Title
Search
All Issues
16
Ano: 2010  Vol. 14   Num. 3  - Jul/Set Print:
Case Report
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Recidiva de Cisto Dermoide Congnito de Localizao Paramediana
Recurrence of Congenital Dermoid Cyst of Paramedian Location
Author(s):
Estevam Rubens Utumi1, Camila Eduarda Zambon2, Irineu Gregnanin Pedron3, Gustavo Grothe Machado4, Andr Caroli Rocha5.
Palavras-chave:
cisto dermoide, soalho bucal, recidiva.
Resumo:

Introduo: O cisto dermoide um cisto de desenvolvimento incomum na face e envolve mais frequentemente o assoalho bucal. A maioria das leses ocorre em adultos jovens, com ligeira predileo pelo gnero masculino. As leses neonatais e em crianas so extremamente raras. Manifesta-se como tumefao flutuante, assintomtica e de crescimento lento e progressivo, atingindo dimenses variadas. Sua cpsula pode conter um ou mais anexos cutneos, como glndulas sebceas, plos ou unhas. O tratamento cirrgico, atravs de enucleao, sendo sua recidiva incomum. O aspecto clnico, histopatolgico, diagnstico diferencial e tratamento de um caso de cisto dermoide congnito, e de sua recidiva, so discutidos pelos autores.

INTRODUO

O cisto dermoide uma alterao de desenvolvimento relativamente rara na regio de cabea e pescoo. Quando na boca, sua localizao mais frequente o assoalho bucal. H ligeira predileo pelo gnero masculino e a maioria das leses ocorre entre a segunda e terceira dcadas de vida. As leses congnitas e as originrias em crianas so extremamente raras (1-7).

Apresenta-se comumente como uma tumefao flutuante na poro anterior do assoalho de boca, com crescimento lento, progressivo e indolor, podendo variar o tamanaho (3,4).

O tratamento dos cistos dermoides de soalho bucal cirrgico, atravs da enucleao. At o momento, h poucos casos de transformao maligna (8) e nenhuma recidiva relatada. Os autores relatam um caso de cisto dermoide com localizao sublingual paramediana, e sua recidiva aps enucleao em um recm-nascido.


CASO CLNICO

Paciente F.C.S. de 10 dias de vida, leucoderma, gnero feminino foi encaminhada pelo mdico pediatra ao nosso servio para avaliao de tumefao em assoalho bucal que foi percebida logo aps o nascimento. Havia dificuldades na suco durante a amamentao e deglutio.

Ao exame fsico, apresentava-se em bom estado geral e sem alteraes relevantes na histria mdica pregressa e antecedentes hereditrios. Ao exame intra-oral, observou-se crescimento nodular submucoso em regio paramediana esquerda, flutuante palpao, medindo cerca de 1cm no seu maior dimetro. A mucosa recobrinte possua colorao e textura normais (Figura 1). Com hiptese diagnstica foi de rnula, optou-se pelo acompanhamento. Aps 3 meses, no houve involuo, ocorrendo um aumento progressivo do ndulo, com manuteno das caractersticas descritas anteriormente. Neste momento, solicitou-se uma tomografia computadorizada com contraste, que mostrou imagem cstica, cruzando a linha mdia, situada entre os msculos genio-hioideos e deslocada para esquerda no seu aspecto mais superior. A cpsula era espessada e o contedo hipoatenuante em relao aos tecidos moles adjacentes do assoalho bucal (Figuras 2). O diagnstico presuntivo foi de cisto dermoide.

Foi realizada a bipsia excisional, sob anestesia geral e intubao nasotraqueal. Iniciou-se com uma inciso intra-oral longitudinal em soalho bucal, sobre a leso, seguindo-se com divulso romba dos tecidos adjacentes (Figura 3A). Ao final da disseco, houve ruptura da cpsula cstica e extravasamento de contedo pastoso de colorao esbranquiada (Figura 3B). A remoo foi finalizada, no se visualizando leso residual macroscopicamente na loja cirrgica.

O exame histopatolgico mostrou cpsula cstica revestida por epitlio escamoso estratificado com queratinizao, alm de glndulas cutneas anexas. Ligeiro infiltrado inflamatrio mononuclear era visto em rea esparsa (Figura 4A e B).

O ps-operatrio transcorreu bem, porm com 1 ano de acompanhamento constatou-se novo aumento volumtrico na mesma regio (Figura 5). Outra tomografia computadorizada foi realizada, demonstrando duas reas csticas bem delimitadas em assoalho bucal, de limites espessados e com contedo hipoantenuante em relao aos tecidos moles circunvizinhos. (Figura 6). Uma nova cirurgia, sob anestesia geral, foi realizada para enucleao do cisto (Figura 7). A inciso realizada foi vertical, em linha mdia de ventre lingual e assoalho bucal. A leso foi removida e mostrava contedo pastoso, denso e esbranquiado. O diagnstico histopatolgico foi novamente de cisto dermoide, semelhante ao resultado anterior. A paciente encontra-se bem e sem recidiva aps 4 anos de seguimento da ltima interveno.



Figura 1. Mucosa da cavidade oral e visualizao da leso.




Figura 2. Tomografia computadorizada.




Figura 3a. Exerece da leso.




Figura 3b. Leso bucal.




Figura 4a. Corte histopatolgico.




Figura 4b. Corte histopatolgico.




Figura 5. Aspecto ps-operatrio




Figura 6. Tomografia computadorizada de controle.




Figura 7. Exerese de uma segunda leso.




DISCUSSO

O primeiro caso de cisto dermoide sublingual foi descrito na Jordnia, em 1778 (5,7). Localizaes comuns incluem a rbita, dorso do nariz e pescoo (1). Estas leses so raras na boca, mas quando ocorrem, geralmente so encontradas na poro mediana e anterior do assoalho bucal (2,7,8,9). A localizao paramediana vista neste caso corroborou para um diagnstico tendencioso de rnula que s foi corrigido com a observao do padro evolutivo da leso que no suportou a hiptese diagnstica inicial.

Poucos casos foram relatados em crianas ou idosos, alm de extremamente raros em neonatais (1,3,4,10). No h predileo por sexo, apesar de um estudo mostrar mais homens afetados (6). A etiologia mais provvel do cisto dermoide de soalho bucal o aprisionamento de tecido ectodrmico na linha mdia, no momento da fuso do primeiro (mandibular) e segundo (hioide) arcos branquiais (3,11). No presente caso, a leso era congnita, dificultando o diagnstico inicial.

A classificao dos cistos dermoides baseada tanto na localizao anatmica como no aspecto histopatolgico. Meyer, em 1955, separou os cistos dermoides em trs tipos: (1) cisto epidermoide - com parede limitada por epitlio escamoso estratificado sem estruturas anexas; (2) cisto dermoide - limitada por epitlio escamoso estratificado com anexos drmicos, como glndulas sebceas e sudorparas e folculos pilosos no tecido conectivo subjacente e (3) teratoma - cavidade limitada por epitlio com derivados do mesoderma e endoderma, como msculo, mucosa intestinal, mucosa respiratria, fibras, osso, vasos sanguneos, alm dos anexos drmicos tpicos do cisto dermoide (3,6,13,14). J em 1969, Katz e Passy classificaram anatomicamente os cistos dermoides e epidermoides do assoalho bucal como: (1) sublingual - localizado na linha mdia, sob a lngua, entre os msculos geniohiideo e milo-hiideo, sendo que, quando atinge grandes propores, a lngua deslocada para a orofaringe; (2) geniohiideo - localizado na linha mdia na regio submentual entre a pele e os msculos geniohiideo, levando a uma aparncia de queixo duplo e (3) cisto lateral - localizado na regio submandibular e, normalmente, aumenta de tamanho em direo inferior ao osso hioide ou comprime superiormente o assoalho bucal, forando a lngua para o lado oposto (12). O tipo histolgico da leso parece no influenciar o prognstico do caso, contudo a localizao, se acima ou abaixo do msculo geniohiideo, pode dificultar a exrese pela via intra-oral, alm de aumentar o risco de recidivas caso uma remoo incompleta seja realizada (3). Por isso, BLOOM et al. (2002) (1) recomendaram acessos duplos, intra e extra-oral, em casos de cistos dermoides laterais. Alm disso, em recm-nascidos, a localizao sublingual pode prejudicar a alimentao e a respirao, produzindo alteraes sistmicas secundrias patologia inicial (5,11). Desta forma, uma classificao anatmica deve ser utilizada para auxiliar o planejamento cirrgico e o prognstico (4). Neste caso, mesmo com a impresso cirrgica de remoo completa da leso inicial, a ruptura da cpsula parece ter predisposto a permanncia de leso residual em algum nvel. Com 1 ano de evoluo, este remanescente evoluiu para a formao de nova rea cstica evidente clinicamente. De qualquer forma, a ocorrncia congnita, o novo crescimento e o padro tomogrfico, sugere tratar-se de uma leso de comportamento mais agressivo.

Como diagnstico diferencial deve-se considerar, infeco ou celulite submandibular e sublingual, rnula, bloqueio uni ou bilateral do ducto de Wharton, higroma cstico, cisto branquial, cisto do ducto tireoglosso, massa gordurosa em rea submental, neoplasia sublingual ou de glndula salivar menor, lipoma, fibroma, hemangioma ou linfangioma e tumor maligno (6,7,9,15,16). Os exames complementares incluem ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonncia nuclear magntica. Estes permitem a visualizao e localizao precisa da leso em relao s estruturas anatmicas adjacentes, alm de auxiliar na escolha da tcnica cirrgica mais apropriada (3). Este recurso proporcionou a visualizao da parte mais profunda da leso, que se localizava na linha mdia, entre os msculos geni-hiideos, contribuindo para o diagnstico de cisto dermoide.

O acesso intra-oral utilizado para a maioria dos casos. Entretanto, leses localizadas abaixo do msculo milo-hiideo devem ser abordadas por acesso extra-oral (4,13). Apesar de tratar-se de uma leso de timo prognstico, o acompanhamento ps-operatrio de, no mnimo trs anos deve ser realizado em todos os casos. A evoluo deste caso refora esta necessidade.


COMENTRIOS FINAIS

O cisto dermoide uma leso de ocorrncia incomum na boca. Sua manifestao congnita e localizao atpica (paramediana) levaram a maior dificuldade diagnstica e teraputica. Detalhes tomogrficos e evoluo clnica definiram o momento mais adequado para abordagem cirrgica. O acompanhamento ps-operatrio deve ser realizado sempre.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Bloom D, Carvalho D, Edmonds J. Neonatal dermoid cyst of the floor of the mouth extending to the midline neck. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2002, 128:68-7.

2. Bodner L, Woldenberg Y, Sion-Vardy N. Dermoid cyst of the maxilla. Int J Oral Maxillofac Surg. 2004, 34: 453-55.

3. Eplley BL, Bell MJ, Sclaroff. Simultaneous occurrence of dermoid and heterotopic intestinal cysts in the floor of the mouth of a newborn. J Oral Maxillodac Surg. 1985, 43(11): 880-3.

4. Gibson WS, Fenton NA. Congenital sublingual dermoid cyst. Arch Otolaryngol. 1982, 108(11):745- 748.

5. Howell CJT. The sublingual dermoid cyst. Report of five cases and review of the literature. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1980, 59:578-580.

6. Longo F et al. Midline (dermoid) cysts of the floor of the mouth: report of 16 cases and review of surgical techniques. Plast Reconst Surg. 2003, 112(6):1560-65.

7. Oygur et al. Oral Congenital dermoid cyst in the floor of the mouth of newborn. Oral Surg. 1992, 74(4-6):627-630.

8. Devine JC, Jones DC. Carcinomatous transformation of a sublingual dermoid cyt. A case report. Int J Oral Maxillofac Surg. 2000, 29:126-7.

9. Howell CJT. The sublingual dermoid cyst. Report of five cases and review of the literature. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1980, 59:578-580.

10. Nagar H, Baratz M. Congenital sublingual teratoid cyst. Case report. Int J Oral Maxillofac Surg. 1993, 22:44-45.

11. Ferran F, Abifadel M. Kyste dermoid du plancher buccal. Ann Chir Plast Estht. 1990, 35(1):69-72.

12. Lowry RE, Tempero RM, Davis LF. Epidermoid cyst of the floor of the mouth. J Oral Surg. 1979, 37:271-73.

13. Ceccheti MM. et al. Intraoral enucleation of dermoid cyst- a case report. Rev Ps Grad. 2003, 10(1):88-93.

14. Seah T, Sufyan W. Case report of a dermoid cyst at the floor of the mouth. Ann Acad Med Singapore. 2004, 33(4):77-79.

15. Janjua TA, Goranvalingappa R. Quiz case 1 Submandibular dermoid cyst Arch Otolaryngol Head Neck 1990, 25(11):1270-1272.

16. Verrina G, Carta M. Considerazioni sulle cisti dermoidi del pavimento della bocca. Minerva Stomatol. 1989, 38(1-6):683-686.









1 Mestre em Cincias Odontolgicas com rea de concentrao em Clnica Integrada. Cirurgio Bucomaxilofacial da Fora Area Brasileira, Hospital de Aeronutica de So Paulo.
2 Mestre em Cincias Mdicas no Hospital das Clnicas da FMUSP. Especialista em Cirurgia Bucomaxilofacial.
3 Mestre em Cincias Odontolgicas com rea de concentrao em Clnica Integrada. Periodontista do corpo clnico da Fora Area Brasileira, Hospital de Aeronutica de So Paulo.
4 Mestre em Cincias Mdicas pelo Hospital das Clinicas da FMUSP. Chefe do Servio de Cirurgia Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP.
5 Doutor em Diagnstico Bucal pela Faculdade de Odontologia da Universidade de So Paulo. Assistente do Servio de Cirurgia Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital das Clnicas da FMUSP.

Instituio: Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo. So Paulo / SP - Brasil. Endereo para correspondncia: Estevam Rubens Utumi - Rua Pelotas, 284 - Apto. 21 - Vila Mariana - So Paulo / SP - Brasil - CEP: 04012-000 - Telefone: (+55 11) 5549-8241 - E-mail: estevamutumi@uol.com.br

Artigo recebido em 29 de Abril de 2009. Artigo aprovado em 24 de Maio de 2009.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024