Title
Search
All Issues
12
Ano: 2011  Vol. 15   Num. 3  - Jul/Set
DOI: 10.1590/S1809-48722011000300012
Print:
Original Article
Versão em PDF PDF em Português Versão em PDF PDF em Ingls TextoTexto em Ingls
Teste SSW em escolares de 7 a 10 anos de dois distintos nveis socioeconmico-culturais
SSW test in school children aged between 7 and 10 from two dissimilar socioeconomic cultural backgrounds
Author(s):
Karine Thas Becker 1, Maristela Julio Costa 2, Alexandre Hundertmarck Lessa 1, Angela Garcia Rossi 2.
Palavras-chave:
audio, fatores socioeconmicos, criana.
Resumo:

Introduo: A audio envolve muito mais do que apenas a sensibilidade perifrica. Para a interpretao dos sons necessria a participao de uma srie de habilidades auditivas. Sabe-se do importante papel de um ambiente estimulador para o desenvolvimento destas habilidades. Objetivo: estudar as habilidades auditivas avaliadas pelo Teste Dictico de Disslabos Alternados - SSW - em escolares de 7 a 10 anos, de diferentes nveis socioeconmico-culturais. Mtodo: Estudo prospectivo, clnico e observacional. Participaram 51 crianas divididos em dois grupos de acordo com o nvel socioeconmico-cultural. Assim, o Grupo 1 - G1 - (classe mdia-alta) ficou constitudo por 23 crianas e o Grupo 2 - G2 - (classe mdia-baixa) por 28. Realizou-se a aplicao do teste SSW, sendo analisados os aspectos quantitativos: condies direita competitiva (DC) e esquerda competitiva (EC) e o total de acertos do teste, e os aspectos qualitativos: efeito de ordem (EO), efeito auditivo (EA), inverses e padro Tipo A. Resultados: Aspectos quantitativos: houve diferena estatisticamente significante entre os grupos estudados para o total de acertos do teste, mas para as condies DC e EC, no. Aspectos qualitativos: verificada diferena estatisticamente significante apenas para o EO. Embora a anlise estatstica no tenha verificado diferena significante para todas as variveis estudadas, foi possvel observar que em todas elas, o G1 apresentou resultados superiores. Concluso: as habilidades auditivas avaliadas pelo teste SSW, em escolares de 7 a 10 anos, apresentaram escores superiores nas crianas de nvel socioeconmico-cultural mdio-alto em relao s de nvel mdio-baixo.

INTRODUO

Quando o som captado pela orelha externa, detectado pela orelha interna e, em seguida, passa por inmeros processos cognitivos e fisiolgicos para que ocorra a decodificao e compreenso do mesmo (1).

Este sistema desafiado pela tarefa de codificao precisa do som de entrada. A informao auditiva sobe, a partir da cclea, ao longo de vias paralelas, fazendo sinapse em vrias estruturas em sua rota at o crtex (2). Essas estruturas, juntamente com o crtex auditivo, so responsveis pelos mecanismos fisiolgicos auditivos. A cada um destes mecanismos, so associadas determinadas habilidades, que sero mais especficas quanto mais for necessrio detalhar o tipo do estmulo sonoro (3). O processamento auditivo se refere, ento, eficcia e eficincia com que o sistema nervoso central utiliza a informao auditiva (4).

Portanto, a audio faz parte de um sistema especializado de comunicao, envolvendo muito mais do que apenas a sensibilidade perifrica. Este intrincado sentido envolve a participao de redes neuronais complexas e de funes mentais superiores na interpretao de sons verbais e no verbais (5).

Dessa forma, compreender as competncias, capacidades ou habilidades em lidar com sons possvel observando-se os comportamentos reativos de crianas e adultos nas tarefas de detectar, discriminar, reconhecer e compreender o estmulo sonoro (3,6).

Testes especiais foram desenvolvidos para avaliar as habilidades auditivas especficas, associadas ou no s alteraes na comunicao, com a finalidade de identificar um distrbio do processamento auditivo (7). Um dos testes especficos que utiliza a tarefa de audio dictica o Teste Dictico de Disslabos Alternados, ou o SSW (Staggered Spondaic Word Test), em portugus brasileiro adaptado por Borges (1986) (8).

O SSW trata-se de uma ferramenta importante para avaliar o processo de audio dictica. Assim, conhecer como este procedimento pode auxiliar a compreender o aprendizado perceptual da fala torna-se importante na interveno fonoaudiolgica (7), j que pode existir co-ocorrncia entre distrbios do processamento auditivo e alteraes na fala, no aprendizado, dificuldades de leitura e escrita (9,10).

Sabe-se da importncia de um ambiente estimulador para o correto desenvolvimento do sistema auditivo e de suas habilidades. Um dos fatores que influencia fortemente as experincias e a consequente estimulao cognitiva de um indivduo, desde a infncia at a vida adulta, o status socioeconmico (11). A estimulao inadequada, gerada por influncias socioeconmicas e pelo nvel educacional da famlia, pode contribuir para atrasos no desenvolvimento global da criana, restringindo a aquisio de habilidades motoras, de linguagem e de cognio (12).

Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi estudar as habilidades auditivas avaliadas pelo Teste Dictico de Disslabos Alternados - SSW - em escolares de 7 a 10 anos, de diferentes nveis socioeconmico-culturais.


MTODO

A pesquisa faz parte do projeto "Pesquisa e Base de Dados em Sade Auditiva", registrado no Gabinete de Projetos sob o n 019731 e aprovado pelo Comit de tica em Pesquisa com certificado de n 0138.0.243.000-06, em 05/12/2006. Foi realizada no Ambulatrio de Audiologia do Servio de Atendimento Fonoaudiolgico (SAF) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no perodo compreendido entre novembro de 2009 e outubro de 2010, sendo caracterizada como quantitativa, transversal, prospectiva e contempornea.

Foram avaliadas 51 crianas, com idades entre 7 anos e 10 anos e 11 meses, procedentes de escolas particulares e de escolas pblicas e/ou entidades filantrpicas, as quais atendem crianas carentes, da cidade de Santa Maria / RS. A autorizao das escolas foi solicitada por meio do Termo de Autorizao Institucional.

Os indivduos, bem como seus pais e/ou responsveis, foram informados sobre os objetivos, procedimentos, riscos e benefcios. Foram avaliadas somente as crianas que consentiram em participar da pesquisa e que tiveram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido assinado pelos pais e/ou responsveis.

Foram utilizados como critrios de seleo os seguintes aspectos: limiares auditivos tonais da via area at 25 dB nas frequncias de 500 a 4000 Hz em ambas as orelhas (13); Limiar de Reconhecimento de Fala (LRF) 6 dB acima ou abaixo da mdia dos limiares tonais de 500, 1000 e 2000 Hz (14); Timpanograma Tipo A (15) e reflexos acsticos presentes (16); alm de ausncia de problemas neurolgicos, cognitivos, psicolgicos e de hiperatividade conhecidos, assim como de alteraes articulatrias e/ou fonolgicas que pudessem interferir na repetio dos estmulos de fala. A ausncia de alteraes articulatrias e/ou fonolgicas foi analisada mediante avaliao observacional durante a fala espontnea da criana antes do incio dos testes.

Primeiramente, os pais e/ou responsveis das crianas responderam a uma anamnese, aplicada pela pesquisadora, que forneceu informaes sobre queixas audiolgicas presentes no momento da avaliao, escolaridade, atividades extra-escolares e hbitos de vida. Aps a anamnese, as crianas passaram pela inspeo visual do meato acstico externo e pela obteno dos limiares auditivos, do LRF e das medidas de imitncia acstica (MIA).

As avaliaes ocorreram em cabine acusticamente tratada, utilizando um audimetro digital de dois canais, marca Fonix - Hearing Evaluator - modelo FA - 12, tipo I e fones auriculares tipo TDH-39P, marca Telephonics. Para a obteno das MIA utilizou-se o analisador de orelha mdia da marca Interacoustic, modelo AZ7, fone auricular da marca Telephonics, modelo TDH-39P e coxim MX-41 e sonda de 220 Hz a 70 dB NPS.

Os pais e/ou responsveis das crianas preencheram, ainda, um questionrio socioeconmico composto por duas questes gerais, a primeira referente a itens que possuem em sua residncia e a segunda, referente ao grau de instruo do chefe da famlia. Esse questionrio faz parte do Critrio de Classificao Econmica do Brasil da Associao Brasileira de Empresas de Pesquisa - ABEP (2008) (17), o qual estima o poder de compra das famlias.

Para a anlise do questionrio, foi utilizado o sistema de pontuao para os itens de cada questo, descritas pela ABEP. Ao final, foi feito um somatrio e obteve-se o nvel socioeconmico de cada criana. As classificaes do questionrio so: classe A1, A2, B1, B2, C1, C2, D e E.

No houve nenhuma criana, neste estudo, classificada na classe A1, nem na classe E. Todas as crianas das escolas particulares foram classificadas nas classes A2, B1 ou B2, tendo sido agrupadas, portanto, no Grupo 1 (G1). As crianas das escolas pblicas e entidades filantrpicas foram classificadas nas classes C1, C2 ou D, e ento agrupadas no Grupo 2 (G2).

A classificao sugerida pela ABEP no se utiliza de nomenclatura para cada classe. No intuito de auxiliar na clareza textual, para e denominao dos grupos 1 e 2 foram utilizados os termos nvel socioeconmico mdio-alto e nvel socioeconmico mdio-baixo, respectivamente.

Alm da questo socioeconmica, foram levadas em conta tambm as atividades extra-escolares realizadas pelas crianas, as atividades de lazer da famlia, bem como a realizao de cursos de lngua estrangeira, de msica (tocar algum instrumento musical) e acesso a computador e/ou internet.

Aps o levantamento dos dados da anamnese, percebeu-se que as crianas classificadas no G1 apresentaram grande quantidade e diversidade de atividades extra-escolares e de lazer, realizavam cursos de lngua estrangeira e/ou de msica e tinham acesso a computador e/ou internet. J as crianas classificadas no G2 apresentaram atividades que se resumiram a passeios e atividades oferecidas pela prpria escola, nenhuma fazia curso de lngua estrangeira, apenas uma tocava algum instrumento musical e aqueles que tinham acesso a computador e/ou internet faziam-no na casa de parentes.

Em vista de tais observaes, achou-se importante incluso do termo cultural na denominao dos grupos. Acredita-se que as diferentes atividades realizadas pelas crianas podem interferir no seu desenvolvimento, sendo que as atividades mais diversificadas e o acesso s diferentes tecnologias podem contribuir de forma positiva para o desenvolvimento desses sujeitos.

Dessa forma, os grupos foram assim denominados e constitudos:

-G1 - nvel socioeconmico-cultural mdio-alto: 23 crianas.

-G2 - nvel socioeconmico-cultural mdio-baixo: 28 crianas.

Posteriormente, foi aplicado o Teste Dictico de Disslabos Alternados - SSW.

Teste Dictico de Disslabos Alternados - SSW

O teste, criado por KATZ em 1962 (18) e adaptado para o portugus por BORGES em 1986 (8), foi aplicado na verso proposta por PEREIRA e SCHOCHAT (1997) (19). Consiste na apresentao de 40 sequncias de quatro palavras cada, apresentadas ao paciente 50 dB NA acima da mdia tritonal das frequncias de 500, 1000 e 2000 Hz. Essas palavras so paroxtonas dissilbicas, extradas do portugus brasileiro.

O teste SSW um procedimento desenvolvido como forma de avaliao da integridade central. Foi apresentado utilizando-se um Compact Disc Player Digital Toshiba - 4149, acoplado ao audimetro acima descrito.

Utiliza estmulos dicticos e a apresentao das sequncias ocorre da seguinte forma: a primeira palavra apresentada orelha direita sem mensagem competitiva (orelha direita no competitiva - DNC), duas palavras so apresentadas simultaneamente nas duas orelhas (orelha direita competitiva - DC e orelha esquerda competitiva - EC) e a ltima palavra apresentada, sem mensagem competitiva, na orelha esquerda (orelha esquerda no competitiva - ENC).

Antes do incio da aplicao do teste, a criana foi orientada sobre a tarefa a ser executada. A tarefa da criana foi reconhecer e repetir em voz alta as sequncias de quatro palavras que foram apresentadas.

As respostas das 160 palavras foram analisadas individualmente, sendo consideradas como certas ou erradas. Foram considerados erros: omisso, substituio ou distoro da palavra a ser repetida. A inverso da ordem das palavras de cada sequncia tambm foi considerada, porm no como erro.

Os resultados do teste SSW permitem uma anlise quantitativa, relativa condio de escuta, e uma anlise qualitativa, relativa aos tipos de erro verificados. Por meio da anlise quantitativa avaliam-se as habilidades auditivas de figura-fundo para sons verbais e por meio da anlise qualitativa avalia-se a habilidade de ordenao temporal de sons, entre outras (7).

Para a presente pesquisa, foram analisadas as condies DC, EC e o total de acertos do teste, referentes aos aspectos quantitativos, e o efeito de ordem (EO), o efeito auditivo (EA), as inverses e o Tipo A, referentes aos aspectos qualitativos.

Para os aspectos qualitativos foi realizada uma categorizao do tipo de erros quando estes ocorreram fora da faixa de variao do limite esperado (20). Assim, quando se encontra um EA alto-baixo e/ou EO baixo-alto categoriza-se como uma decodificao fonmica; quando ocorre EA baixo-alto e/ou EO alto-baixo categoriza-se como perda gradual de memria; quando o nmero de inverses ocorre acima do esperado categoriza-se como organizao e quando o Tipo A est presente, considera-se integrao.

Para a categorizao de desempenho normal ou alterado no teste SSW foram considerados os valores de referncia por faixa etria (21).

Anlise dos dados

Realizou-se a anlise descritiva dos valores, para a qual utilizou-se o clculo da mdia aritmtica, do desvio padro e dos pontos mximo e mnimo das variveis em questo.

Para a comparao das variveis quantitativas entre os dois grupos estudados, foi utilizado o Teste No Paramtrico U de Mann-Whitney, por tratar-se de dois grupos independentes. J para a anlise das variveis qualitativas, foi aplicado o teste de independncia do Qui-quadrado.

Foi considerado nvel de significncia estatstica de p < 0,05 (5%).

Os resultados estatisticamente significantes foram assinalados com um asterisco (*) nas tabelas que seguem.


RESULTADOS

Na Tabela 1 esto expostos os resultados das mdias, valores mnimo e mximo, desvios-padro (DP) e a anlise estatstica em funo das condies direita competitiva (DC), esquerda competitiva (EC) e o Total de acertos, na comparao dos grupos 1 (G1) e 2 (G2).

Na Tabela 2 pode-se observar a distribuio do nmero de crianas que no apresentaram alteraes na varivel quantitativa, bem como aquelas que se apresentaram fora do esperado nas condies DC e EC, de ambos os grupos.

Na Tabela 3 esto expostos os resultados encontrados para a varivel qualitativa, realizada de acordo com as tendncias de respostas - EO, EA, inverses e Tipo A - em funo do nmero de crianas com resultados tpicos e com alterao de cada grupo.

Na Tabela 4 est exposta a categorizao do tipo de erro conforme a ocorrncia do EO, do EA, de inverses e do Tipo A.



Legenda: DC - direita competitiva; EC - esquerda competitiva; DP - desvio padro, P - valor de p.




Legenda: DC - direita competitiva; EC - esquerda competitiva.




Legenda: EO: Efeito de ordem; EA: Efeito Auditivo.




Legenda: EA - efeito auditivo; EO - efeito de ordem.




DISCUSSO

Esta pesquisa, conforme os objetivos anteriormente descritos, estudou as habilidades auditivas avaliadas pelo teste SSW em escolares de diferentes nveis socioeconmico-culturais.

Para a primeira anlise, referente aos aspectos quantitativos, realizou-se um estudo estatstico a fim de verificar diferenas entre os dois grupos estudados (G1 e G2) nas condies direita competitiva (DC) e esquerda competitiva (EC) e no total de acertos (Tabela 1). A anlise mostrou diferena estatisticamente significante para o total de acertos do teste, mas para as condies DC e EC, no.

Embora no tenha ocorrido diferena estatisticamente significante entre os grupos nas condies DC e EC, verificou-se que os resultados mdios, bem como os valores mximo e mnimo das crianas de nvel socioeconmico-cultural mdio-alto foram superiores aos das crianas de nvel mdio-baixo.

possvel que a ocorrncia de diferena estatisticamente significante no total de acertos tenha se dado devido participao das condies no competitivas em sua anlise, as quais normalmente apresentam melhores escores em comparao com as condies competitivas (22). Isso evidencia que no escore total do teste, as crianas do G1 apresentaram resultados superiores em relao ao G2.

Foi verificado, tambm, de acordo com a Tabela 1, que os resultados mdios esto abaixo dos padres de normalidade esperados, tanto para o G1 quanto para o G2, sendo que o G1 est aqum dos resultados encontrados para os grupos controle de alguns estudos (23, 24, 25) e os resultados do G2 esto prximos dos encontrados para crianas com queixas de dificuldades de aprendizagem (25).

Conforme os dados expostos na Tabela 2, pode-se verificar que em ambos os grupos poucas crianas apresentaram resultados sem alterao nas condies DC e EC. A grande maioria apresentou alterao em ambas as condies. Dentre aquelas que tiveram alterao em apenas uma condio, prevaleceu a DC. Apesar de ser observado incidncia de crianas com alterao em ambos os grupos, essa incidncia foi mais elevada no G2.

Foi verificado, ainda, que ambos os grupos apresentaram porcentagem de acertos maior na condio DC (G1: 74,7% e G2: 66,7%) em relao EC (G1: 73,4% e G2: 64,7%). Este achado corrobora os encontrados pela literatura (7, 26), os quais demonstraram a superioridade da orelha direita em crianas para o teste SSW.

Na segunda anlise, referente aos aspectos qualitativos, foi verificada a tendncia de respostas do teste (EO, EA, inverses e Tipo A), em funo do nmero de crianas com resultados tpicos e com alterao (Tabela 3). A anlise verificou diferena estatisticamente significante apenas para o EO.

Porm, da mesma forma que na anlise quantitativa, foi possvel verificar que nas quatro condies analisadas, o nmero de crianas com alterao foi superior no G2 em relao ao G1, conforme pode ser observado na Tabela 3.

Foi realizada tambm a anlise descritiva da varivel qualitativa (tendncia de respostas) e posteriormente realizada a categorizao, de acordo com a proposta de KATZ e IVEY (1994) (20), conforme a Tabela 4.

A alterao na categoria de decodificao fonmica evidencia problemas de processamento em nvel fonmico. Estas crianas geralmente tem a habilidade fonmica pobre e dificuldade de leitura e soletrao. Pode haver ainda histrico de problemas na fala nos primeiros anos escolares (27, 28). No G1, 5 (21,7%) crianas demonstraram alterao nesta categoria, enquanto que no G2, o nmero de crianas com alterao aumentou para 10 (35,8%).

A categoria de perda gradual de memria refere-se a duas caractersticas importantes: dificuldade para ignorar o rudo de fundo, como para a memria imediata. O desempenho acadmico no to defasado quanto nos indivduos com problemas de decodificao (27, 28). No presente estudo, verificou-se 8 (34,8%) crianas do G1 contra 16 (57,2%) crianas do G2 classificados nesta categoria.

Aquelas crianas que se enquadram na categoria de organizao apresentam grande dificuldade para organizar a informao em sequncia. Dessa forma, a ortografia pode ser afetada, especialmente pela inverso da ordem das letras (27, 28). No G1, 7 (30,5%) crianas foram classificadas nesta categoria e no G2, 11 (39,3%).

Quando o problema encontra-se na categoria de integrao, o indivduo pode ser classificado em dois subtipos de problemas. Um diz respeito a dificuldades de integrao auditivo-visual e distrbios de leitura e soletrao severos, com grande deficincia em fontica. O outro subtipo menos severo e o seu desempenho semelhante aos indivduos que apresentam perda gradual de memria (27, 28). Aqui, foram detectadas apenas 3 (13%) crianas do G1 com alterao nesta categoria e 9 (32,2%) do G2.

Dessa forma, de acordo com a categorizao das crianas dos G1 e G2 verificada neste estudo, pode-se afirmar que h um maior nmero de crianas do nvel socioeconmico-cultural mdio-baixo que evidenciaram problemas nas categorias apresentadas. De forma geral, estes resultados sugerem, consequentemente, maior defasagem escolar neste grupo.

O tipo de disfuno que mais ocorreu, diferentemente da literatura compulsada que verificou a maior ocorrncia da categoria de decodificao (7, 9, 19, 29), foi a perda gradual de memria, tanto no G1 quanto no G2. Ou seja, a maior dificuldade destas crianas est na habilidade auditiva de figura-fundo e memria. As dificuldades relacionadas capacidade de extrair pistas acsticas da informao auditiva, reconhecimento de padres auditivos e/ou memria de curto prazo influenciam na habilidade da criana em focar a ateno em determinadas tarefas (30).

importante mencionar, ainda, que as categorias no so mutuamente exclusivas. Um mesmo indivduo pode ser classificado em mais de uma categoria.

No G1, das 23 crianas avaliadas, 9 (39,1%) no foram classificadas em nenhuma categoria; 11 (47,8%) foram classificadas em uma; duas (8,7%) crianas em duas categorias e apenas uma criana (4,5%) foi classificada em 3 categorias.

Enquanto no G2, das 28 crianas, somente 3 (10,7%) no tiveram classificao quanto categorizao; 13 (46,4%) crianas foram classificadas em uma; 6 (21,4%) em duas categorias e duas (21,4%) crianas em 3 categorias.

Assim, no G1, 13,2% das crianas apresentaram alterao em mais de uma categoria, enquanto que no G2, 42,8% das crianas apresentaram essa condio.

Portanto, os resultados mostram que em ambos os grupos houve crianas com alteraes nos aspectos quantitativos e qualitativos do teste SSW. O fato de as crianas do G1 terem apresentado ndice de alterao acima do esperado, tendo em vista a vantagem de um ambiente rico em estmulos para o desenvolvimento auditivo, pode ser explicado pela interferncia de outros fatores que influenciam os resultados deste teste, como a ateno, o nvel intelectual e a carga lingustica.

Alm disso, quando se avaliam habilidades interligadas de funes cognitivas, como o caso das habilidades auditivas, diversos fatores podem interferir nos resultados, tornando a variao de suas respostas algo esperado (31). A literatura destaca ainda que, apesar de alguns resultados nos testes de processamento auditivo de crianas parecerem expressivos, frequentemente h uma grande variabilidade entre os testes e os indivduos, o que torna a sua interpretao difcil (32).

No foram encontrados na literatura estudos especficos que comparassem os resultados do teste SSW em crianas de diferentes nveis socioeconmicos. Porm, utilizando diferentes testes e metodologias, alguns pesquisadores encontraram diferenas quanto s habilidades auditivas, entre elas as habilidades de reconhecimento, localizao, discriminao e memria sequencial de sons verbais e no-verbais (33), ateno seletiva (34, 35), reconhecimento de fala no rudo (36) e resoluo temporal (5). Todos evidenciaram pior desempenho nas crianas de nvel mdio-baixo, concluindo que o nvel socioeconmico-cultural interfere negativamente no desenvolvimento do processamento auditivo.

Sabe-se que o processamento auditivo tem papel fundamental no desenvolvimento da fala e da linguagem. Apesar de serem entidades clnicas distintas, podem coexistir (37). O prejuzo das habilidades auditivas est relacionado a alteraes de fala, leitura e escrita, mau desempenho escolar e social (38).

Em todas as condies de anlise do teste SSW: condies DC e EC e variveis qualitativas de acordo com a tendncia de respostas - EO, EA, inverses e Tipo A - verificou-se respostas melhores e superiores no G1, porm houve diferena estatisticamente significante apenas para o total de acertos e do EO.


CONCLUSO

A partir da anlise e discusso dos resultados obtidos, verificou-se que as habilidades auditivas avaliadas pelo teste SSW, em escolares de 7 a 10 anos, apresentaram escores inferiores nas crianas de nvel socioeconmico-cultural mdio-baixo em relao s de nvel mdio-alto.

Dessa forma, os resultados sugerem que as crianas de nvel socioeconmico-cultural mdio-baixo possuem maior defasagem das habilidades auditivas avaliadas, principalmente da perda gradual de memria, sendo, portanto, mais suscetveis a alteraes de fala e dificuldades de aprendizagem.


REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Ramos BD, Alvarez AM, Sanches ML. Neurologia e processamento auditivo: novos paradigmas. RBM/ORL. 2007, 2:52-58.

2. Lee CC, Sherman M. Topography and physiology of ascending streams in the auditory tectothalamic pathway. PNAS. 2010, 107:372-77.

3. Pereira LD. Sistema Auditivo e desenvolvimento das habilidades auditivas. In: Ferreita LP. Tratado de Fonoaudiologia. 2 ed. Brasil: Roca; 2009. p. 3-8.

4. American Speech-Language-Hearing Association (ASHA) (Central) Auditory processing disorders. Technical report. 2005. Disponvel em: http://www.asha.org/members/deskref-journals/deskref/default. Acesso em: 25 maio 2009.

5. Balen AS, Boeno MRM, Liebel G. A infuncia do nvel socioeconmico na resoluo temporal em escolares. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010, 15:7-13.

6. Delgado-Pinheiro EMC, Castiquini EAT, Lopes AC, Bevilacqua MC. Parmetros considerados nos procedimentos de avaliao da percepo dos sons da fala. Pr-Fono Revista de Atualizao Cientfica. 2003, 15(3):317-24.

7. Arajo NSS, Ruiz ACP, Pereira LD. SSW - Anlise qualitativa dos erros: inventrio de atendimento de 2005. Rev CEFAC. 2009, 11(Supl1):44-51.

8. Borges ACL. Adaptao do teste SSW para a Lngua Portuguesa. Nota preliminar. Acta AWHO. 1986, 5(supl. 1):38-40.

9. Cmara CC, Pereira LD, Borges ACLC. Teste de Escuta Dictica - SSW - em crianas com e sem evidncias de problemas escolares e/ou alterao de habilidades auditivas. Fono Atual. 2004, 30(7):4-13.

10. Quintas VG, Mezzomo CL, Keske-Soares M, Dias RF. Vocabulrio expressivo e processamento auditivo em crianas com aquisio de fala desviante). Pr-Fono Revista de Atualizao Cientfica. 2010, 22(3):263-8.

11. Hackman DA, Farah MJ, Meaney MJ. Socioeconomic status and the brain: mechanistic insights from human and animal research. Nature Reviews Neuroscience. 2010, 11:651-659.

12. Azevedo MF, Vieira RM, Vilanova LC. Desenvolvimento auditivo de crianas normais e de alto risco. So Paulo: Plexus, 2001.

13. Davis H, Silverman SR. Hearing and deafness. New York: Holt, Rinehart & Winston, 1970.

14. Wilson RH, Strouse AL. Audiometria com estmulos de fala. In: Musiek FE, Rintelmann WF. Perspectivas atuais em avaliao auditiva. 1 Ed. Brasileira. 2001. p. 21-62.

15. Jerger J. Clinical experience with impedance audiometry. Archives Otoryngology. 1970, 92:311-24.

16. Rossi AG. Imitnciometria. In: Frota S. Fundamentos em Fonouadiologia: Audiologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. p. 73-96.

17. Associao Brasileira De Empresas De Pesquisa - ABEP (2008). Critrios de Classificao Econmica Brasil. Disponvel em: RL: http://www.abep.org/. Acesso em: 26 maio 2009.

18. Katz J. The use of SSW for assenssing the integrity of the central auditory nervous system. J. Audit. 1962, 2:327-37.

19. Pereira LD, Schochat E. Processamento auditivo central: manual de avaliao. So Paulo- SP: Ed. Lovise. 1997.

20. Katz J, Ivey GR. Spondaic procedures in central testing. In: Williams & Wilkins. Handbook of clinical audiology. 4 ed. Baltimore, 1994.

21. Pereira LD. Avaliao do processamento auditivo central. In: Lopes Filho O. et al. (org). Tratado de Fonoaudiologia. 2 ed. So Paulo: Tecmedd, 2005. p.111-130.

22. Machado SF. O Teste SSW: A validao e aplicao de um instrumento num estudo e validao da fala. So Paulo, 1993 [Tese de Doutorado em psicologia da educao]. Pontifcia Universidade Catlica. So Paulo, So Paulo, 1993.

23. Cioqueta EP. Efeito da prtica musical no processamento auditivo em escolares de sete a 14 anos de idade. 2006. Dissertao (Mestrado em Distrbios da Comunicao Humana) - Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2006.

24. Costamilan CM. Processamento auditivo em escolares: um estudo longitudinal. 2004. Dissertao (Mestrado em Distrbios da Comunicao Humana) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

25. Pinheiro FH, Oliveira AM, Cardoso ACVieira, Capellini AS. Testes de escuta dictica em escolares com distrbio de aprendizagem. Braz J Otorhinolaryngol. 2010, 76(2):257-62.

26. Machado SF. Percepo. In: ___ Processamento Auditivo: uma nova abordagem. So Paulo, Plexus, 2003. p. 19-66.

27. Katz J, Ivey GR. Testes Centrais: procedimentos utilizando espondeus. In: Katz J. Tratado de audiologia. 4 ed. So Paulo: Manole, 1999. p. 237-53.

28. Katz J, Wilde L. Desordens do processamento auditivo. In: Katz J. Tratado de audiologia. 4 ed. So Paulo: Manole, 1999. p. 486-98.

29. Queirs C. N. Teste SSW em portugus: um inventrio quantitativo e qualitativo nos anos de 1994 a 2001. 2004. Tese de doutorado. Faculdade de Medicina. Universidade de So Paulo, So Paulo, 2004.

30. Midewedsky L. Memory and attention processing deficits: a guide to management strategies. In: Masters MG, Stecker NA, Katz J. Central auditory processing disorders: mostly management. Boston: Allyn Bacon; 1998 p. 63-88.

31. Correa B. M. Estudo das habilidades auditivas de crianas com respirao oral. 2010. Dissertao (Mestrado em Distrbios da Comunicao Humana) - Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2010.

32. Musiek FE, Lamb L. Avaliao auditiva central: uma viso geral. In: Katz, J. (org.). Tratado de audiologia clnica. Ed 4. Manole: So Paulo. 1999. p. 195-209.

33. Almeida CC, Lopes CC, Machado LM, Gadel M, Costa M, Pereira LD. Influncia do nvel scio econmico e cultural e da estimulao auditiva nas habilidades do processamento auditivo central. Fono Atual. 1997, 1(2):12-17.

34. D'Angiulli A, Herdman A, Stapells D, Hertzman C. Children's event-related potentials of auditory selective attention vary with their socioeconomic status. Neuropsychology. 2008, 22(3):293-300.

35. Stevens C.; Lauinger B, Neville H. Differences in the neural mechanisms of selective attention in children from different socioeconomic backgrounds: an event-related brain potential study. Developmental Science. 2009, 12(4):634-46.

36. Gambini C. Reconhecimento de fala em escolares com e sem prtica musical e diferentes nveis scio-culturais. 2006. Monografia (Especializao em Fonoaudiologia) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria 2006.

37. Fereira MIDC, Mello AM. Comorbidade entre transtorno de dficit de ateno e hiperatividade e distrbio do processamento auditivo. Rev Fonoaudiol Brasil. 2006, 4(2)1-3.

38. Santos MFC, Ziliotto KN, Monteiro VG, Hirata CHW, Pereira LD, Weckx LLM. Avaliao do Processamento Auditivo Central em Crianas Com e Sem Antecedentes de Otite Mdia. Rev Bras Otorrinolaringol. 2001, 67(4):448-54.









1) Graduao. Fonoaudiloga.
2) Doutora. Professora na Universidade Federal de Santa Maria.

Instituio: Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria / RS - Brasil. Endereo para correspondncia: Karine Thas Becker - Rua Pedro Santini, 177 - Apto. 109/C - Nossa Senhora de Lourdes - Santa Maria / RS - Brasil - CEP: 97060-480 - Telefone: (+55 55) 8406-3292 / 3317-0010 - E-mail: katthais@hotmail.com

Artigo recebido em 25 de Abril de 2011. Artigo aprovado em 15 de Maio de 2011.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2024