Title
Search
All Issues
7
Ano: 2007  Vol. 11   Num. 4  - Out/Dez Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Sinais e Sintomas Associados Otalgia na Disfuno Temporomandibular
Signs and Symptoms Associated to Otalgia in Temporomandibular Disorder
Author(s):
Luiz Alberto Alves Mota1, Ktia Maria Gomes de Albuquerque2, Maria Helosa Pedrosa Santos3, Renata de Oliveira Travassos3
Palavras-chave:
Otalgia. Disfuno. Articulao temporomandibular.
Resumo:

Introduo: A otalgia pode decorrer de causas otolgicas, como otite externa, otite mdia, mastoidite, assim como de causas no otolgicas. Especula-se que as disfunes temporomandibulares (DTM) sejam uma das causas mais comuns de otalgia por motivo no-otolgico. Objetivo: Verificar a freqncia de possveis sinais e sintomas associados otalgia decorrentes de DTM. Forma de Estudo: descritivo e transversal. Casustica e Mtodo: Trata-se de um estudo com 21 pacientes todos voluntrios que concordaram em participar, portadores de otalgia e DTM, atendidos no ambulatrio de Otorrinolaringologia de um hospital pblico. Eles foram submetidos a anamnese, exame otorrinolaringolgico, exame das articulaes temporomandibulares (ATM), audiometria tonal limiar, imitanciometria, exame odontolgico para confirmar o diagnstico de DTM e responderam a questionrio sobre sinais e sintomas de DTM. Resultados: Houve predomnio do gnero feminino e os sintomas mais freqentemente encontrados foram: percepo de sons articulares (95,2%), zumbidos (81%), plenitude auricular (independente do estado de repouso ou movimentao da ATM) (81%), sensao de mandbula "presa ou travada" (52,4%), dor ou dificuldade para abrir a boca (33,3%), tonturas (26,8%), dificuldade para ouvir as pessoas (14,3%) e perda do equilbrio (9,5%). Na avaliao audiomtrica houve predomnio de exames normais em relao aos alterados. Concluso: Os sintomas mais freqentemente associados com otalgia e DTM foram percepo de sons articulares, zumbidos e plenitude auricular.

INTRODUO

A otalgia pode decorrer de causas otolgicas, como otite mdia, otite externa, mastoidite, ou de fatores no otolgicos, que incluem condies dentrias, tonsilites, neoplasias, neuralgias e disfunes da articulao temporomandibular (DTM) (1). Especula-se que as DTM sejam uma das causas mais comuns de otalgia por motivo no-otolgico (2,3).

As DTM, tambm chamados de distrbios craniomandibulares, constituem um conjunto de doenas que afetam no apenas as articulaes temporomandibulares (ATM), mas tambm reas extrnsecas s articulaes (1,4,5).

Os sintomas da DTM podem manifestar-se principalmente como estalos ou crepitao, dificuldade de abrir ou fechar a boca e dor, que pode se irradiar para vrias reas da cabea e pescoo, como as regies temporais, occipital, frontal, cervical, pr-auriculares e auriculares.

Muitos pacientes queixam-se de sintomas auditivos associados dor e disfuno das ATM, sendo otalgia, zumbido, plenitude auricular, tontura ou vertigem e perda auditiva subjetiva os mais comumente relatados (6,7,8,9).

Muitas hipteses tm surgido para explicar a correlao entre sintomas auditivos e alteraes temporomandibulares (1,5).

Estudos embriolgicos sugerem a existncia de aspectos que podem contribuir para a relao entre sintomas auditivos e DTM. A mandbula e os ossculos da orelha mdia tm a mesma origem embriolgica, na cartilagem de Meckel, o que poderia explicar as vrias malformaes da orelha mdia associadas a alteraes mandibulares, assim como a anatomia e biomecnica da ATM, as quais esto intimamente relacionadas com estruturas e funes aurais (1).

A presso produzida pelo deslocamento distal e posterior do cndilo mandibular sobre o nervo aurculotemporal e estruturas da orelha, especialmente sobre a tuba auditiva, pode ser responsvel por alguns sinais e sintomas auditivos que caracterizam as DTM. Dentre esses sinais e sintomas, os mais comuns so: sensao de plenitude auricular, zumbido, otalgia e vertigem com nistagmo. O conjunto dessas alteraes musculares, articulares e auriculares foi chamado de "Sndrome de Costen" (10).

Em 1962, na tentativa de esclarecer as causas das alteraes auriculares, foi descrita uma delicada conexo entre o pescoo, processo anterior do martelo, cpsula e meniscos das ATM e ligamento esfenomandibular, denominada conexo cranial do ligamento timpanomandibular, que seria capaz de mover o martelo durante a trao da cartilagem articular da ATM (11). Tambm foi descoberto um ligamento que comunica o cndilo e o disco da articulao temporomandibular (ATM) com a orelha mdia no martelo, lateralmente ao nervo corda do tmpano (9).

Por outro lado, em 1992, postulou-se que a dor de ouvido pode ser na realidade dor da prpria ATM sentida em posio mais posterior. A proximidade entre as estruturas articular e da orelha, a herana filogentica similar e o trajeto da inervao podem confundir o paciente no momento de localizar a dor (4).

Outros autores acreditam que a dor pode ser produzida por hipercontrao e hiperestiramento do msculo pterigideo lateral, que leva hipertonia do msculo tensor do tmpano, sendo essa dor quase sempre referida em uma regio diferente e distante do local de origem (9).

Visando contribuir com aspectos referentes DTM, este estudo teve como objetivo verificar a freqncia de possveis sinais e sintomas associados otalgia decorrentes de DTM.


CASUSTICA E MTODO

Participaram do estudo 21 voluntrios portadores de otalgia e suspeita clnica de DTM, includos medida que eram atendidos e selecionados no ambulatrio de Otorrinolaringologia de um hospital pblico da cidade do Recife /PE, sendo 18 (81%) do gnero feminino e 3 (19%) do gnero masculino, com idades variando de 18 a 65 anos.

Todos assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Anexo 1), aprovado pelo Comit de tica em Pesquisa do Hospital Universitrio Oswaldo Cruz (sob o n 28058).




Os critrios de incluso dos voluntrios na pesquisa foram: apresentar queixa de otalgia e, no exame clnico realizado pelo otorrinolaringologista, sinais e sintomas que permitissem diagnostic-los como possveis portadores de disfuno temporomandibular (DTM).

Foram excludos do estudo os portadores de otite externa e/ou mdia ou infeco de vias areas superiores, mesmo que apresentassem DTM. Assim como aqueles que apresentassem suspeita de DTM sem otalgia.

Os voluntrios foram submetidos a anamnese e exame otorrinolaringolgico, exame das ATM, audiometria tonal liminar e imitanciometria alm de responderem a um questionrio sobre sinais e sintomas de DTM (Anexo 2).




Todos foram submetidos anamnese e exame odontolgico para confirmar o diagnstico de DTM. O diagnstico funcional foi realizado em trs fases: anamnese, exame fsico atravs da palpao e da ausculta, e exames complementares para anlise de ocluso e por imagens (12). Uma vez que a viso deste estudo otorrinolaringolgica, no foi includa a metodologia empregada no diagnstico da DTM.

A audiometria tonal visou obter os limiares auditivos por conduo (ou via) area e ssea. O equipamento utilizado nessa avaliao foi o audimetro Interacoustics AC40. A audiometria por via area foi realizada nas freqncias de 250, 500, 1K, 2K, 3K, 4K, 6K e 8K Hz em uma orelha e na outra e, se os resultados fossem maiores que 25 dBNA, realizava-se a audiometria por via ssea.

Nesse tipo de avaliao, foram pesquisados os limiares auditivos nas freqncias de 500 a 4K Hz.

A classificao da mnima audibilidade considerada normal 25 dBNA em todas as freqncias testadas, segundo orientao do Conselho Federal de Fonoaudiologia (13).

O funcionamento e a integridade da orelha mdia foram tambm analisados pela imitanciometria, alm da via do reflexo do estapdio. O equipamento Interacoustics AZ7 foi utilizado para realizar as medidas da timpanometria e a pesquisa do reflexo do estapdio. Caso ocorressem alteraes que indicassem doena na orelha mdia, o(a) voluntrio(a) seria excludo(a) do estudo.

Considerou-se que os indivduos seriam normais se apresentassem a curva timpanomtrica "A" (segundo a classificao de Jerger), caracterizada por um pico mximo ao redor de 0 (zero) daPa de presso. Quanto pesquisa do reflexo do estapdio, a sua presena foi um elemento essencial para se considerar normal a orelha mdia do voluntrio (14).

Aps a avaliao dos resultados dos exames audiolgicos e do diagnstico de DTM, todos os voluntrios foram encaminhados para tratamento odontolgico.


RESULTADOS

Houve diagnstico odontolgico de DTM em todos os voluntrios selecionados.

Houve predomnio do gnero feminino sobre o masculino, encontrando-se entre eles uma relao de 6:1.

Os sinais e sintomas associados otalgia referidos pelos voluntrios em ordem decrescente foram: percepo de sons articulares, zumbido, sensao de plenitude auricular (independente do estado de repouso ou movimentao da ATM), sensao de mandbula "presa" ou travada (observada ou no pelo examinador), dor ou dificuldade para abrir a boca (observada pelo examinador), tontura, dificuldade para ouvir as pessoas e perda do equilbrio (referidos pelo paciente e/ou observada pelo examinador), conforme exposto na Tabela 1.




Na avaliao audiolgica verificaram-se exames normais em 18 (85,7%) casos e em 3 (14,3%) constatou-se perda auditiva sensorioneural.

Dentre os que apresentaram avaliao audiolgica normal (85,7%), os sinais e sintomas associados foram: percepo de sons articulares, sensao de zumbido e plenitude auricular, dor ou dificuldade para abrir a boca, sensao de mandbula "presa" ou travada, tontura, dificuldade para ouvir as pessoas e perda do equilbrio, conforme exposto na Tabela 2.




DISCUSSO

Apesar do no pareamento do gnero e a faixa etria ampla, verificou-se predomnio da otalgia em portadores de DTM do gnero feminino, em comparao com o masculino, deve-se provavelmente maior absoro do estresse emocional pela mulher, o que leva a uma diminuio do nvel de tolerncia fisiolgica e aumento da hiper-atividade muscular, produzindo desequilbrio funcional (7,15,16,17).

A presena de rudos articulares (95,2%) no est necessariamente associada aos DTM, uma vez que tais rudos podem ocorrer em uma doena articular assintomtica chamada "ATM adaptada" (11).

O predomnio de zumbidos (81%) neste estudo relevante e est de acordo com outros estudos j realizados (18). De qualquer forma, necessrio ter cautela ao interpretar tal dado, visto que o zumbido subjetivo pode ser causado no apenas por DTM, mas tambm pode ser conseqente a doenas da orelha interna ou sistema nervoso central com ou sem perda auditiva (11).

A sensao de plenitude auricular e a tontura podem ser explicadas pelo deslocamento condilar posterior e distal, que produz presso direta sobre o nervo aurculotemporal sobre as estruturas da orelha e especialmente sobre a tuba auditiva (10).

Em relao avaliao audiolgica, a maior freqncia de resultados dentro dos padres de normalidade sugere que os sintomas otolgicos no refletem necessariamente as condies das orelhas (externa, mdia e interna) verificadas no exame clnico e audiolgico (16). Constatou-se nas trs avaliaes alteradas perda auditiva sensorioneural, a qual pode ser atribuda presbiacusia (17).

Finalmente, verificou-se que as DTM freqentemente vm associadas a sintomas otorrinolaringolgicos, requerendo acompanhamento interdisciplinar para o alvio dos sintomas (6,11,18-22).


CONCLUSO

Os sintomas otolgicos mais comumente associados otalgia e DTM foram: percepo de sons articulares, zumbido e plenitude auricular.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Pavan N. Otalgia e distrbio temporomandibular. Centro integrado de diagnstico e tratamento de pacientes com dor orofacial e DTM. Disponvel em http://www.dtm.odo.br.

2. Dworkin SF, Huggins KH, Leresche L, Van Korff M, Howard J, Truelove E, Sommers E. Epidemiology of symptoms in temporomandibular disorders: clinical sings in cases and controls. J Am Dent Assoc 1990;120(3):273-281.

3. Keersmaekers K, De Boever JA, Van Den Berghe L. Otalgia in patients with temporomandibular disorders. The J of Prosthetic Dentistry, 1996;75:72-6.

4. Tuz HH, Onder EM, Kisnisci RS. Prevalence of otologic complaints in patients with temporomandibular disorder. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2003;123:620-3.

5. Seedorf H, Jude HD. Otalgia as a result of certain temporomandibular joint disorders. Laryngorhinootologie; 2006;85(5):327-32. {Medline}

6. Lam DK, Lawrence HP, Tenenbaum HC. Aural symptoms in temporomandibular disorders patients attending a craniofacial pain unit. J. Orofac. Pain. 2001;15(2):146-157.

7. Bruto LH, Ks AOA, Amado SM, Monteiro CR, Limam, A.T. Alteraes otolgicas nas desordens temporomandibulares. Rev. Bras. Otorrinolaringol., 2000;66:327-32.

8. Gutirrez JXD, Gomez MVSG, Jurado JP, Bento RF, Ching LH, Siqueira JTT. Sinais e sintomas auditivos nas alteraes biomecnicas da articulao tmporo-mandibular. Arq. Fund. Otorrinolaringol., 2001;5(2):70-76.

9. Okeson JP. Fundamentos de ocluso e desordens temporomandibulares. 2 ed, So Paulo, Artes Mdicas, 1992;163-222.

10. Costen JB. Neuralgias and Ears Symptoms associated with disturbed function of the temporomandibular joint. J. Amer. Med. Ass, 1936;7(4):252-55.

11. D'Antonio WEPA, Ikino CMY, Castro SM, Balbani APS, Jurado JRP, Bento RF. Distrbio temporomandibular como causa de otalgia: um estudo clnico. Rev. Bras. Otorrinolaringol, 2000; 66:46-49.

12. Bumann A, Latzman U. Disfuno temporomandibular, diagnstico funcional e princpios teraputicos. Porto Alegre. Artmed; 2002;7-53.

13. Conselhos de Fonoaudiologia. Manual de orientao ao fonoaudilogo que atua na rea da audiologia. Disponvel em: . Acesso em: 12 nov. 2007.

14. Lopes Filho O. Imitncia acstica: aplicaes clnicas. In: ______ (Ed.). Tratado de fonoaudiologia. 2. ed. Ribeiro Preto, SP: Tecmedd, 2005;173-190.

15. Barnet IR, Dominguez F, Lzaro M, Hunnigan M, ngela F, Cruz R, Ramn A. Frecuencia y sintomatologia de las disfunciones temporomandibulares.Rev. Cuba Ortod, 1998;13(1):7-12.

16. Ferreira EAG, Marques A P, Matsutani LA, Vasconcelos EG, Mendona LLF de. Avaliao da dor e estresse em pacientes com fibromialgia. Rev. Bras. Reumatol. 2002;42(2), 104-110.

17. Teixeira ACB, Marcucci GL, Cerqueira JG. Prevalncia das malocluses e dos ndices anamnsicos e clnicos, em pacientes com disfuno da articulao temporomandibular. Rev. Odontol. Univ. So Paulo, 1999;13(3), 251-256.

18. Manfredi APS, Silva AA da, Vendite LL. Avaliao da sensibilidade do questionrio de triagem para dor orofacial e desordens temporomandibulares recomendado pela Academia Americana de Dor Orofacial. Rev. Bras. Otorrinolaringol; 2001.67;763-68.

19. Felcio CM, Faria TG, Silva MAMR, Aquino AMCM, Junqueira CA. Desordem temporomandibular: relao entre sintomas otolgicos e orofaciais. Rev. Bras. Otorrinolaringol, 2004;70:787-95.

20. Hungria H. Otorrinolaringologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000;443-447.

21. Peroz I. Otalgia and tinnitus in pacients with craniomandibular dysfunctions. HNO, 2001;49(9):713-8. {Medline}

22. Wright EF, Syms CA, Bifano SL. Tinnitus, Dizzness and Nonotologic Otalgia Improvement Throught Temporomandibular Disorder Therapy. Military Medicine, 2000;165,(10):733-736.







1 - Mestrado. Professor Assistente de Otorrinolaringologia.
2 - Mestre em Cincias da Linguagem pela UNICAP (Fonoaudiloga do Hospital Agamenon Magalhes).
3 - Acadmica do 9 perodo de Medicina da UPE.

Instituo: Hospital Universitrio Oswaldo Cruz (HUOC) - Rua Arnbio Marques, 310, Santo Amaro, Recife-PE, CEP 50100-130.

Endereo para correspondncia: Luiz Alberto Alves Mota - Rua Venezuela, 182 - Espinheiro - Recife / PE -CEP 52020-170 - Telefone: (81)32227060
E-mail: luizmota10@hotmail.com

Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gesto de Publicaes) da R@IO em 18 de agosto de 2007. Cod. 302. Artigo aceito em 23 de novembro de 2007.





  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2023