Title
Search
All Issues
7
Ano: 2011  Vol. 15   Num. 2  - Abr/Jun
DOI: 10.1590/S1809-48722011000200007
Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Percepo da Fala em Crianas em Situao de Rudo
Speech Perception in Children Under Noisy Situations
Author(s):
Regina Tangerino de Souza Jacob1, Natlia Fernanda Garro Monteiro2, Samira Vilela Molina2, Maria Ceclia Bevilacqua3, Jos Roberto Pereira Lauris4, Adriane Lima Mortari Moret5.
Palavras-chave:
audiologia, rudo, percepo da fala, testes de discriminao da fala.
Resumo:

Introduo: A habilidade em compreender a fala afetada por muitos fatores durante as avaliaes, principalmente no rudo, sendo ainda mais complexa para crianas nessas condies. Objetivo: Analisar a percepo da fala em crianas com audio normal em diferentes situaes de rudo. Mtodo: Forma de estudo corte transversal. Foi utilizado o Brazilian Hearing in Noise Test (HINT) em 21 crianas de sete a 14 anos com audio dentro dos padres de normalidade, e sem alteraes cognitivas. Foram aplicadas, aleatoriamente, as listas de sentenas nas seguintes situaes: silncio (S); rudo de frente (RF); rudo direita (RD); rudo esquerda (RE); rudo a 180o. (RT) e comparado o resultado de rudo composto (RC) com rudo difuso a partir de quatro campos de som em 45o; 135o; 225o e 315o (4CXS). Resultados: A anlise estatstica revelou diferena significativa entre as seguintes situaes: RD com RF; RT com RF; sendo pior com 4CXS, onde foi encontrada diferena para RD, RT, RC, RE e RF. Para a anlise de correlao com a idade, houve significncia entre a idade em funo dos valores HINT apenas para o rudo frente. Concluso: As diferenas significativas nos resultados de percepo da fala entre as diferentes condies de escuta no rudo na populao estudada sugerem cautela na escolha do estmulo em avaliaes de percepo da fala no rudo em crianas deficientes auditivas. Assim, pesquisas nessa linha so necessrias para estabelecer os parmetros e variveis relacionadas sua aplicao e a interpretao dos resultados.

INTRODUO

A compreenso da fala possibilita ao homem comunicar-se com o outro de forma eficiente, sendo fundamental para a sua integrao social. Dessa forma, a habilidade para compreender a fala deve ser considerada o aspecto mais importante a ser mensurado na funo auditiva humana, pois permite avaliar a funo comunicativa receptiva, fornecendo dados de como o sujeito funciona em situaes de escuta diria, por meio de informaes objetivas, facilmente quantificveis (1).

Vrios testes clnicos foram elaborados para a avaliao da percepo da fala em crianas pequenas devido necessidade de se estudar quais so as habilidades auditivas que a criana desenvolve frente ao uso dos aparelhos de amplificao sonora individuais (AASI) ou do implante coclear (IC) (2,3,4). Esses procedimentos permitem tambm avaliar o programa de habilitao ou reabilitao auditiva. Entretanto, poucos destes testes esto disponveis em portugus.

Vrios fatores contribuem negativamente com a habilidade de compreenso da fala no momento da realizao de avaliaes, como as caractersticas do ouvinte, incluindo experincia de linguagem e audio, o tipo e nvel de apresentao do material e sua resposta (4,6). Desta forma, salienta-se a importncia da realizao de testes na presena de rudo, uma vez que os resultados de avaliaes de pacientes com as mesmas habilidades de reconhecimento de fala no silncio podem apresentar-se completamente diferentes em situaes com rudo (2).

Sabe-se que nos dias atuais os indivduos esto expostos ao rudo em muitas atividades do cotidiano, e pesquisas demonstram que mesmo indivduos com audio normal tem a percepo de fala afetada pelos rudos do ambiente (5,6). comum encontrar queixas quanto dificuldade para ouvir e entender no rudo de pessoas com perda auditiva (7). Para avaliar e diagnosticar a quo prejudicada est a audio de um individuo, so utilizados vrios testes na prtica clnica; mas estes testes no so capazes de detectar como est a capacidade funcional do paciente para perceber e entender a fala em ambientes ruidosos, visto que so aplicados no silncio, sendo ainda mais complexa a avaliao da habilidade auditiva de crianas nessas condies.

A partir dessas consideraes este estudo teve como objetivo analisar a percepo da fala em crianas com audio normal em diferentes situaes de escuta no rudo.


MTODO

O trabalho foi desenvolvido aps aprovao pela Comisso de tica em Pesquisa (processo 136/2007). Os pais, aps esclarecimento sobre os objetivos e procedimentos da pesquisa, assinaram um termo de consentimento atestando sua permisso para a participao da criana no trabalho e publicao dos dados obtidos. O anonimato e a liberdade de retirar seu consentimento a qualquer momento foi garantido aos participantes. O estudo envolveu procedimento no-invasivo, sendo ento caracterizado como de risco mnimo sade dos envolvidos.

Participaram vinte e uma crianas e adolescentes com faixa etria entre sete e quatorze anos com audio dentro dos padres de normalidade e ausncia de alteraes cognitivas. Para compor a casustica, foi realizado contato aleatrio com os funcionrios e profissionais da Clnica de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB-USP), a fim de convidar seus filhos pertencentes faixa etria de 7 a 14 anos a participarem deste estudo. Como critrios de incluso, as crianas no deveriam apresentar queixas escolares e/ou comportamentais, histrico ou dificuldades de ateno, problemas de compreenso, assim como queixas e/ou alteraes auditivas.

Para excluir presena de qualquer alterao audiolgica e alteraes da orelha mdia na situao de avaliao, anteriormente foi realizada inspeo visual do conduto auditivo externo pelo mdico otorrinolaringologista e triagem auditiva.

Os seguintes equipamentos foram utilizados para o desenvolvimento do estudo: HINTPro 7.2 Audiometric System (Bio-logic Systems Corp) (8); cinco caixas de campo livre; computador com gravador de CD; impressora; sala com tratamento acstico.

Para avaliao da percepo da fala, o procedimento realizado foi aplicao do teste Hearing in Noise Test (HINT), verso brasileira (9) em campo livre. O HINT um teste adaptativo onde o indivduo solicitado a reconhecer e repetir sentenas simples no silncio e no rudo (7). composto por 12 listas de sentenas com 20 sentenas em cada, totalizando 240 sentenas disponveis. A intensidade de apresentao varivel at que seja estabelecido o Limiar de Reconhecimento de Sentenas (LRF/HINT), que obtido quando 50% das sentenas so repetidas corretamente, diante das seguintes situaes:

a) 20 sentenas derivadas de uma caixa posicionada frontalmente (0o.) no silncio (S);

b) 20 sentenas derivadas de uma caixa posicionada frontalmente (0o.) com rudo na intensidade fixa de 65 dBNA e apresentado tambm frente: 0o.(RF);

c) 20 sentenas derivadas de uma caixa posicionada frontalmente (0o.) com rudo na intensidade fixa de 65 dBNA e apresentado direita: 90o.(RD);

d) 20 sentenas derivadas de uma caixa posicionada frontalmente (0o.) com rudo esquerda: 90o.(RE);

e) Rudo Composto (RC): calculado pelo software do HINTPro por meio de uma mdia ponderada das quatro condies anteriores: RC = (2*RF+RD+ RE)/4.

f) 20 sentenas derivadas de uma caixa posicionada frontalmente (0o.) apresentado em quatro caixas de campo livre a 45o, 135o, 225o e 315o (4 caixas). O rudo fixado em 65 dBNA no dial.

g) 20 sentenas derivadas de uma caixa posicionada frontalmente (0o.) com rudo na intensidade fixa de 65 dBNA e apresentado por trs: 180o (RT);

importante ressaltar que a sequncia de aplicao dos estmulos de fala e as listas utilizadas nas diferentes situaes ocorreu de forma aleatria, a fim de eliminar variveis relacionadas ao cansao, ateno dos participantes e do fenmeno de aprendizagem.

Baseado em clculos do tamanho da amostra, para um desvio padro estimado de 1,7, e adotando  = 0,05 e poder do teste de 80%, a amostra de tamanho (n) 21 suficiente para provar uma diferena de 1,7 entre as condies estudadas.

Anlise estatstica

Para comparao entre as 7 condies foi utilizada Anlise de Varincia a um critrio para medidas repetidas e o Teste de Tukey para as comparaes mltiplas.

Para verificar a correlao entre a idade e os valores de HINT foi utilizado o Coeficiente de Correlao de Pearson.

Em todos os procedimentos estatsticos foi adotado nvel de significncia de 5% (p<0,05).


RESULTADOS

Os resultados do teste Hearing in Noise Test (HINT), verso brasileira, em 21 crianas de 7 a 14 anos (mdia = 10,4 anos; dp = 2,4 anos) com audio dentro dos padres de normalidade, e sem alteraes cognitivas so apresentados individualmente na Tabela 1.

A anlise estatstica revelou diferena significativa (p<0,05) entre as seguintes situaes: a pior situao foi com 4CXS com diferena para todas as outras condies, e RF foi pior do que RD e RT. Entre as outras condies no houve diferena estatisticamente significante.

A anlise de correlao entre a idade e os valores HINT, mostrou significncia estatstica somente na condio rudo frente (RF) (r = -0,62; p= 0,003).



Legenda: S = Silncio; RD = Rudo Direita; RE = Rudo Esquerda; RC = Rudo Composto; RF = Rudo Frente; RT = Rudo Trs; 4 cxs = 4 caixas. Situaes com a mesma letra sobrescrita no possuem diferena estatisticamente significante entre si (p>0,05).




DISCUSSO

Conforme apresentado na Tabela 1, os valores mdios do Limiar de Reconhecimento de Sentenas (LRF/HINT) no rudo variaram entre -6,5 e 1,4 nas diferentes situaes de escuta, sendo que, em diferentes pesquisas com adultos e idosos normo-ouvintes foram encontrados valores variando entre -8,0 a -3,5 (10); -12,2 a 4,6 (11); -8,14 (12). A literatura indica que o reconhecimento de fala das crianas normo-ouvintes mais afetado por condies adversas como no rudo e/ou em ambiente reverberante quando comparadas aos adultos e esse desempenho pior em crianas para percepo da fala no rudo esperado at os dez ou doze anos de idade (13-21). Os estudos supracitados no utilizaram rudo difuso, como as quatro caixas de campo livre adotadas no presente trabalho.

Houve diferena significativa entre o rudo composto com rudo difuso a partir de quatro campos de som em 45o; 135o; 225o e 315o, com respostas melhores para o rudo composto (Tabela 1) e diferena significativa entre RD com RF; RT com RF; sendo pior com 4CXS, onde foi encontrada diferena para RD, RT, RC, RE e RF, o que corrobora estudos que demonstram que quando a inteligibilidade de fala avaliada no rudo em condies espaciais separadas binauralmente (fala e rudo localizados em fontes com angulaes diferentes), o limiar de inteligibilidade pode variar em at 10 dB em indivduos com audio normal. O pior limiar ocorre quando a fala e o rudo esto na mesma posio, justificando os resultados piores encontrados para RF (tabela 1) e a nica correlao com a idade em funo dos valores HINT ter sido observada apenas para essa situao, em que rudo e fala estavam a 0o. As melhores respostas esperadas so na condio rudo e fala separados a 90o, com a fala a 0o em frente ao indivduo avaliado e o rudo a 90o direita ou esquerda do indivduo, o que tambm foi encontrado no presente trabalho (Tabela 1) (10 - 14).

Em relao ao perfil audiomtrico, no houve diferena significativa entre RD e RE (Tabela 1). Em um estudo brasileiro de base populacional de caracterizao da audio de crianas pode-se observar que, nas crianas acima de quatro anos, os limiares apresentaram pouca variao entre as prprias frequncias e orelhas avaliadas e a mdia tritonal da OD foi de 13,95 dB e da OE de 14,79, estando dentro do exposto pela Organizao Mundial de Sade para a referncia infantil (22).

O HINT foi desenvolvido em 14 lnguas diferentes, onde, em todas as lnguas, h a criao de uma lista de sentenas balanceada foneticamente e equilibrada quanto dificuldade, estimativa da funo performance-intensidade, desenvolvimento de normas e confiabilidade. Tendo em conta que, atualmente a maior parte dos testes disponveis para a avaliao da percepo da fala em deficientes auditivos foram padronizados em um idioma que no o Portugus Brasileiro, o desenvolvimento do HINT em Portugus Brasileiro uma evoluo na avaliao da percepo da fala, fornecendo parmetros de anlise tanto clnica quanto para pesquisa (9).

Apesar do HINT Brasileiro no disponibilizar uma verso do teste para crianas como em outras Lnguas (Hearing in Noise Test for Children /HINT-C) (23, 24), muitos estudos utilizam o HINT com essa populao (6, 25-27), visto que o material de fala desenvolvido para o teste busca metodologicamente controlar as variveis que podem influenciar a inteligibilidade de fala para adultos e crianas (11).

importante ressaltar que restrita a literatura em que o HINT utilizado e seus resultados analisados conforme indica o manual do usurio do HINTPRo, sendo que vrios estudos adotam um nmero maior de caixas acsticas e descrevem os resultados por porcentagem em procedimentos com relao S/R fixa (28) e outras fazem gravaes das sentenas ou as utilizam em viva-voz. Dessa forma, algumas pesquisas com o HINT utilizam para crianas um nmero menor de sentenas por lista assim como o HINT-C oferece, ou seja, dez sentenas ao invs de vinte por lista.

Devido s variveis encontradas em testes de fala realizados em campo livre (tamanho da sala, condies acsticas, existncia ou no de superfcie refletora, nvel de reverberao, calibrao, o nmero de pessoas dentro do ambiente de teste, entre outras) (11,12), e a amostra pequena estudada no presente trabalho, assim como em outras pesquisas sugere-se que cada audiologista estabelea seus prprios parmetros, levando em considerao a situao em que ser realizada a avaliao de seus pacientes (12) e considerando que o ndice de reconhecimento da fala no silncio no reflete o ndice de reconhecimento da fala em ambiente competitivo (29), pois, apesar dos testes de percepo da fala no rudo terem surgido no final de 1960 com autores (30) que defendiam que estas medidas deveriam ser parte da rotina de avaliao audiolgica, atualmente, quase 40 anos depois, constata-se que menos da metade dos profissionais utilizam algum tipo de avaliao no rudo na rotina de indicao/adaptao de AASI (31).


CONCLUSO

As diferenas significativas nos resultados de percepo da fala entre as diferentes condies de escuta no rudo na populao estudada sugerem cautela na escolha do estmulo em avaliaes de percepo da fala no rudo em crianas deficientes auditivas. Assim, pesquisas nessa linha so necessrias para estabelecer os parmetros e variveis relacionadas sua aplicao e a interpretao dos resultados.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Soncini F, Costa MJ, Oliveira TMT, Lopes LFD. Correlao entre os limiares de reconhecimento de sentenas no silncio e limiares tonais. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003, 69(5):672-7.

2. Fallon M, Trehub SE, Schneider BA. Childrens perception of speech in multitalker babble. J Acoust Soc Am. 2000, 108(6):3023-9.

3. Oshima M, Moret ALM, Amorim RB, Alvarenga KF, Bevilacqua MC, Pereira Lauris JRP, Jacob RTS. Early Listening Function (ELF): adaptao para a lngua portuguesa. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010, 15(2):191-6.

4. Ruscetta MN, Arjmand EM, Pratt SR. Speech recognition abilities in noise for children with severe-to-profound unilateral hearing impairment. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2005, 69(6):771-9.

5. Markham D, Hazan V. The effect of talker- and listener-related factors on intelligibility for a real-word, open-set perception test. J Speech Lang Hear Res. 2004, 47(4):725-37.

6. Davies MG, Yellon L, Purdy SC. Speech-in-noise perception of children using cochlear implants and FM systems. Aust NZJ Audiol. 2001, 23(1):52-62.

7. Vaillancourt V, Laroche C, Giguere C, Soli S. Establishment of Age-Specific Normative Data for the Canadian French Version of the Hearing in Noise Test for Children. Ear Hear. 2008, 29(3):453-66.

8. Bio-logics Systems Corp. 2007. HINT Pro 7.2: Hearing in Noise Test Users and Service Manual. Mundelein, IL: Bio-Logic Systems Corp.

9. Bevilacqua MC, Banhara MR, Costa EA, Vignoly AB, Alvarenga KF. The Brazilian Portuguese Hearing In Noise Test (HINT). Int J Audiol. 2008, 47(6):364-365.

10. Arieta AM. Teste de reconhecimento de fala HINT-Brasil, em normo ouvintes e usurios de prteses auditivas - Ateno Sade Auditiva. Campinas, 2009, p.74 (Dissertao Mestrado - UNICAMP - Programa de Ps Graduao em Sade Coletiva da Faculdade de Cincias Mdicas da Universidade Estadual de Campinas)

11. Soli SD, Wong LLN. Assessment of speech intelligibility in noise with the Hearing in NoiseTest. Int J Audiol. 2008, 47(6):356-361.

12. Henriques MO, Miranda EC, Costa MJ. Limiares de reconhecimento de sentenas no rudo, em campo livre: valores de referncia para adultos normo-ouvintes. Rev Bras Otorrinolaringol. 2008, 74(2):188-92.

13. Nittrouer S, Boothroyd A. Context effects inphoneme and word recognition by young children and older adults. J Acoust Soc Am. 1990, 87:2705-2715.

14. Eisenberg LS, Shannon RV, Martinez AS, Wygonski J,Boothroyd A. Speech recognition with reduced spectral cues as a function of age. J Acoust Soc Am. 2000, 107:2704-2710.

15. Johnson CE. Childrens phoneme identification in reverberation and noise. J Speech Lang Hear Res. 2000, 43:144-157.

16. Stuart A, Givens GD, Walker LJ, Elangovan S. Auditory temporal resolution in normal hearing preschool children revealed by word recognition in continuous and interrupted noise. J Acoust Soc Am. 2006, 119:1946-1949.

17. Stuart A. Reception Thresholds for Sentences in Quiet, Continuous Noise, and Interrupted Noise in School-Age Children. J Am Acad Audiol. 2008, 19:135-146.

18. Bronkhorst AW e Plomp R. The effect of head-induced interaural time and level differences on speech intelligibility in noise. J Acoust Soc Am. 1988, 83(4):1508-16.

19. Bronkhorst AW e Plomp R. Binaural speech intelligibility in noise for hearing-impaired listeners. J Acoust Soc Am. 1989, 86(4):1374- 83.

20. Bronkhorst AW e Plomp R. Effect of multiple speech-like maskers on binaural speech recognition in normal and impaired hearing. J Acoust Soc Am. 1992, 92(6):3132-9.

21. Duquesnoy AJ e Plomp R. The effect of a hearing aid on the speech-reception threshold of hearing-impaired listeners in quiet and in noise. J Acoust Soc Am. 1983; 73(6):2166-73.

22. Balen SA, Debiasi TF, Pagnossim DF, Broca VS, Roggia SM, Gondim LM. Caracterizao da Audio de Crianas em um Estudo de Base Populacional no Municpio de Itaja / SC. Arq. Int. Otorrinolaringol. 2009, 13(4):372-80.

23. Nilsson MJ, Soli SD, & Gelnett D. (1996). Development of the hearing in noise test for children (HINT-C). House Ear Institute, April, 1-9.

24. Laroche C, Vaillancourt V, Melanson C et al. Adaptation du HINT (Hearing in Noise Test) pour les enfants francophones canadiens et donne'es pre'liminaires sur l'effet d'ge. Revue d'Orthophonie et d'Audiologie 2006, 30, 95-109. Schafer e Thibodeau, 2006

25. Molina SV, Jacob RTS, Amorim RB, Moret ALM, Bevilacqua MC. Avaliao da Percepo da Fala no Rudo em Crianas Deficientes Auditivas. 24 Encontro Internacional de Audiologia; 2009, p.2444.

26. Anderson KL, Goldstein H. Speech perception benefits of FM and infrared devices to children with hearing aids in a typical classroom. Lang Speech Hear Serv Sch. 2004, 35(2):169-84.

27. Schafer EC, Thibodeau LM. Speech recognition in noise in children with cochlear implants while listening in bilateral, bimodal, and FM-system arrangements. Am J Audiol. 2006, 15:114-26.

28. Duncan KR, Aarts NL. A comparison of the HINT and Quick Sin Tests. J Speech-Lang Path Audiol. 2006, 30(2):86-94.

29. Paula A, Oliveira JAP, Godoy NM. Baixa discriminao auditiva em ambiente competitivo de pacientes jovens com audiograma normal. Rev Bras Otorrinolaringol. 2000, 6(5):439-42.

30. Carhart R, Tillman TW. Interaction of Competing Speech Signals with Hearing Losses. Arch Otolaryngol. 1970, 91(3):273-279.

31. Strom KE. The HR 2003 dispenser survey. Hear Rev. 2003, 10(6):22-38.









1 Doutora em Cincias da Reabilitao/Distrbios da Comunicao Humana pelo HRAC/USP/Bauru. Professora Doutora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.
2 Graduada pela Faculdade de Odontologia de Bauru - USP. Fonoaudiloga.
3 Professora Titular da Universidade de So Paulo - Campus Bauru. Fonoaudiloga. Coordenadora do Centro de Pesquisas Audiolgicas do Hospital de Reabilitao de Anomalias Craniofaciais da USP - Campus Bauru.
4 Professor Associado do Departamento de Odontopediatria, Ortodontia e Sade Coletiva da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP. Professor Associado do Departamento de Odontopediatria, Ortodontia e Sade Coletiva, Ministrando as Disciplinas de Estatstica e Metodologia de Pesquisa da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.
5 Professora Doutora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP. Fonoaudiloga. Doutora em Distrbios da Comunicao Humana pela Universidade de So Paulo, USP. Professora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.

Instituio: Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de So Paulo.
Bauru / SP - Brasil. Endereo para correspondncia: Regina Tangerino de Souza Jacob - Alameda Dr. Otvio Pinheiro Brizola, 9-75 - Bauru / SP - Brasil - CEP: 17012-901 - Telefone: (+55 14) 3235-8332 - E-mail: reginatangerino@usp.br

Suporte financeiro: FAPESP Processo no. 2007/07599-4

Artigo recebido em 27 de Outubro de 2010. Artigo aprovado em 5 de Fevereiro de 2011.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024