Title
Search
All Issues
8
Ano: 2010  Vol. 14   Num. 3  - Jul/Set Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Questionrio de Auto-avaliao Vocal: Instrumento Epidemiolgico de Controle da Sndrome Disfnica Ocupacional em Professores
Vocal Self Assessment Questionnaire: Epidemological Control Tool of the Ocupational Dysphonic Syndrome in Professors
Author(s):
Sandra Irene Cubas de Almeida1, Paulo Pontes2, Marco Antonio Bussacos3, Luciano Neves4, Fabiana Zambon5.
Palavras-chave:
disfonia, medicina do trabalho, riscos ocupacionais, sade do trabalhador, pesquisa.
Resumo:

Introduo: A sndrome disfnica uma doena ocupacional de alta prevalncia na populao de professores. Objetivo: A fim de abordar preventivamente a agresso vocal, procurou-se padronizar um questionrio de auto-avaliao para professores de todos os nveis de ensino, incluindo alm dos sintomas clnicos tambm os fatores da organizao do trabalho. Mtodo: Foi realizado um estudo de corte transversal em 328 professores de 4 instituies de ensino da regio norte de So Paulo, aos quais aplicou-se um questionrio de auto-avaliao elaborado pela Comisso Tripartite de Normatizao para a Voz Profissional. Resultados: Determinou-se a prevalncia dos sintomas clnicos que compem a sndrome disfnica, assim como retratou-se a organizao do trabalho e qualidade de vida desta populao. Concluso: O questionrio aplicado mostrou-se satisfatrio na descrio e elaborao de parmetros com o objetivo de implementao de programas preventivos para populaes expostas sobrecarga profissional do uso da voz. Estudo de caso.

INTRODUO

A auto-avaliao do risco vocal um procedimento inicial no invasivo, integrante do arsenal de metodologia diagnstica, desenvolvida para ser aplicada ao controle epidemiolgico e/ou individual, com o objetivo de deteco precoce e preveno da sndrome disfnica ocupacional.

Sndrome disfnica ocupacional (SDO) refere-se ao conjunto de sinais e sintomas disfnicos desencadeados ou causados pelo uso da voz em atividades profissionais e que podem estar relacionados a outras causas como predisposio individual e fatores ambientais. (1)

A fase pr-patognica pode culminar na alterao permanente da emisso vocal com o estabelecimento de laringopatias e, nesses casos, denominadas laringopatias relacionadas ao trabalho.

Os sinais e sintomas da sndrome disfnica so: dor ou irritao na garganta, sensao de corpo estranho, dor cervical, necessidade de pigarrear e a rouquido sendo que medidas mdicas preventivas podero apresentar-se eficazes quando se consegue rastrear precocemente o conjunto citado. Portanto, a sndrome disfnica um sinal de alerta na qual medidas e procedimentos especficos de ampla variabilidade, de acordo com as necessidades individuais, devero ser desencadeados visando a preveno da laringopatia.

A pesquisa clnica dos sinais/sintomas constitui, por consenso internacional, recomendado pela European Laryngological Society, uma das aes obrigatrias bsicas mnimas da pesquisa em qualquer ao diagnstica e/ou teraputica sobre o sistema fonador. (2)

Os princpios bsicos que devem ser seguidos na elaborao de uma auto-avaliao vocal so os seguintes:

1. Considerar que a funo vocal multidimensional.

2. Obter registros que possibilitem concluses para a meta-anlise.

3. No excluir outros procedimentos que se fizerem necessrios mas, preced-los.

Vrios trabalhos foram publicados no sentido de obter-se a prevalncia da disfonia em professores utilizando-se questionrios de auto-avaliao associados ou no a exames clnicos. O valor desta prevalncia variou de 0,8 a 34% (3,4).

A partir de 1998 observou-se aumento de prevalncia atingindo 70%.

Em 1998, um grupo australiano avaliou professores e definiu atravs da elaborao de questionrios a prevalncia de queixas clnicas vocais nesta populao (4).

O objetivo deste estudo validar um questionrio de auto-avaliao vocal dirigido categoria profissional dos professores de todos os nveis de ensino para rastreamento dos sintomas da sndrome disfnica ocupacional e os fatores da organizao de trabalho que interferem na histria natural das laringopatias ocupacionais.


MTODO

Foi realizado um estudo epidemiolgico de corte transversal em 328 professores de 4 instituio de ensino da regio norte de So Paulo de 2001 a 2002.

A estes professores foi aplicada a auto-avaliao elaborada pela Comisso Tripartite de Normatizao da Voz Profissional (5).

Os quesitos para elaborao da auto-avaliao foram os seguintes:

1. Definir a identificao do indivduo quanto ao sexo, idade, entidade mantenedora.

2. Organizao do trabalho em relao ao vnculo empregatcio com outras instituies, nveis de ensino para os quais leciona, carga de trabalho, pausas, nmero de alunos por sala, exerccio de outras atividades profissionais.

3. Sintomas clnicos da Sndrome Disfnica.

4. Hbitos e qualidade de vida.

A aplicao era realizada nos perodos de aula nos intervalos e incio das mesmas.

Precedendo a aplicao, realizou-se a verificao in loco das condies e fatores ambientais, assim como a organizao do trabalho que foi detalhada no questionrio de auto-avaliao.

Como parte do mtodo realizamos a divulgao das tcnicas de higiene vocal aps a aplicao da auto-avaliao.

Considerando o objetivo de validar a auto-avaliao para definir o perfil populacional atravs da indicao da prevalncia de sintomas da Sndrome Disfnica assim como determinar as caractersticas da populao que podem atuar como risco na evoluo da doena, o questionrio deveria preencher os seguintes critrios:

1. Facilidade na compreenso das perguntas e respostas.

2. Tempo despendido para responder todo o conjunto.

3. Adequao do formato para anlise estatstica posterior.

4. Avaliao do prprio indivduo quanto ao ambiente de trabalho e de sua organizao.

5. Rastreamento dos sintomas da sndrome disfnica ocupacional como manifestao pr-patognica ou patognese precoce na instalao de uma laringopatia ocupacional orgnica ou funcional incapacitante.

6. Consenso social de aprovao dos integrantes da Comisso Tripartite.

Os questionrios foram aplicados para todos os professores que se encontravam na sala de professores no perodo que precedia o incio das aulas e aps o consentimento expresso e esclarecido do participante.

Aps aprovao pelo Comit de tica Mdica da UNIFESP e assinatura do Termo Esclarecido de Consentimento, os professores e a instituio recebiam orientaes sobre higiene vocal, preveno e controle mdico do risco das laringopatias relacionadas ao trabalho. Os questionrios eram aplicados pela equipe mdica do MTE (Ministrio do Trabalho e Emprego), UNIFESP (Universidade Federal de So Paulo) acompanhados por representantes do Sindicato dos Professores de So Paulo(SINPRO-SP), pelos servios de segurana e sade da prpria instituio e membros da Comisso Interna de Preveno de Acidentes (CIPA).

A operacionalizao do mtodo ocorreu in loco atravs da aplicao da auto-avaliao, verificao mdico-legal do cumprimento das normas regulamentadoras que estabelecem o controle mdico, controle dos riscos ambientais e as condies ergonmicas e organizacionais do trabalho (6).

O banco de dados foi criado no Excell e para as anlises utilizou-se o Software SAS /SAT verso 9.12 em anlise estatstica pela FUNDACENTRO.


RESULTADOS

Foram aplicados 328 questionrios de auto-avaliao aos professores de quatro instituies de ensino universitrio localizadas na regio norte de So Paulo.

A auto-avaliao foi elaborada e dividida em quatro partes:

1. Identificao.

2. Organizao do trabalho.

3. Sintomas clnicos.

4. Hbitos e qualidade de vida.



Grfico 1. Prevalncia de gnero.




Grfico 2. Distribuio de faixas etrias entre os gneros.




Grfico 3. Prevalncia de vnculos com outras instituies.




Grfico 4. Prevalncia da durao das aulas.




Grfico 5. Prevalncia de alunos por sala de aula.




Grfico 6. Prevalncia do sintoma clnico dor ou irritao na garganta.




Grfico 7. Prevalncia do perodo do dia no qual h o sintoma clnico dor ou irritao na garganta.




DISCUSSO

Ao iniciarmos o estudo sobre a prevalncia e evoluo da Sndrome Disfnica Ocupacional em professores, necessitvamos desenvolver uma metodologia de abordagem que nos mostrasse as caractersticas desta populao e fornecesse elementos concretos para que pudssemos propor medidas de controle eficazes.

Portanto, sendo a Sndrome Disfnica Ocupacional um conjunto de sinais e sintomas precoces no estabelecimento de uma laringopatia ocupacional, a abordagem inicial multidimensional nos fornece critrios para a preveno das consequncias patognicas que culminam com a excluso do indivduo de seu ambiente profissional.

Uma das primeiras constataes que tivemos foi a discordncia entre as exigncias legais e as aes executadas nas instituies, ou seja,uma dissociao entre o controle mdico proposto e executado e o risco vocal ocupacional conforme preconiza a legislao atravs dos princpios da Norma Regulamentadora 7 (7).

A partir deste trabalho nas instituies, os programas de controle de sade ocupacionais passaram a contemplar medidas de sade voltadas para os riscos da Sndrome Disfnica.

A reviso da literatura (3,4,7) tem mostrado que esta uma preocupao universal qual seja a abordagem da Sndrome Disfnica considerando a manifestao do indivduo quanto aos aspectos de sua emisso vocal.

Um dos mais conhecidos trabalhos a respeito a avaliao do Vocal Handicap Index que tem sido estudado e validado em outros idiomas alm do ingls.

Atravs dos grficos podemos definir caractersticas da populao propondo aes de sade e para os indivduos testados, podemos acrescentar ao controle clnico os dados obtidos e segui-los prospectivamente.

Os grficos evidenciam que nesta populao de professores universitrios h predomnio de homens (Grfico 1) em faixa etria de mais de 35 anos (Grfico 2) com dedicao ao ensino superior (Grfico 3). Em relao organizao do trabalho, predominam as aulas de mais de 100 minutos (Grfico 4) e o nmero de alunos por sala de mais de 51 para a maioria (Grfico 5). O sintoma dor ou irritao na garganta ocorre em 70%, sendo mais frequente noite (Grfico 6 e 7). Sensao de corpo estranho referida por 41% (Grfico 8). Necessidade de pigarrear assim como dor no pescoo ocorre em 54% (Grfico 9 e 10). A rouquido foi referida por 31% (Grfico 11). Tabagismo foi declarado por 16% (Grfico 11) e alguma ingesto de lcool e medicamentos de uso contnuo por 20% (Grfico 12 e 13). Atividade esportiva praticada por 50% dos avaliados.

Assim fica evidente a diversidade da prevalncia de cada um dos sintomas que compem a SDO o que justifica os diferentes valores de ocorrncia de disfonia em professores apresentada na literatura.

A auto-avaliao apresenta caractersticas prprias dirigidas s necessidades locais assim como visa fornecer elementos de controle epidemiolgico.

A introduo de novas perguntas ao texto sempre foi precedida de discusso com a Comisso Tripartite e resultaram das dificuldades e observaes que tivemos durante o trabalho prtico e sua aplicao, sempre visando manter a objetividade e a simplicidade de entendimento com o mnimo dispndio de tempo para a sua aplicao.

Por tratar-se de uma ao bsica de sade, deve ser utilizada pelo mdico do trabalho que mantm o controle epidemiolgico da populao e para o otorrinolaringologista um elemento inicial no restritivo indicao dos procedimentos mais complexos.

Atravs dos grficos podemos definir caractersticas da populao propondo aes de sade e para os indivduos testados, podemos acrescentar ao controle clnico os dados obtidos e segui-los prospectivamente.

Em funo destes achados podemos afirmar que a partir de um quadro de auto-avaliao devemos fazer propostas que atuem no sentido de reduzir a prevalncia da SDO prevenindo assim o surgimento das laringopatias incapacitantes.

A elaborao da auto-avaliao com consenso tcnico e social mostrou-se adequada pois alm de ser um procedimento no oneroso tambm no invasivo e abole tcnicas que possam tornar-se discriminatrias.



Grfico 8. Prevalncia do sintoma sensao de corpo estranho na garganta.




Grfico 9. Prevalncia do sintoma pigarro.




Grfico 10. Prevalncia do sintoma cervicalgia.




Grfico 11. Prevalncia de rouquido.




Grfico 12. Prevalncia de tabagismo.




Grfico 13. Prevalncia de ingesto de lcool.




Grfico 14. Prevalncia do uso de medicamentos.




Grfico 15. Prevalncia da prtica de atividade esportiva.




CONCLUSO

O questionrio de auto-avaliao para professores proposto pela Comisso Tripartite para Normatizao da Voz Profissional mostrou-se satisfatrio ao fornecer as prevalncias de parmetros que permitem a anlise epidemiolgica da sndrome disfnica ocupacional em professor.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Leavell H & Clark EG. Medicina Preventiva. McGrawHill do Brasil, So Paulo, 1976.

2. Dejonckere P H et al. A basic protocol for functional assesment of voice pathology especially for investigating the efficacy of (phonosurgicals) treatments and evaluating new asesment techniques. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2001, 258:77-82.

3. Smith E et al. Frequency and effects of teachers voice problems. J Voice. 1997, 2:81-87.

4. Russel A, Oates J, Greenwood K. Prevalence of voice problems in teachers. J Voice. 1998, 12:467-479.

5. Ministrio do Trabalho e Emprego (2002) Comisso Tripartite de Normatizao para a Voz Profissional. Questionrio de auto-avaliao para professores. Imprensa Oficial do Estado. 11 pginas.

6. Ministrio do Trabalho e Emprego. Portaria 3214.

7. Calas M et al. La pathologie vocale chez l'enseignant. Rev Laryngol. 1989, 110:397-406.









1 Doutora em Medicina. Chefe do Setor de Relaes do Trabalho MTE-Gerncia Norte/SP.
2 Professor Titular do Departamento de Otorrinolaringologia e Distrbios da Comunicao Humana UNIFESP.
3 Pesquisador da Fundacentro.
4 Mestre em Otorrinolaringologia.Douturando em Otorrinolaringologia UNIFESP.
5 Fonoaudiologista. Fonoaudiloga do SINPRO/SP.

Instituio: Ministrio do Trabalho e Emprego - Gerncia Norte. So Paulo / SP - Brasil. Endereo para correspondcia: Sandra Irene Cubas de Almeida - Av. General Ataliba Leonel, 2764 - Parada Inglesa- So Paulo / SP - Brasil - CEP: 02242-000 - Telefone: (+55 11) 2973-8927 - E-mail: sandra.almeida@mte.gov.br

Artigo recebido em 8 de Abril de 2010. Artigo aprovado em 29 de Maio de 2010.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024