Title
Search
All Issues
7
Ano: 2010  Vol. 14   Num. 2  - Abr/Jun
DOI: 10.7162/S1809-48722010000200007
Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Triagem de Pacientes para Implante Coclear atravs de Questionrio On-line. Perfil do Grupo de Pacientes Pr e Peri Linguais No Convocados
Screening of Patients for Cochlear Implant Through a Questionnaire Online. GroupProfile of Patients Pre-and Peri lingual Not Summoned
Author(s):
Aquiles Figueiredo Leal1.
Palavras-chave:
seleo de pacientes, questionrios, implante coclear.
Resumo:

Introduo: Facilitar o acesso a centros especializados e selecionar corretamente pacientes que procuram o implante coclear so etapas fundamentais para uma reabilitao adequada. Objetivo: Descrever o perfil do grupo de pacientes pr e peri linguais no convocados para avaliao em um servio de implante coclear. Mtodo: Estudo retrospectivo que avaliou 401 questionrios de pacientes pr e peri linguais, cadastrados no site da Central Brasileira de Implante Coclear. Para a no convocao destes pacientes foram utilizados critrios aplicados algumas variveis como: Idade, uso de aparelho auditivo, terapia fonoaudiolgica, tempo de surdez, caractersticas da progresso da perda auditiva e tipo de comunicao utilizada pelo paciente. Resultados: O grupo de pacientes com surdez pr e peri lingual correspondeu a 34% do total questionrios preenchidos no perodo analisado. A distribuio pela faixa etria constatou que 54% dos pacientes estavam acima dos 17 anos, 30% entre 9 e 17 anos, e o restante abaixo dos 9 anos. O tempo de surdez foi maior que 20 anos em 50% dos pacientes, entre 10 e 20 anos em 32%, entre 5 e 10 anos em 9% e entre 0 e 5 anos em 9%. Em relao a realizao de reabilitao fonoaudiolgica 58% dos pacientes j haviam realizado e 42% no. Em relao ao modo de comunicao 49% apresentaram comunicao global, 18% LIBRAS, 6% comunicao oral, 26% nenhuma comunicao. Concluso: Idade avanada, tempo de surdez elevado, modo de comunicao predominantemente no oral e a falta de reabilitao fonoaudiolgica foram determinantes para a no convocao destes pacientes.

INTRODUO

A perda auditiva no adequadamente conduzida pode ocasionar prejuzos de linguagem, cognio, emocionais, sociais e educacionais.

O implante coclear (IC) proporciona aquisio e desenvolvimento das habilidades auditivas e de linguagem, e o seu uso pode diminuir o impacto da surdez em todos os seus aspectos (1).

A seleo de pacientes para o IC motivo de inmeras pesquisas que tm ampliado as situaes nas quais se observam benefcios para o paciente e a melhor indicao ocorre em perdas auditivas bilaterais sem ganho funcional adequado com aparelho de amplificao sonora individual (AASI) (1, 2, 3).

As atividades relacionadas ao IC ganharam impulso significativo em nosso pas na dcada de 90 e alguns grupos optaram por atender todas as causas de surdez, sem restries em relao faixa etria e ao local de origem dos pacientes, estendendo este benefcio a todo o territrio nacional (4). Ainda assim, um elevado nmero de pessoas com perda auditiva permanece sem qualquer informao sobre as possibilidades teraputicas disponveis e tambm no procuram opes de reabilitao fonoaudiolgica, essenciais para reabilitao adequada.

A correta seleo de pacientes um dos grandes desafios para a realizao de ICs. Este processo envolve tecnologia de custo elevado, necessidade de profissionais especializados e a observao de todas as etapas da avaliao (2, 3). Tratando-se de um procedimento relativamente novo em nosso meio existe um grande nmero de encaminhamentos inadequados para os servios especializados em implante coclear, retardando a avaliao e reabilitao de pacientes que teriam benefcios reais com o uso do implante (1, 2, 3).

Com base neste panorama foi colocado em funcionamento o site do Implante Coclear (www.implantecoclear.org.br) em 2006 com intuito de universalizar o acesso aos que necessitam de um servio de referncia em implante coclear, selecionar os pacientes que possuem critrios mnimos de indicao para avaliao como candidato ao implante coclear, evitar a gerao de consultas e deslocamentos desnecessrios e reduzir custos para o hospital, para o prprio paciente e para o Sistema nico de Sade (SUS). As etapas para a seleo ou recusa dos pacientes esto apresentadas no fluxograma Figura 1.

Os objetivos deste trabalho so:

1) Descrever o perfil do grupo de pacientes com surdez pr e peri lingual que no foram convocados para avaliao pelo Grupo de Implante Coclear e analisar os principais motivos que contriburam para a no convocao.

2) Avaliar o uso do questionrio, sua abrangncia e aplicao como instrumento de seleo de pacientes que procuram um servio especializado em implante coclear.


MTODO

O questionrio elaborado de acordo com o Protocolo Latino Americano para Implantes Cocleares (5), Protocolo HC-FMUSP (6) e a experincia adquirida atravs da Central Brasileira de Implante Coclear (CBIC) dividido em cinco partes: identificao, trs partes de perguntas relacionadas ao histrico auditivo, educacional e de comunicao (Anexo 1) e uma rea destinada descrever e anexar laudos dos exames e consideraes adicionais.

Para o preenchimento do questionrio recomendado o auxlio do responsvel, de preferncia mdico e/ou fonoaudiolgico, pelo acompanhamento do caso. Aps a anlise dos questionrios pelos mdicos membros da CBIC optado pela convocao ou no convocao do paciente.

No perodo entre maro de 2006 e novembro de 2007, mil cento e cinquenta e oito pacientes acessaram o site e preencheram o questionrio. Deste total, 401 pacientes com surdez pr e peri lingual no foram convocados para a avaliao como candidatos ao implante coclear.

Os critrios adotados para convocao ou recusa dos pacientes pr e peri linguais para a primeira consulta foram estabelecidos utilizando critrios preconizados na literatura nacional e internacional e tambm na experincia da CBIC. Deste modo, para a no convocao dos pacientes pr e peri linguais com idade inferior a 3 anos foram adotados os seguintes critrios: preenchimento inadequado do questionrio, perda auditiva no compatvel, perda auditiva unilateral e impossibilidade anatmica. Em relao aos pacientes na faixa etria de 3 a 9 anos, exclusive, alm dos critrios j citados acrescentou-se a reabilitao inadequada e a linguagem inadequada como critrios de no convocao. Para os pacientes com idade igual ou maior a 9 anos o fato de no estar reabilitado pelo mtodo auri-oral constituiu um critrio independente de no convocao alm dos j citados anteriormente (1,2,3,5,6,7,8).

Os dados obtidos a partir dos questionrios foram armazenados em um banco de dados criado no software Microsoft Office Excel 2003.

As variveis includas no banco de dados e utilizadas para a anlise de todos os pacientes foram: nmero do paciente automaticamente gerado no cadastro, data de acesso, nome, sexo, idade no cadastro, escolaridade, estado ou pas de origem, uso de aparelho de audio, terapia fonoaudiolgica, tipo de comunicao utilizada pelo paciente, idade no incio da surdez, tempo de surdez, etiologia, caracterstica da progresso da perda auditiva, antecedentes individuais e categoria de linguagem do paciente.

A anlise estatstica do grupo de pacientes pr e peri linguais no convocados foi realizada por um mdico otorrinolaringologista que no participou da seleo inicial, quando era decidido sobre a convocao ou no dos pacientes.

Anlise dos dados

A incluso dos pacientes na categoria de linguagem dos pr e peri linguais baseou-se na idade de incio da surdez. Deste modo foram considerados pacientes pr linguais aqueles com idade de incio da surdez variando de 0 a 2 anos e peri linguais aqueles com idade de incio da surdez variando entre 2 e 4 anos. As respostas obtidas relativas s perguntas 4, 5, 6 e 12 foram utilizadas para estabelecer a diferenciao do modo de comunicao utilizado pelo paciente entre: nenhuma comunicao, libras, comunicao oral e comunicao global (8). Conforme a linguagem apresentada pelos pacientes com idade igual ou superior a 3 anos classificou-se como adequada os casos de pacientes com comunicao estabelecida ou predominantemente pelo mtodo aural/oral e inadequada nos demais tipos de comunicao (Anexo 1).

No critrio impossibilidade anatmica considerou-se os casos de malformaes e/ou agenesias de cclea e nervo auditivo e ossificaes cocleares com permeabilidade ausente de acordo com os dados fornecidos pelos pacientes na rea destinada aos laudos de exames. Os casos de perdas auditivas leves e moderadas, perdas condutivas e perdas auditivas unilaterais foram caracterizados como perdas auditivas no compatveis.

Em relao realizao de reabilitao fonoaudiolgica, foi considerado como inadequada os casos em que no estava sendo feito um acompanhamento fonoaudiolgico; quando este estava sendo realizado de maneira irregular e nas situaes que o paciente relatou j ter feito algum tipo de reabilitao, mas encontrava-se sem tratamento por vrios anos. Neste ponto, para a obteno de anlise mais detalhada da reabilitao do paciente, foram avaliados tambm o uso de aparelho auditivo, o tipo de comunicao utilizada pelo paciente, tempo de surdez e a idade no cadastro.


RESULTADOS

Dos 1158 pacientes que acessaram o site no perodo analisado 34% correspondem o grupo de pacientes com surdez pr e peri lingual que no foram convocados para a avaliao.

A idade mdia dos pacientes pr e peri linguais no momento do cadastro no site foi de 23,6 anos.

Apenas 1% dos acessos foram de pacientes com perdas auditivas no compatveis.

Os dados epidemiolgicos em relao ao gnero, local de origem, escolaridade, etiologia, categoria de linguagem e progresso da perda auditiva esto descritos na Tabela 1.

A distribuio pela faixa etria constatou que 54% dos pacientes estavam acima dos 17 anos, 30% entre 9 e 17 anos, 15% entre 3 e 9 anos e 1% entre 0 e 3 anos. O tempo de surdez foi maior que 20 anos em 50% dos pacientes, entre 10 e 20 anos em 32%, entre 5 e 10 anos em 9% e entre 0 e 5 anos em 9% (Grficos 1 e 2).

Acima de 80% dos pacientes responderam estar fazendo ou j ter feito uso de aparelho de amplificao sonora individual e 19% responderam nunca ter feito uso. J em relao a realizao de reabilitao fonoaudiolgica 58% dos pacientes j haviam realizado e 42% dos pacientes nunca experimentaram algum tipo de reabilitao (Grficos 3 e 4).

O tipo de comunicao utilizada pelos pacientes, de acordo com as respostas obtidas nas perguntas 4, 5, 6 e 12 do questionrio, revelam 49% com comunicao global, 18% com uso de LIBRAS, 6% com comunicao oral, 26% com nenhum tipo de comunicao e 1% no responderam (Grfico 5).



Figura 1. Fluxograma.









DISCUSSO

Aspecto relevante encontrado neste estudo foi a importncia, em termos de abrangncia, do uso de um questionrio mdico on line. Dentro da amostra analisada ocorreram acessos ao site, com o preenchimento do questionrio, por pacientes de todos os estados brasileiros, exceto Alagoas. Ocorreu tambm acesso de um paciente residente no exterior. Isto evidencia que, de qualquer regio do pas possvel acessar o site do implante coclear. Poucos foram os casos de pacientes com perdas auditivas no compatveis que preencheram o questionrio e isto se deve, pelo menos em parte, s informaes disponveis no site em relao aos tipos de perdas auditivas e os critrios de indicao para o implante coclear.

Uma parcela considervel dos pacientes preencheram o questionrio (34%) constituiu o grupo dos pacientes com surdez pr e peri linguais sem critrios mnimos para a convocao.

A idade mdia dos pacientes, com surdez pr e peri lingual, de 23,6 anos demonstra o predomnio de uma populao adulta deste grupo que procurou um servio de IC. O que reflete a dificuldade encontrada pela populao do pas, para o acesso precoce aos centros especializados no tratamento e reabilitao de pacientes com perda auditiva e tambm o desconhecimento deste mtodo de reabilitao por grande parte da populao brasileira e profissionais de sade (4). Apenas 1% dos pacientes deste grupo estavam na faixa etria entre 0 e 3 anos e dentro desta faixa etria que encontram-se os pacientes pr e peri linguais com maiores potenciais de benefcio com o IC (2,7).

DETTMAN et al. ( 2004 ) considerou que os principais fatores que levam aos melhores resultados com o implante coclear seriam: a menor idade implantao, menor durao da perda auditiva, maior audio residual pr-implante, uso de tecnologia atual de processamento de fala e modo de comunicao enfatizando a abordagem aural/oral (9).

KIRK ( 2000 ) considera que o grupo de adolescentes com perda auditiva pr e peri lingual o grupo mais difcil de determinar se o implante coclear ou no indicado do ponto de vista audiolgico e que adultos com perda auditiva pr lingual no so bons candidatos ao IC, principalmente se no foram reabilitados corretamente para obter um comunicao oral (10). E foi justamente o grupo de pacientes pr e peri linguais acima de 17 anos o mais representativo em nmero de pacientes no presente trabalho.

Critrios para a seleo e recusa de pacientes para realizao do implante coclear esto em mudana constante medida que as pesquisas avanam (11,12). Qualquer paciente com perda auditiva severa e/ou profunda que no se beneficia com o uso de AASI e no tenha contra indicaes mdicas ou psicolgicas para o uso do dispositivo, pode ser um potencial candidato ao IC (3,7,11). Entretanto o grupo de implante coclear depende de uma equipe de mdicos, fonoaudilogos, psiclogos e assistentes sociais treinados, espao fsico e material especializado para a realizao de consultas, exames e acompanhamento pr e ps operatrio e dispe de um nmero limitado de salas de cirurgias apropriadas para a instalao do dispositivo, na instituio em que so realizados os implantes. Deste modo buscou-se ao estabelecer os critrios de seleo ou recusa dos pacientes para a primeira consulta, uma maneira eficiente de determinar quais pacientes so candidatos com potenciais de serem beneficiados com o IC e evitar a convocao dos casos em que a anlise do contedo do questionrio demonstra claramente pouca ou nenhuma chance de benefcio com o IC.

Critrios para a seleo de candidatos ao IC variam de acordo com cada servio, podendo estar limitados a uma faixa etria pr estabelecida ou serem mais amplos como os deste grupo de implante coclear que tem como idade mnima para o procedimento 6 meses e como mxima a maior idade possvel em que se verificam potenciais benefcios com o uso do dispositivo (2,3,4,11).

Em 2001 o Grupo Latino-Americano de Investigao em Implante Coclear sintetizou os seguintes critrios de seleo para adolescentes e adultos pr e peri linguais (5):

- perda auditiva neurossensorial profunda bilateral com aproveitamento limitado do AASI: limiares com AASI iguais ou maiores que 65 dB HL;

- escores limitados em prova de percepo de fala em conjunto fechado;

- reabilitao prvia para aproveitamento dos resduos auditivos com desenvolvimento e domnio das habilidades comunicativas orais e uso constante de AASI;

- nenhuma contra-indicao psicolgica, mdica ou otolgica.

No grupo de pacientes pr e peri linguais estudado, observa-se um predomnio de 54% dos pacientes com idade acima de 17 anos seguidos por 30% na faixa entre 9 e 17 anos, juntamente foi demonstrado que: 42% dos pacientes deste grupo no realizaram nenhum tipo de reabilitao fonoaudiolgica efetiva, 49% desses pacientes apresentaram um padro de comunicao global e 50% dos pacientes possuam tempo de surdez maior que 20 anos. Este cenrio contribuiu para a opo da no convocao destes pacientes e ocorre devido falta de centros de reabilitao nos locais de origem dos pacientes e s dificuldades do acesso precoce a um servio especializado em reabilitao e tratamento de pacientes com deficincia auditiva.

Entre as respostas dos pacientes pergunta 2 do questionrio, item b1 sobre os motivos pelo qual eles no estavam reabilitados corretamente ou no realizavam algum tipo de reabilitao foram citados: a falta de recursos, a falta de informao e a inexistncia de servios de reabilitao fonoaudiolgica prximos dos locais de origem. Em contraste com os dados que refletem a reabilitao inadequada a indicativa de que 81% dos pacientes estavam fazendo ou j fizeram uso de AASI mostra que o acesso a este tipo de aparelho j ocorre na maior parte do territrio nacional, cabendo aos responsveis pela implantao de melhorias da Poltica Nacional de Ateno Sade Auditiva a propagao de centros de diagnstico e reabilitao auditiva em todo o territrio nacional.

Entre as causas de surdez relatadas, o fato de 42% dos pacientes desconhecerem o motivo da perda auditiva reflete novamente a dificuldade encontrada para receber tratamento e orientao otorrinolaringolgica adequada. Este dado, est de acordo com a literatura mundial sobre as causas desconhecidas e levanta a questo sobre as causas genticas que so responsveis por uma proporo dos casos de surdez sem etiologia esclarecida as quais podem ser melhor conduzidas atravs do aconselhamento gentico familiar adequado.

Dentre as causas conhecidas, a constatao de que a rubola seguida pela meningite foram as etiologias mais relatadas, aponta para a elevada incidncia que estas duas doenas ainda apresentam na populao com algum tipo de perda auditiva. O que levanta a questo cerca das polticas adotadas no pas para a preveno de doenas infecciosas. Importante salientar que uma das metas da Organizao Pan-Americana da Sade (OPAS) e da Organizao Mundial da Sade (OMS) estabelecida em 2003 prope a eliminao da rubola e da sndrome da rubola congnita nas Amricas at 2010. Em 2008 o Brasil realizou a campanha de vacinao contra rubola desta vez incluindo homens e grupos suscetveis remanescentes, de acordo com a 27 Conferncia Sanitria Pan-Americana realizada em outubro de 2007 em Washington, DC, EUA.



Grfico 1. Idade.




Grfico 2. Anos de surdez.




Grfico 3. Uso de aparelho de amplificao sonora individual.




Grfico 4. Reabilitao fonoaudiolgica.




Grfico 5. Linguagem.



CONCLUSO

A anlise das respostas ao questionrio do site do Implante Coclear permitiu as seguintes concluses:

- o site demonstrou ser um instrumento auxiliar abrangente, disponibilizando o acesso a um servio de implante coclear para a populao brasileira;

- grande parte dos pacientes que procuraram o servio especializado em implante coclear formada por pacientes pr e peri linguais que no apresentam critrios mnimos de indicao;

- no grupo de pacientes pr e peri linguais a idade avanada associada com o tempo de surdez elevado, modo de comunicao predominantemente no oral e a falta de reabilitao fonoaudiolgica adequada foram determinantes para a no convocao.

- o questionrio demonstrou ser um mtodo de seleo aplicvel para pacientes que procuram um servio de implante coclear.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Goffi Gomez MVS, et al. Critrios de Seleo e avaliao mdica e audiolgica dos candidatos ao Implante Coclear: Protocolo HC-FMUSP. Arq. Otorrinolaringol. 2004, 8(4):303-323.

2. Costa F AO, Bevilacqua MC, Moret ALM. Critrios de seleo de crianas candidatas ao implante coclear do hospital de pesquisa e reabilitao de leses lbios-palatais - USP. Rev Bras Otorrinol. 1996, 62(4):306-313.

3. Bento RF, Sanchez TG, Brito RV. Critrios de indicao de implante coclear. Arq. Otorrinolaringol. 1997, 1(2):66-7.

4. Bento RF, Miniti A, Lerner A, Sanchez TG, Oshiro MS, Campos MI et al. O implante coclear FMUSP-1: apresentao de um programa brasileiro e seus resultados preliminares. Rev Bras Otorrinol. 1994, 60:Suplemento 1.

5. Protocolo Latino Americano para Implantes Cocleares. Elaborado pelo Grupo de Pesquisas Latino-americano. Cochlear Amricas, 2003.

6. Goffi Gomez MVS. Programa de reabilitao fonoaudiolgica no projeto implante coclear FMUSP -1. Arq. Otorrinolaringol. 1997, 1(4): 134-7.

7. Berrruecos P. Towards a better cochlear implant candidates selection in Latin American Countries. XXV International Congress of Audiology (Abstract Book). The Hague. 27-31 August, 2000.

8. Nascimento LT. Uma proposta de avaliao da linguagem oral [monografia]. Bauru: Hospital de Pesquisa e Reabilitao de Leses lbio-Palatais, 1997. Adaptado de: Robbins AM, Osberger MJ. Meaningful use of speech scales. Indianpolis: University of Indiana School of Medicine, 1990. Arq. Otorrinolaringol., So Paulo, v.8, n.4, p. 303-323, 2004.

9. Dettman SJ, DCosta WA, Dowell RC, Winton EJ, Hill KL, Williams S. Cochlear Implants for children with significant residual hearing. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2004, 130 (May):612-618.

10. Kirk KI. Cochlear implants. new developments and results. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2000, 8:415-420.

11. Geers A, Brenner C, Davidson L. Factors associated with development of Speech perception skills in children implanted by age five. Ear Hear. 2003, 24(1):24S-35S.

12. Geers AE. Speech, Language and Reading Skills after early cochlear. Ear Hear. 2003, 24(1): 24S-35S.









1 Otorrinolaringologista Especialista pelo MEC e pela ABORL/Fellowship em Cirurgia Otolgica e da Base do Crnio. Fellow em Cirurgia Otolgica e de Base do Crnio.

Instituio: Clnica de Otorrinolaringologia Joo F. Leal. Guarapuava / PR - Brasil. Endereo para correspondncia: Aquiles Figueiredo Leal - Rua Quintino Bocaiuva, 1248 - Guarapuava / PR - Brasil - CEP: 85010-300 - Telefone: (+55 42) 3623-3861 - E-mail: jflorl@uol.com.br

Artigo recebido em 1 de Fevereiro de 2010. Artigo aprovado em 26 de Maro de 2010.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2023