tempo de estimulao de 80 segundos.

Nos casos em que foi necessrio recorrer estimulao gelada a temperatura utilizada foi de 0oC. Todas as provas foram realizadas com o paciente sentado, tomando-se o cuidado de realizar angulao da cabea para trs durante a prova calrica.

Os equipamentos utilizados foram o software VECWIN da Neurograff Eletromedicina Ltda., o estimulador visual VC VEC e o otocalormetro NGR-OS da mesma marca.

Critrios para anlise dos resultados

Para classificar os achados do exame auditivo, foi utilizado parmetro previamente estabelecido, onde consideramos audio normal os limiares auditivos at 20 dBNA e perda auditiva os limiares acima de 20 dBNA (19). Para classificao dos resultados do exame vestibular analgico, foi utilizado o padro de normalidade estabelecido por diversas pesquisas na rea otoneurolgica (1). O padro de normalidade utilizado na avaliao digital j est embutido na memria do computador e os achados foram analisados de acordo com os parmetros previamente estabelecidos (20).

















RESULTADOS

Caracterizao dos achados a anamnese

Com relao aos sintomas relacionados audio, encontramos 7 (16%) indivduos que relataram diminuio de audio, 25 (57%) zumbido e 7 (16%) plenitude auricular. Em alguns casos foram encontrados mais de um sintoma e 5 indivduos (11%) no apresentaram queixa auditiva (Grfico 1). Na investigao dos sintomas relacionados ao sistema vestibular, encontramos 32 (34%) indivduos que relataram vertigem, 28 (30%) tontura, 3 (3%) sensao de flutuao, 8 (9%) sensao de cabea oca ou pesada, 8 (9%) escurecimento de viso, 13 (14%) nusea e 1 (1%) falta de concentrao ou memria. Em alguns casos foram encontrados mais de um sintoma (Grfico 2). A vertigem em crises foi o achado mais freqente, ocorrendo em 19 (59%) dos casos, seguida pela vertigem de aparecimento sbito em 9 (28%) e vertigem constante em 4 (13%) dos indivduos (Grfico 3).

Caracterizao das alteraes metablicas

Foram encontrados diversos tipos de alteraes metablicas, sendo que em alguns indivduos ocorreram mais de um tipo de alterao. Na Tabela 1 esto apresentados os resultados das alteraes encontradas nesta popula o. Caracterizao dos achados audiolgicos Os achados audiolgicos foram normais em 14 (35%) dos indivduos e alterados em 26 (65%) dos indiv- duos (Grfico 4).

Descrio dos resultados do exame vestibular

Na Tabela 2 esto descritos os resultados de cada prova realizada durante o exame vestibular analgico e computadorizado.

No Grfico 5, podemos observar o resultado geral do exame vestibular. DISCUSSO Diante do objetivo deste estudo, que procurou observar a ocorrncia de alteraes no sistema vestibular em pacientes portadores de alteraes de origem metablica, encontramos 26 (65%) dos indivduos com alterao no resultado do exame vestibular. Esses resultados vo ao encontro do estudo de GANANA (1991), que encontrou alterao vestibulometria em mais de 70% dos 526 pacientes portadores de altera- es metablicas (3). FOGAA & WALBER (1995) avaliaram 48 pacientes atravs da eletronistagmografia computadorizada e encontraram sndrome vestibular perifrica na maioria dos casos (21).

Em outros estudos a ocorrncia de alterao vestibular tambm superior a 50% dos casos (10, 18). A relao entre as alteraes auditivas e alteraes metablicas comentada por diversos autores. ALMEIDA (1998) encontrou em seu estudo 5 (20%) pacientes com perda de audio do tipo sensorioneural (10). GANANA (1991) encontrou alterao no resultado da audiometria em 60% dos 526 pacientes avaliados, sendo todas com perda auditiva do tipo sensorioneural (3). SILVA et al.(2000) comentam que as curvas audiomtricas mais encontradas so as horizontais ou em U invertido (22). GANANA (1991) tambm encontrou tontura e zumbido como os sintomas mais referidos pelos pacientes (55%), seguido pela perda auditiva e cefalia (52%) (3). Para SILVA et al. (2000), a sensao de flutuao ou de cabea oca tambm so queixas bastante freqentes. Porm importante ressaltar que alguns pacientes no apresentam queixas otoneurolgicas (22).

SCHERER & LOBO (2001) encontraram alterao vestibular em 75% dos indivduos avaliados e destes, 62,5% no tinham queixas de sintomas vestibulares (18). Foram encontrados diversos tipos de alteraes metablicas em nosso estudo, sendo que em alguns indivduos ocorreram mais de um tipo de alterao.

FOGAA & WALBER (1995) relatam que as alteraes metablicas so a causa mais freqente de alteraes no sistema vestibular (21).

Nos diversos estudos pesquisados as alteraes no metabolismo da glicose so citadas como as principais alteraes metablicas que levam a transtornos vestibulococleares (7,11,14,17). A alterao metablica que apareceu com maior freqncia em nosso estudo foi o aumento do colesterol (32,7%). Porm no podemos afirmar que esta seja a causa mais freqente de alterao metablica causando alterao vestibular, pois nossa casustica foi escolhida aleatoriamente. Com relao aos resultados do exame vestibular, a pesquisa do nistagmo ps-calrico foi a prova onde ocorreu maior nmero de resultados alterados (65%).

Estes resultados concordam com o estudo de GANANA (1991), que encontrou alterao no resultado do nistagmo pscal rico em 76% dos indivduos estudados. Outras provas que apareceram com resultados alterados em seu estudo foram o nistagmo per-rotatrio (8%), nistagmo espontneo (8%) e nistagmo de posio (4%) (3). Em seu estudo, ALMEIDA (1998) tambm encontrou mais de 50% de alteraes na prova calrica e a pesquisa do rastreio pendular seguiu como a segunda prova mais alterada (23 dos 25 casos avaliados) (10). SILVA et al. (2000) comentam que na realizao da prova calrica a hiperreflexia e preponderncia direcional so as alteraes mais comuns, o que tambm se confirma em nosso estudo (22). No encontramos na literatura estudos comparativos entre a vectoeletronistagmografia analgica e computadorizada.

Em nosso estudo as alteraes do sistema vestibular apareceram mais no exame analgico, porm o exame computadorizado nos permite observar alteraes de ganho, velocidade e latncia em provas como o rastreio pendular e os movimentos sacdicos.

Ainda assim no podemos afirmar que este mtodo seja mais sensvel na deteco das alteraes vestibulares, pois os pacientes avaliados no foram os mesmos nas duas tcnicas.

CONCLUSES

Pacientes com distrbios metablicos apresentaram alteraes do sistema vestibular em 65% dos casos. Alteraes cocleares como perda auditiva sensorioneural e zumbido esto presentes na maioria dos indivduos portadores de alteraes de origem metablica com sintomas vestibulares.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Bolsen YA, Torres MLB. Interpretando a eletronistagmografia e a vecto-eletronistagmografia na avaliao vestibular. In: Gama, M.R. (Org.) Resolvendo casos em audiologia. 1. ed. So Paulo: Summus; 2001, p.99-132.
2. Ganana MM, Caovilla HH. Desequilbrio e reequilbrio. In: Ganana MM. Vertigem tem cura?. So Paulo: Lemos Editorial; 1998, p.13-19.
3. Ganana MM. Labirintopatias vasculares e metablicas. In: Hungria H. Otorrinolaringologia. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1991, p.386-395.
4. Ramos S, Ramos RF. Medidas complementares no tratamento da vertigem. In: Ganana MM. Vertigem tem cura?. So Paulo: Lemos Editorial, 1998.
5. Ramos S, Ramos RF, Rodrigues VM. Dieta hipoglicdica e hiperprotica para tratamento da vertigem de origem metablica. Acta AWHO, 5(1), 1986.
6. Sidorov JE, Benkovic GW, Greenfield LS, Gutknecht DR, Haddad RM, Levine MA, et al. Metabolic abnormalities and vertigo? Arch. Intern. Med. 147(2), 1987.
7. Fukuda Y. Labirintopatia metablica hiperinsulinmica. Rev. Bras. de Otorrinolaringol. 1(1): 29-31, 1994.
8. Rybak LP. Metabolic disorders of the vestibular system. Otolaryngol. Head Neck Surg. 112(1): 128-32, 1995.
9. Pulec JL, Pulec MB, Mendoza I. Progressive sensorioneural hearing loss, subjective tinnitus and vertigo caused by elevated blood lipids. Ear Nose Throat J. 77(2): 725-28, 1997.
10. Almeida FS. Disfuno metablica tireidea e otoneurologia. Rev. Bras. de Otorrinolaringologia. 64(4),1998.
11. Bittar RSM, Sanchez TG, Santoro PP, Medeiros IRT. O metabolismo da glicose e o ouvido interno. Arq. Otorrinolaringol 2(1), 1998.
12. Juregui RK, Dominguez RB, Ibarra OA, Gonzlez BD. Trastornos otoneurolgicos en la diabetes insulinodependiente. Rev. Invest Clin. 50(2), 1998.
13. Ferreira Jnior, CA, Guimares RES, Becker HMG, Gonalves TML, Silva CDL, Crosara PFTB, et al. Avaliao metablica do paciente com labirintopatia. Arq Otorrinolaringol. 4(1), 2000.
14. Lavinsky M, Wolff FH, Lavinsky L. Estudo de 100 pacientes com clnica sugestiva de hipoglicemia e manifestaes de vertigem, surdez e zumbido. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 7(1): 8-12, 2000.
15. Costa LP, Tresso A, Ganana CF, Cores J, Azevedo LL. Incidncia de alteraes vestibulares em pacientes com distrbios vasculares, metablicos e hormonais. Tema livre n. 605. In: Anais do IX Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia. Guarapari, 2001.
16. Zeigelboim BS, Jurkiewicz AL, Albernaz PLM, Fukuda Y. Alteraes vestibulares em doenas metablicas que afetam o sistema nervoso central. Acta AWHO. 20(1), 2001.
17. Gawron W, Pospiech L, Orendorz FK, Noczynska A. Are there any disturbance in vestibular organ of children and young adults with Type I diabetes? Diabetologia. 45(5), 2002.
18. Scherer LP, Lobo M. Pesquisa do nistagmo e vertigem de posio e avaliao eletronistagmogrfica em um grupo de indivduos portadores de diabetes mellitus tipo I. CO.111. In: Anais do 17. EIA - Encontro Internacional de Audiologia. Bauru, 2002.
19. Davis H, Silverman RS. Hearing and deafness. 4.ed. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1970.
20. Ganana MM, Caovilla HH, Munhoz MSL, Silva MLG. Etapas da equilibriometria. In: Caovilla HH, Ganana MM, Munhoz MSL, Silva MLG. Equilibriometria Clnica (Srie Otoneurolgica). So Paulo: Atheneu, 1999.
21. Fogaa SC, Walber CA. Doenas do labirinto. Rev. Med. Hosp. So Vicente de Paulo. 7(17): 10-4, 1995.
22. Silva MLG, Munhoz MSL, Ganana MM, Caovilla HH, Ganana CF. Labirintopatias de origem metablica. In: Silva MLG, Munhoz MSL, Ganana MM, Caovilla HH. Quadros clnicos otoneurolgicos mais comuns (Srie Otoneurol gica). So Paulo: Atheneu; 2000, p.37-45.

* Especializanda em Audiologia Clnica pela Irmandade da Santa Casa de Misericrdia de So Paulo.
** Orientadora: Mestre em Distrbios da Comunicao Humana pela UNIFESP, Responsvel pelo Ambulatrio de Otoneurologia da Irmandade da Santa Casa de Misericrdia
de So Paulo.

Trabalho de monografia apresentada Irmandade da Santa Casa de Misericrdia de So Paulo para obteno do Ttulo de Especialista em Audiologia Clnica, So Paulo,
2003.
Trabalho realizado no Setor de Otoneurologia do Departamento de Otorrinolaringologia da Irmandade da Santa Casa de Misericrdia de So Paulo.
Endereo para correspondncia: Fga. Juliana Rollo Fernandes . Rua lvaro Alvim, 84 . Santos / SP . CEP 11040-130 . Telefone: (13) 32271530 . E-mail:
juliana_fono@zipmail.com.br / jurollo@terra.com.br
Artigo recebido em 3 de maio de 2004. Artigo aceito em 2 de julho de 2004.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024