Title
Search
All Issues
17
Ano: 2012  Vol. 16   Num. 1  - Jan/Mar
DOI: 10.7162/S1809-48722012000100017
Print:
Review Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Percepo dos pais sobre a habilidade de ateno auditiva de seu filho com fissura labiopalatina: estudo retrospectivo
Perception of parents about the auditory attention skills of his kid with cleft lip and palate: retrospective study
Author(s):
Mariza Ribeiro Feniman1, Tasa Cristina de Souza2, Thais Sanches Teixeira2, Maria Fernanda Capoani Garcia Mondelli3.
Palavras-chave:
ateno, audio, fissura palatina.
Resumo:

Introduo: Para processar e decodificar o estmulo acstico so necessrios mecanismos cognitivos e neurofisiolgicos. O estmulo auditivo sofre influncias de fatores cognitivos de nvel mais alto, tais como a memria, ateno e aprendizagem. A privao sensorial ocasionada por perda auditiva do tipo condutiva, frequente na populao com fissura labiopalatina, pode afetar vrias funes cognitivas - dentre elas a ateno, alm de prejudicar os desempenhos escolares, lingusticos e interpessoais. Objetivo: Verificar a percepo dos pais de crianas com fissura labiopalatina sobre a ateno auditiva de seus filhos. Mtodo: Estudo retrospectivo de crianas com qualquer tipo de fissura labiopalatina, sem qualquer sndrome gentica associada cujos pais responderam a um questionrio pertinente sobre a habilidade de ateno auditiva. Resultados: 44 so do gnero masculino e 26 do gnero feminino, 35,71% das respostas foram afirmativas para a presena de perda auditiva e 71,43% para infeces otolgicas. Concluso: A maioria dos pais entrevistados apontou pelo menos um dos comportamentos relacionados ateno contidos no questionrio, indicando que a presena de fissura labiopalatina pode estar relacionada com dificuldades quanto ateno auditiva.

INTRODUO

A integridade anatomofisiolgica do sistema auditivo, a maturao das vias auditivas e a estimulao sonora adequadas so essenciais aquisio e desenvolvimento da linguagem oral (1).

Os problemas auditivos podem constituir-se em um quadro clnico isolado ou se apresentarem associados a outras alteraes. Dentre as alteraes encontradas que se associam audio, enfatizamos as fissuras labiopalatinas (FLP). As FLP congnitas desenvolvem-se durante o perodo embrionrio e o incio do perodo fetal, sendo representadas, clinicamente, pela ausncia do fechamento do lbio, palato ou ambos (2). Estima-se que para cada 1000 indivduos nascidos vivos, um seja portador de algum tipo de fissura labiopalatina (3).

Para processar e decodificar o estmulo acstico so necessrios vrios processos, mecanismos cognitivos e neurofisiolgicos, dentre eles a ateno auditiva.

A ateno est presente no dia a dia, possibilitando selecionar quais estmulos so importantes para realizao de tarefas. A ateno auditiva, especificamente, a habilidade do indivduo de se preparar, focar um estmulo sonoro e ainda estar pronto para receber um estmulo diferente em qualquer tempo. um aspecto imprescindvel para a aquisio de aspectos acsticos e fonticos dos padres lingusticos, essenciais no processo de aprendizagem da leitura e da escrita (4).

Uma vez que o ouvido humano tem uma capacidade limitada para processar a chegada do estmulo (5), considera-se que os mecanismos atencionais so importantes para limitar a quantidade de informao processada. Processos atencionais dizem respeito determinao de quais estmulos internos e externos so escolhidos para o processamento, e consequentemente quais estmulos tero uma resposta. Assim, a habilidade de ateno mostra-se de fundamental importncia, tendo em vista que essa habilidade requer que o ouvinte conscientemente selecione qual estmulo ele prestar ateno e processar sua resposta (4, 6).

Tendo em vista a importncia da participao dos pais na identificao e reabilitao de alteraes apresentados por seus filhos, considerando a importncia da habilidade de ateno na aquisio de outras habilidades importantes para a aprendizagem e, considerando a emergncia de trabalhos cientficos referentes a esta habilidade na populao com fissura labiopalatina, julgou se necessrio realizar um estudo retrospectivo das respostas obtidas de um questionrio pertinente sobre a habilidade de ateno auditiva de crianas com esta malformao, a fim de orientar e diagnosticar o mais cedo possvel alguma alterao presente, em casos futuros, estabelecendo medidas teraputicas adequadas.

Este artigo tem o objetivo de verificar a percepo dos pais de crianas com fissura labiopalatina sobre a ateno auditiva de seus filhos.


MTODO

Aps aprovao pelo Comit de tica em Pesquisa (Processo nmero 13/2006), foi realizado um estudo retrospectivo de crianas regularmente matriculadas em um hospital do interior paulista, especializado em malformao.

A seleo das crianas foi baseada nos seguintes critrios de incluso:

a) Estar na faixa etria de 6 a 11 anos.

b) Apresentar qualquer tipo de fissura labiopalatina (7).

c) No apresentar qualquer sndrome gentica associada

d) compreenso necessria dos pais para responderem a um questionrio sobre a habilidade de ateno auditiva da criana.

Para a seleo das crianas do grupo controle, os critrios utilizados foram os mesmos, porm sem a presena da fissura labiopalatina.

O questionrio aplicado sobre a habilidade de ateno auditiva constou de trs partes:

Parte I - identificao da criana, no que se refere ao seu nome, gnero, idade, endereo, grau e nvel de escolaridade, assim como o nvel de instruo dos pais.

Parte II - sade auditiva, referente histria positiva de perda auditiva e infeces otolgicas.

Parte III - composta por 32 itens relacionados ateno: no prestar ateno s instrues 50% ou mais vezes; necessitar frequentemente que as instrues sejam repetidas; dizer "h"? e " o qu"? ao menos 5 ou mais vezes ao dia; no poder prestar ateno ao estmulo auditivo por mais que pouco segundos; apresentar ateno curta; sonhar acordado; ser facilmente distrado pelo rudo de fundo; ter problemas com discriminao sonora; ter problemas em lembrar uma sequncia ouvida; esquecer o que dito em poucos segundos; apresentar transtorno de dficit de ateno e hiperatividade (TDAH); tomar medicamento para TDAH; frequentemente deixa de prestar ateno a detalhes ou comete erros por descuido em atividades escolares, de trabalho ou outras; ter, com frequncia, dificuldades para manter a ateno em tarefas ou atividades ldicas; parecer, com frequncia, no escutar quando lhe dirigem a palavra.

Para o grupo experimental participaram 70 crianas sendo 44 do gnero masculino e 26 do gnero feminino.

Participaram do grupo controle (sem fissura labiopalatina )30 crianas sendo 15 do genero feminino e 15 masculino que no apresentavam queixa auditiva ou de afeces das vias areas superiores. Quanto ao questionrio os pais/responsveis pelas criancas no apresentaram quaisquer queixas auditivas com relao a ateno auditiva.

A Tabela 1 apresenta a distribuio da populao selecionada. O grupo controle no foi inserido nesta tabela.


RESULTADOS

Quanto s respostas obtidas no questionrio aplicado (Questionrio Audio/Ateno) (Anexo 1).

Parte I - Identificao da criana, no que se refere ao seu nome, gnero, idade, endereo, grau e nvel de escolaridade, assim como o nvel de instruo dos pais.

No que se refere ao gnero, 44 so do gnero masculino e 26 do gnero feminino (Tabela 1).

Quanto escolaridade das crianas, foi verificado que 19% delas encontram-se na Pr-Escola, 24% na primeira srie, 21% na segunda, 17% na terceira, 11% na quarta e 8% na quinta srie do Ensino Fundamental.

Parte II - Sade auditiva, quanto histria positiva de perda auditiva e de infeces otolgicas.

A Tabela 2 indica as respostas dos pais referentes a histria de otite mdia e perda auditiva.

Parte III - Itens relacionados ateno.

De um total de 70 pronturios, dos 32 itens, foram assinaladas 27 como quantidade mxima e 0 como quantidade mnima com mdia de 8,81 (dp 5,80).

A Tabela 3 apresenta os resultados em mdia (x), porcentagem (%) e desvio padro (dp), da quantidade de questes assinaladas pelos pais em relao ao gnero, histrico de perda auditiva e histria de infeco de orelha mdia da criana.

Para a correlao entre idade e quantidade de questes assinaladas foi utilizado o coeficiente de correlao de Pearson (correlao significante p<,05000) com resultado de 0,25 (p=,034).













DISCUSSO

Verificou-se aps a anlise dos questionrios das 70 crianas com fissura labiopalatina, que a maioria dos pais respondeu positivamente ao histrico de problemas auditivos: perda de audio (25 crianas) e ocorrncia de infeces de orelha mdia (50 crianas), havendo associao de perda auditiva e infeces de orelha mdia em 32 crianas.

Na literatura pesquisada foram encontrados resultados semelhantes (8, 9), e, ainda, pesquisadores (10) que relataram problemas auditivos em crianas com fissura de palato.

Quanto comparao entre a presena de histrico de perda auditiva em relao quantidade de questes assinaladas, os resultados mostram que no houve diferena estatisticamente significativa em ambos os grupos. Pesquisa (11) refere que a FLP apresenta problemas auditivos associados, desta forma, verificaram o conhecimento dos pais sobre a sade auditiva de seus filhos por meio da elaborao e aplicao de um questionrio pertinente em 100 pais de crianas com FLP, entre 2 meses e 5 anos de idade. Os autores concluram que os pais possuem bons conhecimentos a respeito de DA e suas principais manifestaes, porm desconhecem o risco de perda auditiva em crianas com FLP.

Em um estudo realizado (12) com 44 crianas com FLP de ambos os gneros com idade entre 8 e 14 anos foi constatado por meio de avaliao audiolgica e teste de processamento auditivo que 22,8% apresentaram algum grau de perda auditiva e 45,5% apresentaram resultados alterados em teste de escuta dictica, justificando assim, acompanhamento mdico e audiolgico para essa populao.

Na comparao entre a presena de infeces de orelha mdia e a quantidade de respostas sobre habilidade de ateno auditiva, o resultado no foi significante. Pesquisadores (13) a fim de analisar a influncia da otite mdia no desempenho de crianas com queixas relacionadas ao processamento auditivo (PA) avaliaram dois grupos de criana com idades entre 6 a 13 anos, sendo o grupo I constitudo por 10 crianas com antecedentes de otite mdia recorrente e com queixas relacionadas alterao do PA, e o grupo II, composto por 15 crianas com queixas relacionadas a alteraes de PA e sem antecedentes de otite mdia recorrente. Os autores observaram que as crianas de ambos os grupos comportaram-se de maneira semelhante em relao medida das habilidades auditivas, no sendo verificada diferena estatisticamente significativa entre elas nos testes auditivos comportamentais de localizao sonora, memria para sons verbais e no verbais, fala com rudo, dictico de dgitos, dictico no verbal e PSI em portugus.

Pesquisadores (14) constataram que crianas com FLP tm prevalncia significativamente maior de otite mdia com efuso do que crianas sem fissura. Tal resultado foi encontrado aps acompanhamento longitudinal de 5 anos e realizao de avaliao audiolgica em 22 crianas com FLP e 20 sem FLP com idade entre 1 e 5 anos.

Autores (15) analisaram a prevalncia de fala, linguagem, audio e problemas dentrios em crianas com um diagnstico de FLP, por meio de uma reviso retrospectiva de 95 pacientes com fissura labial (mdia 3,1 anos). Os resultados mostraram que 33% das crianas apresentaram efuso de OM e 13% apresentaram audio anormal. De acordo com os resultados obtidos a partir da aplicao do questionrio aos pais, foi verificado que grande parte das crianas apresentou comportamentos relacionados dificuldade quanto ateno e impulsividade, visto que 88% dos pais entrevistados assinalaram pelo menos um item contido no questionrio. Dentre os comportamentos assinalados, o que apresentou maior ocorrncia foi o "Fala em demasia", presente em 46% dos questionrios respondidos, seguidos dos comportamentos "Interrompe ou se mete em assuntos dos outros" (45%), "Agita as mos ou os ps ou se mexe na cadeira" (44%), " facilmente distrado pelo rudo de fundo" (41%).

Conforme descrito nos resultados, os questionrios respondidos pelos pais das crianas que formaram o grupo controle desta pesquisa no assinalaram nenhum item referente queixa auditiva, resultado este diferente do encontrado em um trabalho de pesquisadores que (16) compararam o julgamento de pais de crianas com e sem FLP a respeito da habilidade de escuta de seus filhos, verificando que ambos os grupos apresentaram as mesmas dificuldades, porm nas crianas com fissura ocorreram com maior frequncia.

Em uma pesquisa semelhante os autores (17) observaram que os pacientes com FLP apresentam comportamentos similares queles com desordem do processamento auditivo (DPA), tal resultado foi obtido aps os pais de crianas com FLP responderem ao questionrio Fisher, com 25 itens sobre os comportamentos encontrados nas crianas com DPA e observaram que 100% das crianas com FLP mostraram alguns comportamentos indicativos de DPA. Na relao entre a quantidade de questes assinaladas e a idade das crianas cujos pais foram entrevistados foi encontrada diferena estatisticamente significativa, podendo sugerir que quanto maior a idade menor a quantidade de questes assinaladas pelos pais. Os resultados indicaram que na populao estudada, conforme ocorre o aumento da idade, a presena de dificuldades quanto habilidade de ateno auditiva vai diminuindo.

Diversas pesquisas tm utilizado questionrio aplicado aos pais para uma investigao mais cuidadosa em relao audio das crianas com FLP (10, 11,18). Isso se faz importante, pois h indicaes de que a otite mdia e a perda de audio leve tenham como consequncia um atraso no desenvolvimento de linguagem das crianas (19), alm de dficit do processamento e de ateno auditiva (20).






CONCLUSO

No foi observada diferena estatisticamente significativa entre o nmero de itens assinalados pelos pais no questionrio e o histrico positivo de perda auditiva ou de infeco de orelha mdia.

A maioria dos pais entrevistados apontou pelo menos um dos comportamentos relacionados ateno contidos no questionrio, indicando que a presena de fissura labiopalatina pode estar relacionada com dificuldades quanto ateno auditiva.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Amaral MIR, Martins JE, Santos MFC. Estudo da audio em crianas com fissura labiopalatina no-sindrmica. Braz J Otorhinolaryngol. 2010, 76(2):164-71.

2. Goudy S, Lott D, Canadyj, Smith RJ. Conductive hearing loss and otopathology in cleft palate patients. Otolaryngol Head Neck Surg. 2006, 134(6):946-8.

3. Wyszynski DF. Cleft Lip & Palate: from origin to treatment. New York, Oxford. University Press, 2002.

4. Gomes H, Molholm S, Christodoulou C, Ritter W, Cowan N. The development of auditory attention in children. Front Biosci. 2000, 5: D108-20.

5. Windsor J, Hwang M. Children's auditory lexical decisions: a limited processing capacity account of language impairment. J Speech Lang Hear Res. 1999, 42:990-1002.

6. Medwetsky L. Central auditory processing. In: Katz J, Burkard RF, Medwetsky L, editors. Handbook of clinical audiology. Baltimore: Williams Wilkins; 2002. p.495-509.

7. Spina V, Psillakis JM, Lapa FS, Ferrari MC. Classificao das fissuras labiopalatinas: sugesto de modificao. Rev Hosp Cln Fac Med So Paulo. 1972, 27(1):56.

8. Hocevar B, Jarc A, Kozelj V. Ear, nose and voice problems in children with orofacial clefts. J Laryngol Otol. 2006, 120(4):276-281.

9. Yang F, McPherson B, Shu H. Evaluation of an Auditory Assessment Protocol for Chinese Infants with Nonsyndromic Cleft Lip and/or Palate. Cleft Palate Craniofac J. 2010 May 12.

10. Sheahan P, Miller I, Sheahan JN, Earley MJ, Blayney AW. Incidence and outcome of middle ear disease in cleft lip and/or cleft palate. Internat J Pediat Otorhinolaryng. 2003, 67(7):785-793.

11. Bosso JR, Feniman MR, Spinardi ACP, Andr KD, PiazentinPenna SHA. Conhecimento dos pais a respeito da sade auditiva de seus filhos portadores de fissura labiopalatina. In: 11 Simpsio Internacional de Iniciao Cientifica da USP SIICUSP, 2003, Ribeiro Preto. Anais do 11 Simpsio Internacional de Iniciao Cientifica da USP SIICUSP.

12. Amaral ML, Martins JE, Santos MF. A study on the hearing of children with nonsyndromic cleft palate/lip. Braz J Otorhinolaryngol. 2010, 76(2):164-171.

13. Santos MFC, Ziliotto KN, Monteiro VG, Hirata CHW, Pereira LD, Weckx LLM. Avaliao do processamento auditivo central em crianas com e sem antecedentes de otite mdia. Rev Bras Otorrinol. 2001, 67(4):448-454.

14. Flynn T, Mller C, Jnsson R, Lohmander A. The high prevalence of otitis media with effusion in children with cleft lip and palate as compared to children without clefts. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2009, 73(10):1441-6.

15. Vallino LD, Zuker R, Napoli JA. A study of speech, language, hearing, and dentition in children with cleft lip only. Cleft Palate Craniofac J. 2008, 45(5):485-94.

16. Barufi L. Comportamento de escuta em indivduos com fissura labiopalatina: achados preliminares. J Bras Fono. 2004, 5(19):9-15.

17. Minardi CG, Souza AC, Netto MP, Ulha FM, Feniman MR, Campos CF, et al. Auditory abilities in children with cleft lip and/or palate according to Fishers. Acta Otorrinolaringol Esp. 2004, 55(4):160-164.

18. Nicolielo AP, Feniman MR. A fala, linguagem e processamento auditivo na fissura labiopalatina, segundo o questionrio proposto por YLIHERVA. Rev Soc Bras de Fono. 2004, 9, Suplemento especial.

19. Roberts J, Hunter L, Gravel J, Rosenfeld R, Berman S, Haggard M, et al. Otitis media, hearing loss, and language learning:controversies and current research. J Develop Behavior Ped. 2004, 25(2): 110-122.

20. Lemos ICC, Ribeiro MF. Teste de Habilidade de Ateno Auditiva Sustentada em crianas de sete anos com fissura lbio palatina. Rev Bras Otorrinolaringol. 2010, 76:199-205.









1) Ps-Doutorado pela Audiology from the University of Cincinnati - Ohio - United States. Professora Titular do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.
2) Fonoaudiologa formada pela Faculdade de Odontologia de Bauru - USP. Fonoaudiologa.
3) Doutora em Distrbios da Comunicao pelo HRAC-USP. Professora Doutora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.

Instituio: Faculdade de Odontologia de Bauru - Universidade de So Paulo. Bauru / SP - Brasil. Endereo para correspondncia: Maria Fernanda Capoani Garcia Mondelli - Alameda Octavio Pinheiro Brisolla 9-75 - Vila Universitria - Bauru / SP - Brasil - CEP: 17012-901 - Telefone: (+55 14) 3235-8232.

Artigo recebido em 9 de Maro de 2011. Artigo aprovado em 24 de Maio de 2011.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024