Title
Search
All Issues
12
Ano: 2012  Vol. 16   Num. 1  - Jan/Mar
DOI: 10.7162/S1809-48722012000100012
Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Avaliao do benefcio com o uso da amplificao sonora em crianas e adolescentes
Evaluation of the benefit with the use of the sound amplification inchildren and teenagers
Author(s):
Nilvia Herondina Soares Aurlio1, Enma Maringel Ortiz Torres2, Aline da Silva Lopes3, Maristela Julio Costa4.
Palavras-chave:
audio, perda auditiva, auxiliares de audio, criana, questionrios.
Resumo:

Objetivo: Avaliar o benefcio proporcionado pela amplificao sonora em crianas e adolescentes atendidos pelo programa de ateno sade auditiva da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mtodo: Participaram deste estudo 63 indivduos com idade entre 03 e 14 anos e seus familiares. Para avaliar o benefcio proporcionado pela amplificao sonora foi aplicada a Escala de Integrao Auditiva Significativa para Crianas Pequenas (IT-MAIS), para as crianas com menos de 04 anos; a Escala de Integrao Auditiva Significativa (MAIS), para as crianas de 04 a 07 anos e o questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens, para os indivduos de 08 a 14 anos. Resultados: Somente um indivduo pde ser avaliado atravs da escala IT-MAIS, o qual obteve a pontuao 0 (zero), indicando ausncia dos comportamentos auditivos avaliados. Dez indivduos foram avaliados atravs da escala MAIS, sendo que a pontuao mdia encontrada na avaliao dos comportamentos auditivos foi de 19,9. Foram avaliados 52 indivduos atravs do questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens, sendo que as respostas positivas relacionadas ao benefcio proporcionado pelas prteses em diferentes situaes foram as mais encontradas em todos os itens. Concluso: Foi verificado benefcio proporcionado pela amplificao sonora, em diferentes situaes da vida diria, tanto pela tica do paciente, quanto de sua famlia. Em alguns casos, onde foi encontrado pouco ou nenhum benefcio, houve influncia de outras alteraes clnicas, alm da perda auditiva, influenciando no uso efetivo das prteses auditivas.

INTRODUO

A perda auditiva, independentemente do grau, pode levar a uma srie de comprometimentos perceptuais e alteraes na fala, prejudicando a comunicao do indivduo e podendo causar deficincias secundrias envolvendo os aspectos cognitivos, emocionais, sociais e educacionais (1).

Visando minimizar esses comprometimentos, faz-se necessrio o diagnstico e a interveno precoce eficiente, com a indicao e adaptao de prteses auditivas adequadas, bem como o acompanhamento teraputico especializado (2).

Os benefcios e as limitaes das habilidades de escuta da criana utilizando a prtese auditiva so avaliados pelo fonoaudilogo, na etapa final do processo da adaptao de prteses auditivas. Verifica-se, portanto, quais os efeitos da amplificao na qualidade de vida da criana (3).

A fim de verificar estes benefcios, o fonoaudilogo pode utilizar procedimentos como observar o comportamento da criana em resposta ao sinal amplificado fornecido pela prtese auditiva, quantificar as respostas comportamentais utilizando a amplificao por meio do ganho funcional e de testes de percepo da fala (medidas diretas); como tambm, analisar as medidas indiretas do desempenho obtidas em entrevistas com pais, cuidadores e/ou educadores por meio de questionrios desenvolvidos para tal finalidade (3).

Com o propsito de verificar o benefcio com relao amplificao sonora em crianas com menos de 04 anos e de 04 a 07 anos, respectivamente, foi desenvolvida a Escala de Integrao Auditiva Significativa para Crianas Pequenas - IT-MAIS (Infant-toddler Meaningful Auditory Integration) e a Escala de Integrao Auditiva Significativa - MAIS (Meaningful Auditory Integration Scale). Estas escalas abordam informaes relativas frequncia com que a criana demonstra comportamentos auditivos significativos no seu dia a dia (4-7).

Para pesquisar o benefcio proporcionado pela amplificao em pacientes com idade entre 07 e 14 anos, BOSCOLO et al. (2006) desenvolveram um questionrio de auto-avaliao, o qual contm questes fechadas e gravuras ilustrativas, que visam conhecer a melhora de desempenho proporcionado pela amplificao no ambiente residencial, na escola e no convvio social em crianas e jovens (8).

Tais instrumentos permitem ao audiologista investigar a percepo do paciente e da famlia sobre as dificuldades de comunicao, monitorar seu progresso e localizar suas necessidades auditivas fora da bateria audiomtrica padro (9).

Com base nesses propsitos, o objetivo deste estudo foi avaliar o benefcio proporcionado pelo uso da amplificao sonora por meio de instrumentos de auto-avaliao em crianas e adolescentes atendidos pelo programa de ateno sade auditiva da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).


MTODO

O presente estudo foi realizado no Laboratrio de Prteses Auditivas (LPA) do Servio de Atendimento Fonoaudiolgico (SAF) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no perodo compreendido entre abril e agosto de 2009.

Esta pesquisa est vinculada ao projeto "Pesquisa e Base de Dados em Sade Auditiva", registrado no Gabinete de Projetos do centro de Cincias da Sade sob o n 019731 e aprovado pelo Comit de tica em Pesquisa (CEP) da UFSM em 05/12/2006, protocolo n 23081.0.016862/2006-09.

Participaram deste estudo, indivduos com perda auditiva, protetizados no Laboratrio de Prteses Auditivas da UFSM por meio do programa de ateno sade auditiva desta instituio. Este programa est vigente desde o ano de 2005 e atende na mdia complexidade os municpios da macro-regio Centro-oeste do estado do Rio Grande do Sul.

Somente foram avaliados os indivduos cujos pais ou responsveis concordaram com a realizao dos procedimentos necessrios para a execuo da pesquisa e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, aps terem recebido esclarecimentos sobre o objetivo e metodologia do estudo proposto.

Para fazerem parte da pesquisa, os critrios de incluso estabelecidos foram: ter idade entre 03 e 14 anos e um tempo mnimo de trs meses de uso da amplificao, pois a experincia clnica tem demonstrado ser este um tempo razovel para adaptao prtese auditiva, sendo possvel verificar os reais resultados da interveno, j que os benefcios advindos do uso da amplificao no emergem de imediato (10).

Os indivduos foram avaliados durante uma consulta de acompanhamento do processo de adaptao das prteses auditivas, onde um familiar ou responsvel pela criana ou adolescente se fazia presente. Nessa sesso, verificaram-se as condies tcnicas das prteses auditivas e uma entrevista foi realizada contendo aspectos como a efetividade e a frequncia do uso das prteses auditivas pela criana ou adolescente; queixas e dificuldades relacionadas ao uso das prteses auditivas; o desenvolvimento e desempenho escolar do paciente; a realizao de acompanhamento fonoaudiolgico, dentre outros.

O benefcio obtido com o uso da amplificao sonora foi pesquisado atravs da aplicao de questionrios de auto-avaliao compatveis com a idade dos pacientes.

Para a verificao do benefcio com relao amplificao sonora em crianas at 04 anos de idade, foi utilizada a escala de integrao auditiva significativa para crianas pequenas, o IT-MAIS - Infant-toddler Meaningful Auditory Integration (Anexo 1). Esta escala pesquisa comportamentos auditivos espontneos da criana em situaes de vida diria, atravs de exemplos em trs diferentes reas do desenvolvimento de habilidades auditivas. Estas trs reas incluem mudanas na vocalizao associadas com o uso do dispositivo, alerta para sons ambientais e atribuio de significado ao som (5,6).

Para crianas com idade entre 04 e 07 anos, foi aplicada a escala de integrao auditiva significativa, o MAIS - Meaningful Auditory Integration Scale (Anexo 2). Esta escala contm dez questes fechadas que avaliam a ligao da criana com o aparelho de amplificao sonora; a capacidade de alerta para os sons e a capacidade de extrair o significado de fenmenos auditivos (4,7).

Estas escalas foram desenvolvidas para avaliar crianas com perda auditiva de grau profundo e so pontuadas atravs das informaes provenientes dos familiares ou responsveis pela criana. Para cada uma das questes, houve a possibilidade de 5 respostas, sendo que cada questo foi pontuada pela frequncia de ocorrncia do comportamento que varia de 0 ("nunca demonstrou este comportamento") a 4 ("sempre demonstrou este comportamento). A possibilidade total de pontuao nas escalas MAIS e IT-MAIS 40 (4-7).

Para os pacientes com idade entre 08 e 14 anos, o benefcio proporcionado pela amplificao foi pesquisado atravs do questionrio de auto-avaliao elaborado por BOSCOLO et al. (2006) (Anexo 3). Este instrumento contm questes fechadas, as quais so acompanhadas de gravuras ilustrativas referentes ao benefcio proporcionado pelas prteses auditivas no ambiente residencial, na escola e no convvio social. Este questionrio foi respondido pelo prprio paciente, porm em alguns casos, como quando o paciente no entendia a gravura, ou era necessrio passar alguma informao complementar por meio de LIBRAS (Lngua Brasileira de Sinais) ou gestos indicativos, o auxlio dos familiares ou responsveis foi permitido (8).

Com base nos critrios estabelecidos, foram avaliadas 63 crianas e jovens, sendo que a escala IT-MAIS foi aplicada em 1 indivduo, a escala MAIS em 10 indivduos e o questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens foi aplicado em 52 indivduos. Todos os indivduos que foram submetidos aplicao das escalas IT-MAIS e MAIS, possuam perda auditiva neurossensorial de grau profundo bilateral, com exceo de um indivduo, o qual possua perda auditiva neurossensorial de grau severo na orelha direita e grau profundo na orelha esquerda. J, os indivduos aos quais foi aplicado o questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens, possuam outros tipos e graus de perda auditiva, visto que as autoras do questionrio no fazem referncia quanto a limitaes na sua aplicao em variadas configuraes de perda auditiva. Para facilitar a visualizao dos dados, na Figura 1, esto expostos o tipo e grau da perda auditiva, dos 52 indivduos que responderam ao questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens (8).

Os dados obtidos a partir das avaliaes foram a analisados e apresentados de maneira descritiva.


RESULTADOS

Somente em 1 (1,6%) indivduo foi aplicada a escala de integrao auditiva significativa para crianas pequenas (IT-MAIS), pois este foi o nico paciente que se enquadrou na faixa etria de aplicao deste instrumento de auto-avaliao. A pontuao encontrada neste caso foi igual a zero.

Com relao escala de integrao auditiva significativa (MAIS), esta pde ser aplicada em 10 (15,9%) indivduos, todos portadores de perda auditiva neurossensorial de grau profundo bilateral, com exceo de um indivduo, o qual possua perda auditiva de grau severo na orelha direita e grau profundo na orelha esquerda.

Na Tabela 1 encontram-se a pontuao e os ndices alcanados por cada indivduo, na escala MAIS. Ainda nesta tabela, se encontram os dados referentes regularidade do uso e o tempo de adaptao da prtese auditiva.

Com relao ao tempo de adaptao das prteses auditivas nestes indivduos, encontraram-se valores muito diversos e alguns pouco confiveis, pois os familiares no sabiam referir precisamente h quanto tempo a criana usava a prtese auditiva, nos pacientes cuja primeira protetizao no foi realizada no nosso servio. Os tempos mnimos e mximos aproximados de adaptao encontrados foram de trs meses, e de 10 anos, respectivamente.

J, em relao aos dados referentes s respostas encontradas na aplicao do questionrio de avaliao dos benefcios do AASI em crianas e jovens (8), observa-se na Figura 2, a anlise da frequncia do uso das prteses auditivas pelas crianas e jovens considerando diferentes ambientes.

Na Figura 3 verifica-se a distribuio dos indivduos com relao s respostas sobre o benefcio proporcionado pelas prteses auditivas referido pelas crianas e adolescentes em situaes vivenciadas em ambiente domstico; na Figura 4, as vivenciadas em ambiente escolar e na Figura 5, as vivenciadas em ambiente social.









Figura 1. Distribuio dos indivduos segundo o tipo e grau de perda auditiva por orelha (n=52).




DISCUSSO

Com relao aos resultados encontrados na aplicao da escala de integrao auditiva significativa para crianas pequenas (IT-MAIS), somente 1 (1,6%) indivduo pode ser avaliado, pois este foi o nico paciente que se enquadrou na faixa etria de aplicao deste instrumento de auto-avaliao. A pontuao encontrada neste caso foi igual a 0 (zero), ou seja, o familiar referiu que a criana no apresentava, em momento algum, nenhum dos comportamentos avaliados na escala, mesmo fazendo uso das prteses auditivas. Porm, este paciente possua alm da deficincia auditiva de grau profundo, um quadro de srias limitaes neuropsicomotoras decorrente de paralisia cerebral, no apresentando controle ceflico, o que comprometeu a anlise do desempenho das prteses auditivas.

J, os resultados encontrados na aplicao da escala de integrao auditiva significativa (MAIS) mostraram-se bastante diversos, sendo que o ndice mnimo encontrado foi 7,5 % e o mximo 85 %, obtendo-se um ndice mdio de 48,2% no grupo de indivduos avaliados.

Na literatura encontram-se valores variados na aplicao desta escala. Foram encontrados valores aproximados, sendo que os resultados deste estudo foram melhores que os relatados por outros estudos que obtiveram ndices mdios de 25,42% e 22,6% ao avaliar 12 indivduos portadores de perda auditiva de graus severo e profundo, usurios de prteses auditivas (3,11). Tambm, foram encontrados na literatura valores inferiores ao encontrado neste estudo (4,12), tais pesquisas referem um ndice mdio de 70% quando aplicaram a escala com familiares de 10 crianas portadoras de perda auditiva neurossensorial de grau profundo bilateral, usurias de prteses auditivas e, ndices acima de 82,5% em 20 crianas portadoras de malformao de orelha externa e mdia, portadoras de perda auditiva condutiva de grau moderado e usurias de aparelho de amplificao sonora por conduo ssea.

Do grupo de 10 crianas analisadas, pde-se observar que todos os indivduos pesquisados possuam perda auditiva neurossensorial de grau profundo bilateral, com exceo do indivduo nmero 7, o qual possua perda auditiva de grau severo na orelha direita e grau profundo na orelha esquerda, sendo este o que obteve o segundo melhor desempenho dentre os indivduos avaliados (82,5%). referido por outros autores, que o ndice encontrado na escala aumenta proporcionalmente, de acordo com a capacidade auditiva da criana, portanto a quantidade de audio residual influencia diretamente no resultado encontrado (7).

Os pacientes 5 e 9, alm da deficincia auditiva, possuam limitaes neuropsicomotoras decorrentes de paralisia cerebral. Alm disso, observa-se que o individuo nmero 5 no fazia um uso efetivo da prtese auditiva, o que pode justificar o pobre desempenho encontrado (20%). Em contrapartida, o indivduo nmero 9, mesmo possuindo limitaes decorrentes da paralisia cerebral, obteve um desempenho extremamente satisfatrio nos comportamentos avaliados (80%).

Analisando a Tabela 1, observa-se que os indivduos 1, 3 e 6 tiveram um desempenho insatisfatrio, ou seja, um ndice abaixo de 50% (7), mesmo fazendo uso regular da prtese auditiva e no tendo alteraes que influenciassem diretamente na capacidade auditiva. Porm, deve-se levar em conta que a escala pontuada a partir das informaes fornecidas pelos familiares da criana, dessa forma, os sentimentos com relao deficincia auditiva e o uso da prtese auditiva podem ter certa influncia nas respostas obtidas (13).

O resultado obtido por meio da aplicao da escala MAIS aos familiares forneceu informaes importantes com relao aos comportamentos auditivos espontneos das crianas em situaes de vida diria. Tais informaes no poderiam ser obtidas por meio da bateria de testes padro, uma vez que esses comportamentos tendem a ocorrer em casa e no em ambientes de testagem, os quais possuem controle do som ambiental (14). Portanto, os resultados obtidos na escala MAIS servem para contribuir com as avaliaes da percepo da fala, complementando os procedimentos objetivos (7).

Assim como os resultados obtidos com a escala MAIS, os resultados obtidos atravs da aplicao do questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens (8) foram muito importantes, sobretudo porque avaliaram o benefcio proporcionado pela amplificao sonora atravs das informaes provenientes do prprio paciente.

Por se tratar de um questionrio com perguntas de fcil acesso e por possuir o auxlio de gravuras ilustrativas, o mesmo foi respondido sem dificuldades pela maioria dos pacientes.

Assim como o encontrado pelas autoras do questionrio (8), os indivduos que apresentaram maiores dificuldades de interpretao do enunciado das questes foram as crianas e jovens com perda auditiva de grau profundo. Devido ausncia de experincias orais/auditivas, estes indivduos possuem dificuldades no acesso linguagem escrita e se favorecem mais de um sistema de linguagem viso-espacial (15,16). Assim, com o auxlio das gravuras e de LIBRAS ou gestos indicativos, o significado dos enunciados das questes foi mais facilmente alcanado (17).

Com relao ao uso da prtese auditiva pde-se observar que 34 (65,4%) indivduos referiram utilizar a prtese em todos os lugares que vo, retirando-as apenas para tomar banho ou dormir. Esse dado revela o interesse e o comprometimento com o uso da prtese auditiva, devido aos benefcios que a mesma oferece a esses indivduos (8).

J, outros indivduos, referiram utilizar a prtese em ambientes mais especficos, ou seja, 3 (5,7%) somente em casa, 6 (11,5%) somente na escola, 1 somente na terapia (1,9%), 2 em casa e na terapia (3,8%) e 4 (7,6%) em casa e na escola. Observa-se que certos pacientes escolhem utilizar a prtese auditiva em situaes em que as demandas comunicativas aumentam, sendo que alguns destes casos, o uso restrito da prtese auditiva estava geralmente relacionado resistncia por parte do usurio e no a uma m adequao dos padres de amplificao da prtese. Nestes casos torna-se necessrio orientar os responsveis e o prprio deficiente auditivo sobre os benefcios que a prtese auditiva pode proporcionar (8).

Sabe-se que o benefcio das prteses auditivas est relacionado melhora da comunicao na vida diria, incluindo a reduo da inabilidade e da desvantagem auditiva (18). Neste contexto, inclui-se o ambiente domstico, pois neste que ocorre grande parte dos eventos dirios, alm de ser o ambiente em que ocorre o convvio familiar. Sendo assim, com relao ao benefcio proporcionado pelas prteses auditivas nas em situaes de rotina vivenciadas em ambiente domstico, verificou- se que 40 (76,9%) pacientes referiram que a prtese auditiva auxilia a ouvir melhor a televiso, 35 (67,3%) ouvir melhor o telefone tocando ou campainha e 37 (71,1%) ouvir os pais chamarem pelo nome, concordando com os resultados encontrados por demais estudos (8).

Com relao ao benefcio proporcionado pelas prteses auditivas em ambiente escolar, foi referido por 36 (69,2%) crianas e adolescentes que a prtese auditiva auxilia a ouvir melhor o professor, 33 (63,5%) referiram que auxilia a ouvir melhor os colegas de classe. A maior dificuldade encontrada foi ouvir o professor quando ele est longe 22 (42,3%). Isso refora a necessidade de se orientar quanto ao posicionamento do aluno prximo ao professor, pois este favorece a percepo do sinal de fala e reduz a interferncia do rudo ambiental (19).

Ao analisar benefcio proporcionado pelas prteses auditivas em situaes de rotina vivenciadas em ambiente social, encontramos resultados satisfatrios. Observou-se que 35 crianas e jovens (67,3%) relataram que com a prtese auditiva brincam melhor com seus amigos, 33 (63,4%), ouvem os amigos falarem, 38 (73,1%), conseguem ouvir os carros passando na rua, e 24 (46,1%) referiram que conseguem ouvir uma pessoa falando em local de rudo intenso. Observa-se por meio destes resultados, que o uso da prtese auditiva imprescindvel para a manuteno do convvio social das crianas e jovens avaliados, auxiliando na melhoria da qualidade de vida dos mesmos (20).

Foi observado que somente 24 indivduos (46,1%) referiram ouvir melhor uma pessoa falando em local de rudo intenso. Autores referem que em um ambiente ruidoso, o indivduo pode apresentar inmeras dificuldades na inteligibilidade da fala, pois o nmero de pistas cai significativamente, levando-os a utilizar somente pistas disponveis na situao. Nestes ambientes, necessrio que os padres de amplificao da prtese auditiva estejam bem ajustados para no causar desconforto auditivo, o que pode levar o usurio a uma desistncia do uso da prtese nestas situaes (8,21).

O sucesso da adaptao de prteses auditivas depende da anlise do benefcio que a prtese proporciona para o usurio e essas medidas so cada vez mais importantes em qualquer programa de adaptao de prteses auditivas (22).

A execuo deste estudo permite-nos sugerir a utilizao do questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens (8), com o propsito de avaliar o benefcio fornecido pela amplificao sobre o ponto de vista do paciente, visto que este instrumento se mostrou eficaz em fornecer informaes sobre o benefcio que a prtese auditiva proporciona em situaes de rotina domstica, escolar e social nas crianas e jovens avaliados.






Figura 2. Distribuio dos indivduos quanto frequncia do uso das prteses auditivas considerando diferentes ambientes (n=52).




Figura 3. Distribuio dos indivduos com relao s respostas sobre o benefcio proporcionado pelas prteses auditivas no ambiente domstico (n=52).




Figura 4. Distribuio dos indivduos com relao s respostas sobre o benefcio proporcionado pelas prteses auditivas no ambiente escolar (n=52).




Figura 5. Distribuio dos indivduos com relao s respostas sobre o benefcio proporcionado pelas prteses auditivas em ambiente social (n=52).







CONCLUSO

A partir da anlise e discusso dos resultados obtidos, verificou-se que na aplicao da escala MAIS foram encontrados ndices satisfatrios (acima de 50%) em 5 (50%) dos 10 indivduos avaliados.

Na aplicao do questionrio de avaliao do benefcio em crianas e jovens (8), observou-se que em todos os itens avaliados a maioria das crianas e jovens referiu melhora no desempenho com o uso das prteses auditivas.

Portanto, foi verificado benefcio proporcionado pela amplificao sonora, em diferentes situaes da vida diria, tanto pela tica do paciente, quanto de sua famlia. Em alguns casos, onde foi encontrado pouco ou nenhum benefcio com uso da amplificao, houve influncia de outras alteraes clnicas, alm da perda auditiva, influenciando no uso efetivo das prteses auditivas.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Vieira ABC, Macedo LR, Gonalves DU. O diagnstico da perda auditiva na infncia. J Pediatr. 2007, 29(1):43-49.

2. Almeida RP, Amaral LCG. Programa de doao de prtese auditiva: avaliao do ano de 2004. Rev Bras Promo Sade. 2007, 20(2):99-103.

3. Couto MIV, Lichtig I. Efeitos da amplificao sonora sobre as modalidades comunicativas utilizadas pelos pais. Pr-Fono. 2007, 19(1):75-86.

4. Robbins AM, Renshaw JJ, Berry SW. Evaluating Meaningful Auditory Integration in Profoundly Hearing-impaired children. Am J Otol. 1991, 12(supplement).

5. Zimmerman-Phillips S, Osberger MJ, Robbins AM. Infant-Toddler: Meaningful Auditory Integration Scale (IT-MAIS). Sylmar, Advanced Bionics Corporation, 1997.

6. Castiquini EAT, Bevilacqua MC. Avaliao da percepo da fala em crianas deficientes auditivas profundas. In: XIII Encontro Internacional de Audiologia, 1998, Bauru. Anais do XIII Encontro Internacional de Audiologia, 1998. p. 81.

7. Castiquini EAT, Bevilacqua MC. Escala de integrao auditiva significativa: procedimento adaptado para a avaliao da percepo da fala. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2000, 4(6):51-60.

8. Boscolo CC et al. Avaliao dos benefcios proporcionados pelo AASI em crianas e jovens da faixa etria de 7 a 14 anos. Rev Bras Educ Esp. 2006, 12(2):255-268.

9. Bess FH, Hedley-Williams A, Llichtenstein MJ. Avaliao auditiva em idosos In: Musiek FE, Rintelmann WF. Perspectivas atuais em avaliao auditiva, So Paulo: Monole; 2001.p.343-364.

10. Weinstein BE. Treatment efficacy: hearing aids in the management of hearing loss in adults. J Speech Lang Hear Res. 1996, 39(5):37-45.

11. Couto MIV, Lichtig I. Amplificao e (re)habilitao: direitos e necessidades das crianas surdas. In: II Seminrio ATIID, 2003, So Paulo. Anais do II Seminrio ATIID, 2003.

12. Aringa AHBD, Castiquini EAT. Adaptao do Aparelho de Amplificao Sonora Individual por Via ssea em Crianas Portadoras de Malformao de Orelha Externa e Mdia. Arq Int Otorrinolaringol. 2005, 9(2):310.

13. Boscolo CC, Santos TMM. A deficincia auditiva e a Famlia: sentimentos e expectativas de um grupo de pais de crianas com deficincia da audio. Distrb Comun. 2005, 17(1):69-75.

14. Osberger MJ et al. Use of a Parent-Report Scale to assess benefit in children given the Clarion Cochlear Implant. Am J Otol. 1997, 18(supplement):S79-80.

15. Harrison KMP, Lodi AC, Moura MC. Escolas e escolhas: o processo educacional dos surdos. In: Lopes Filho OC. Tratado de Fonoaudiologia. So Paulo: Roca, 1997, p. 360-400.

16. Bandini HHM, Oliveira CLAC, Souza EC. Habilidades de leitura de pr-escolares deficientes auditivos: Letramento Emergente. Paidia. 2006, 16(33):51-58.

17. Cader FAAA, Fvero MH. A mediao semitica no processo de alfabetizao de surdos. Rev Bras Educ Esp. 2000, 6(1):117-131.

18. Almeida K. Avaliao dos resultados da interveno. In: Almeida K, Irio MCM. Prteses auditivas: fundamentos tericos e aplicaes clnicas. 2 ed. So Paulo: Lovise; 2003. p.335-53.

19. Marriage JE et al. Effects of three amplification strategies on speech perception by children with severe and profound hearing loss. Ear Hear. 2005, 26(1):35-47.

20. Gil D. Treinamento auditivo formal em adultos com deficincia auditiva. [Tese de Doutorado] So Paulo: Universidade Federal de So Paulo. 2006, p. 181.

21. Caporali SA, Silva JA. Reconhecimento de fala no rudo em jovens e idosos com perda auditiva. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004, 70(4):525-532.

22. Haskell GB et al. Subjective Measures of Hearing Aid Benefit in the NIDCD/VA Clinical Trial. Ear Hear. 2002, 23(4):301-307.









1) Mestre em Distrbios da Comunicao Humana pela Universidade Federal de Santa Maria. Fonoaudiloga.
2) Mestranda em Distrbios da Comunicao Humana pela Universidade Federal de Santa Maria. Fonoaudiloga.
3) Mestre em Distrbios da Comunicao Humana pela Universidade Federal de Santa Maria. Fonoaudiloga da Universidade Federal de Pelotas.
4) Doutora em Cincias dos Distrbios da Comunicao Humana pela Universidade Federal de So Paulo. Fonoaudiloga; Professora Adjunta do Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria.

Instituio: Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria / RS - Brasil. Endereo para correspondncia: Enma Maringel Ortiz Torres - Avenida Presidente Vargas, 1720 - Apto. 302 - Centro - Santa Maria / RS - Brasil - CEP: 97015-510 - Telefone: (+55 55) 3304-1361 - E-mail: emmita_06@hotmail.com

Artigo recebido em 8 de Julho de 2011. Artigo aprovado em 12 de Outubro de 2011.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024